quinta-feira, março 21, 2019

Para celebrar o Dia da Árvore e da Poesia...

(imagem daqui)
  
Sabes, leitor

Sabes, leitor, que estamos ambos na mesma página
E aproveito o facto de teres chegado agora
Para te explicar como vejo o crescer de uma magnólia.
A magnólia cresce na terra que pisas – podes pensar
Que te digo alguma coisa não necessária, mas podia ter-te dito, acredita,
Que a magnólia te cresce como um livro entre as mãos. Ou melhor,
Que a magnólia – e essa é a verdade – cresce sempre
Apesar de nós.
Esta raiz para a palavra que ela lançou no poema
Pode bem significar que no ramo que ficar desse lado
A flor que se abrir é já um pouco de ti. E a flor que te estendo,
Mesmo que a recuses
Nunca a poderei conhecer, nem jamais, por muito que a ame,
A colherei.

A magnólia estende contra a minha escrita a tua sombra
E eu toco na sombra da magnólia como se pegasse na tua mão

 

in Poesia (2012) - Daniel Faria

quarta-feira, março 20, 2019

É, oficialmente, primavera...

(imagem daqui)
  
Equinócio da Primavera


Da noite a aragem tépida refrescando vem
surpreender as luzes que, interiores, se apagam
lentamente, uma após outra, como em madrugada
ao longe as luzes de outra margem - rio
descido pelas águas tenuemente crespas,
sombras passando, e escorre matutina,
ainda sem brilho, a vibração das águas,
enquanto rósea apenas de uma aurora ausente,
a crista das montanhas reverdece.

Por sobre a plácida e pensante aragem física
das vibrações diurnas, de amarguras,
vilezas vistas e traições sonhadas,
notícias de jornal e desafios,
guerra eminente ou, mais que dolorosa,
cravada nas imagens de uma paz sombria,
perpassa a noite véus de primavera,
glicínias que amanhã estarão floridas,
e folhas verdes, muito frágeis, tenras,
e o azular-se o mar, o distanciar-se o céu
na crua luz que juvenis sorrisos,
braços ligeiros de alegria funda,
devora lentamente, e as rugas ficam...
- ao longe as luzes de outra margem, rio
onde a noite se esconde até à morte.

 

in Pedra Filosofal (1950) - Jorge de Sena

Hoje é o Equinócio da Primavera

Iluminação da Terra pelo Sol no momento do equinócio
   
Na astronomia, equinócio é definido como o instante em que o Sol, na sua órbita aparente (como vista da Terra), cruza o plano do equador celeste (a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste), mais precisamente é o ponto no qual a eclíptica cruza o equador celeste. Este ano é no dia 20 de março, às 21.58 horas.
A palavra equinócio vem do latim, aequus (igual) e nox (noite), e significa "noites iguais", ocasiões em que o dia e a noite duram o mesmo tempo (12 horas). Ao medir a duração do dia, considera-se que o nascer do Sol (alvorada ou dilúculo) é o instante em que metade do círculo solar está acima do horizonte, e o pôr do Sol (crepúsculo ou ocaso) o instante em que o círculo solar está metade abaixo do horizonte. Com esta definição, o dia e a noite durante os equinócios têm igualmente 12 horas de duração.
Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro quando definem mudanças de estação. Em março, o equinócio marca o início da primavera no hemisfério norte e do outono no hemisfério sul. Em setembro ocorre o inverso, quando o equinócio marca o início do outono no hemisfério norte e da primavera no hemisfério sul.
As datas dos equinócios variam de um ano para o outro, devido aos anos trópicos (o período entre dois equinócios de março) não terem exatamente 365 dias, fazendo com que a hora precisa do equinócio varie ao longo de um período de dezoito horas, que não se encaixa necessariamente no mesmo dia. O ano trópico é um pouco menor que 365 dias e 6 horas. Assim num ano comum, tendo 365 dias e - portanto - mais curto, a hora do equinócio é cerca de seis horas mais tarde que no ano anterior. Ao longo de cada sequência de três anos comuns as datas tendem a se adiantar um pouco menos de seis horas a cada ano. Entre um ano comum e o ano bissexto seguinte há um aparente atraso, devido à intercalação do dia 29 de fevereiro.
Também se verifica que a cada ciclo de quatro anos os equinócios tendem a atrasar-se. Isto implica que, ao longo do mesmo século, as datas dos equinócios tendam a ocorrer cada vez mais cedo. Dessa forma, no século XXI só houve dois anos em que o equinócio de março aconteceu no dia 21 (2003 e 2007); nos demais, o equinócio tem ocorrido em 20 de março. Prevê-se que, a partir de 2044, passe a haver anos em que o equinócio aconteça no dia 19. Esta tendência só irá desfazer-se no fim do século, quando houver uma sequência de sete anos comuns consecutivos (2097 a 2103), em vez dos habituais três.
Devido à órbita da Terra, as datas em que ocorrem os equinócios não dividem o ano em um número igual de dias. Isto ocorre porque, quando a Terra está mais próxima do Sol, no periélio, viaja mais depressa do que quando está mais longe, no afélio.
  
Em várias culturas nórdicas ancestrais, o equinócio da primavera era festejado com comemorações que deram origem a vários costumes hoje relacionados com a Páscoa da religião cristã.
  

O Marechal Foch morreu há noventa anos

Ferdinand Foch (Tarbes, 2 de outubro de 1851Paris, 20 de março de 1929) foi um militar francês. Comandou as forças da Tríplice Entente ou dos Aliados em 1914 de uma forma decisiva, levando à vitória do Marne. Dirigiu com êxito operações na Flandres; como adjunto de Joseph Joffre, coordenou as operações dos exércitos franceses, belgas e britânicos. Em 1917 assumiu o cargo de chefe de Estado-Maior do Exército Francês e em 1918 somou mais uma vitória ao conseguir ganhar a Segunda Batalha do Marne. Um grande admirador seu foi Winston Churchill, que se referia a ele com grande respeito, levando em consideração a sua perspicácia em relação ao Tratado de Versalhes, dizendo que a paz duraria somente 20 anos.
Obras
  • Os princípios da Guerra (Les Principes de la Guerre) - 1903
  • A Condução da Guerra (La Conduite de la Guerre) - 1905
  • Memória para uso na História da Guerra de 1914 a 1918 (Mémoire pour servir à l'Histoire de la Guerre 1914-1918) - 1931 (obra póstuma)

Chester Bennington nasceu há 43 anos

Chester Charles Bennington (Phoenix, 20 de março de 1976Palos Verdes Estates, 20 de julho de 2017) foi um cantor, compositor, ator e vocalista da banda americana Linkin Park e que também trabalhou no grupo Dead by Sunrise e foi vocalista do Stone Temple Pilots, entre 2013 e 2015.
Bennington ganhou notoriedade devido à sua carreira como vocalista da banda Linkin Park. No ano 2000, estes lançaram o disco Hybrid Theory, que se tornou um enorme sucesso de público e crítica. Em 2005, este álbum chegou à marca de 10 milhões de cópias vendidas, apenas nos Estados Unidos. A banda lançou outros trabalhos bem sucedidos, como os álbuns Meteora (2003), Minutes to Midnight (2007), A Thousand Suns (2010), Living Things (2012), The Hunting Party (2014) e One More Light (2017).
Com todo o sucesso, Bennington focou também em vários trabalhos paralelos, como músico, produtor e ator. Ele formou a sua própria banda, Dead by Sunrise, em 2005, lançando posteriormente um álbum com eles, Out of Ashes. Chester também trabalhou com bandas como os Stone Temple Pilots, gravando um EP e fazendo shows com eles. Bennington foi reconhecido diversas vezes pelo seu trabalho como cantor, especialmente com os Linkin Park, sendo colocado pela revista Hit Parader na lista dos "Top 100 Vocalistas de Heavy Metal".
Eram conhecidos do público e da imprensa os seus problemas pessoais, com drogas e álcool. Chester já tinha dito várias vezes usar a música como sua "válvula de escape". Mas após um período, decidiu se limpar e afirmou "não ser mais aquela pessoa", focando-se então ainda mais no trabalho e na família. Chester era pai de seis filhos (um adotado) que teve com três mulheres, sendo casado com a sua última esposa, Talinda Ann Bentley, de 2006 até à sua morte.
Em 20 de julho de 2017, Bennington foi encontrado morto em sua residência em Palos Verdes Estates, no sul da Califórnia. A causa da morte foi suicídio por enforcamento.
  
in Wikipédia
 

A Rainha D.ª Maria I morreu há 203 anos

D.ª Maria I de Portugal (Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita Joana de Bragança); Lisboa, 17 de dezembro de 1734 - Rio de Janeiro, 20 de março de 1816) foi Rainha de Portugal de 24 de fevereiro de 1777 a 20 de março de 1816, sucedendo ao seu pai, El-Rei José I. D. Maria foi, antes de assumir o trono, Princesa do Brasil, Princesa da Beira e duquesa de Bragança.
Jaz na Basílica da Estrela, em Lisboa, para onde foi transladada.
Ficou conhecida pelos cognomes de A Piedosa ou a A Pia, devido à sua extrema devoção religiosa à Igreja Católica - demonstrada, por exemplo, quando mandou construir a Basílica da Estrela, em Lisboa. No Brasil, é conhecida pelo cognome de Dona Maria, a Louca ou Maria Louca, devido à doença mental manifestada com veemência nos últimos 24 anos de vida.

Brasão de Rainha de Portugal
Rainha do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves

O grande pintor Henrique Pousão morreu há 135 anos...

Henrique Pousão (1881), por Rodolfo Amoedo
   
Henrique César de Araújo Pousão (Vila Viçosa, 1 de janeiro de 1859 - Vila Viçosa, 20 de março de 1884), foi um pintor português pertencente a 1 ª geração naturalista.
Tio do poeta João Lúcio, faleceu, com apenas 25 anos, de tuberculose.
Foi o mais inovador pintor português da sua geração, reflectindo, na sua obra naturalista, influências de pintores impressionistas, como Pissarro e Manet. Realizou também paisagens que ultrapassam as preocupações estéticas da pintura do seu tempo. Natural de Vila Viçosa, Henrique Pousão faz-se pintor na Academia Portuense de Belas Artes, onde é discípulo de Thadeo Furtado e João Correia.
Bolseiro do Estado, parte para Paris, em 1880, com José Júlio de Sousa Pinto onde é discípulo de Alexandre Cabanel e Yvon. Por razões de saúde, troca a França por Itália: em Nápoles, Capri e Anacapri, executa algumas das suas melhores pinturas, em Roma é sócio dos Círculo dos Artistas e frequenta sessões nocturnas de Modelo Vivo.
Considerado um dos maiores da Pintura portuguesa da segunda metade do século XIX, Henrique Pousão desenvolveu toda a sua produção artística em fase de formação. A sua pintura é marcada pelos lugares por que passa.
Em França, revela já a originalidade que, mais tarde, marca a sua obra: um entendimento da luz e da cor, traduzido nas representações das margens do Sena, dos bosques sombrios dos arredores de Paris e em aspectos da aldeia de St. Sauves.
Em Roma, embora adira ao gosto académico, afasta-se do registo mimético e narrativo do naturalismo: num numeroso conjunto de pequenas tábuas, pinta ruas, caminhos, pátios, casas, trechos de paisagens, expressa as formas em grandes massas de cor, em jogos de claro-escuro e de luz-sombra. Em algumas obras, as composições assumem formas sintetizadas - próximas de uma expressão abstracta - caso de exceção na pintura portuguesa da época.
Através da sua obra, é possível traçar o antes e o depois do naturalismo.
 
Cecilia (1882)
  
Esperando o sucesso (1882), óleo de Henrique Pousão
  

Alex Kapranos, vocalista daos Franz Ferdinand, faz hoje 47 anos

Alex Kapranos (nascido Alexander Paul Kapranos Huntley, 20 de março de 1972, Almondsbury, Gloucestershire, Inglaterra) é um músico britânico, mais conhecido pelo trabalho como vocalista e guitarrista da banda Franz Ferdinand.
  
 

Há 24 anos houve um ataque terrorista com gás sarin em Tóquio

(imagem daqui)
  
O Ataque com gás sarin no Metro de Tóquio é o nome dado pela imprensa japonesa e internacional ao ataque ao Metro de Tóquio, foi um ato de terrorismo perpetrados por membros nacionais da Aum Shinrikyo, a 20 de março de 1995.
Em cinco atentados coordenados, os autores libertaram o gás sarin em várias linhas do Metro de Tóquio, matando doze pessoas, ferindo gravemente cinquenta e atingindo ligeiramente 6.000 pessoas.
O ataque era direcionado contra comboios passando por Kasumigaseki e Nagatachō, o edifício onde trabalha o Governo Japonês. Este é, até hoje, o mais grave atentado que ocorreu no Japão após a Segunda Guerra Mundial.
  

terça-feira, março 19, 2019

Música adequada à data...



O geofísico Wiechert morreu há 91 anos

Johann Emil Wiechert (Sovetsk, antiga Tilsit, 26 de dezembro de 1861 - Göttingen, 19 de março de 1928) foi um físico e sismólogo alemão.

Biografia
Formado em Física na Universidade de Königsberg, onde se doutorou em 1889 e, um ano depois, ficou com habilitação para ensinar na Universidade.
As suas publicações durante a permanência em Königsberg foram voltadas principalmente para a estrutura física dos materiais, investigações experimentais sobre raios catódicos e sobre a natureza da eletricidade. Descobriu o eletrão aproximadamente ao mesmo tempo que Joseph John Thomson (no entanto foi este que recebeu o Nobel de Física de 1906, pela descoberta desta partícula). Numa palestra em abril de 1896, perante a Königsberger Physikalisch-Ökonomische Gesellschaft, referiu-se à existência de uma partícula, cuja massa deveria ser muito menor que a massa do átomo de hidrogénio. Em 7 de janeiro de 1897 relatou perante a mesma sociedade ter provado experimentalmente ser a massa de tal partícula 2 mil a 4 mil vezes menor que a do átomo de hidrogénio. Em setembro de 1897 apontou um valor mais exato: a massa da partícula é aproximadamente 1/(1500 ± 500) da massa do átomo de hidrogénio (seu valor atual é 1/1838). A palestra de Thomson perante a Royal Society ocorreu em 30 de abril de 1897.
Após habilitar-se, foi assistente de Paul Volkmann na Universidade de Königsberg, onde permaneceu até 1897, quando iniciou o seu trabalho na Universidade de Göttingen. Foi inicialmente assistente de Woldemar Voigt, e em 1898 foi denominado professor de Geofísica e diretor do Laboratório de Geofísica da Universidade de Göttingen. Em 1902 construiu um Sismógrafo, atualmente o mais antigo ainda em operação.
Por sugestão de Wiechert foi fundada em 1922 a atual Sociedade Geofísica Alemã, da qual foi o primeiro presidente. A sociedade concede a Medalha Emil Wiechert.
Emil Wiechert é considerado o mais significativo sismólogo alemão. No lado oculto da lua há uma cratera que foi batizada com o seu nome. A descontinuidade que separa o Manto do Núcleo terrestres é chamada, em sua homenagem (e do seu colega sismólogo alemão Beno Gutenberg) de descontinuidade de Wiechert-Gutenberg.


Vista esquemática do interior da Terra
1. Crosta continental
2. Crosta oceânica
3. Manto superior
4. Manto inferior
5. Núcleo externo
6. Núcleo interno
A: Descontinuidade de Mohorovičić
B: Descontinuidade Manto-Núcleo (Descontinuidade de Gutenberg ou Wiechert-Gutenberg)
C: Descontinuidade Núcleo externo/interno (Descontinuidade de Lehmann ou Lehmann-Repetti)
  
A descontinuidade de Gutenberg (ou descontinuidade de Wiechert-Gutenberg) é uma zona de separação de camadas da terra, separando o Manto do Núcleo.
Esta camada separa o Manto inferior do Núcleo externo, a cerca de 2.883 km de profundidade. A partir deste limite as ondas S deixam de se propagar, pois o núcleo externo é líquido e as ondas P diminuem sua velocidade.
  
in Wikipédia

Herman José - 65 anos!

Hermann José Krippahl (Lisboa, 19 de março de 1954), mais conhecido como Herman José, é um humorista e entertainer português.
  
Biografia
Nasceu e cresceu em Lisboa, filho de pai alemão e espanhol, Hermann Luis Krippahl (nascido 31 de julho em 1920), e de mãe portuguesa, Maria Odette Antunes Valada (nascida em 15 de novembro 1932). Com quatro anos de idade protagonizava os filmes do pai, cineasta amador. Aos cinco anos entrou para o Kindergarten (Jardim Infantil), na Deutsche Schule Lissabon (Escola Alemã de Lisboa). Era um aluno mediano, mas brilhante em todas as vertentes artísticas. À medida que foi tendo os primeiros contactos com o teatro e a música, foi-se desenhando o seu futuro, já que era o protagonista absoluto de todos os saraus escolares. Ainda estudava quando comprou a sua primeira viola-baixo Höfner em segunda mão numa loja de penhores da Avenida de Roma por mil escudos. Dedicou-se à música de alma e coração, e foi através dela que abriu as portas que haviam de o levar à vida artística.
  
Década de 70
Por volta dos dezoito anos de idade tem as primeiras aparições na televisão num programa juvenil com um trio de seu nome "Soft", e em finais de 1973 é convidado a integrar o grupo In-Clave, banda residente do programa de televisão No Tempo Em Que Você Nasceu (estreado a 27 de janeiro de 1974), gravado no Teatro Maria Matos, e dirigida pelo maestro Pedro Osório. Um ano antes, a PIDE fizera-lhe um ultimato: ou se naturalizava português e cumpria o serviço militar, ou a escolher a cidadania alemã seria expulso do País. Herman José opta pela nacionalidade alemã e inscreve-se num curso superior, em Munique, na Escola Superior de Televisão e Cinema (Hochschule für Film und Bild) que nunca chegou a frequentar.
Com o 25 de Abril de 1974, acaba por permanecer em Portugal e, em outubro desse ano, estreia-se como actor no Teatro ABC, com a peça Uma no Cravo, Outra na Ditadura. Empresariada por Sérgio de Azevedo, a peça era escrita por José Carlos Ary dos Santos, César de Oliveira e Rogério Bracinha, e integrava no seu elenco actores como Ivone Silva, José de Castro e João Lagarto, que dava os seus primeiros passos no teatro. Descoberto por Nicolau Breyner, é levado por este a estrear-se como actor na televisão, em 1975. As suas participações na rábula Sr. Feliz e Sr. Contente levam os críticos a dizer, pouco depois, que Herman «metera o veterano ao bolso».
A música mantém-se uma constante na sua vida, e em 1977 lança Saca o Saca-Rolhas no programa televisivo 'A Feira', cujas vendas alcançam o Disco de Ouro. Desse programa foi também êxito a dupla "Olho Vivo e Zé d'Olhão" ao lado do ator Joel Branco. Seguem-se outros êxitos musicais como o "Super-homem Português", a reboque dos quais percorre o país em espetáculos, onde mistura anedotas com improviso, recriações de personagens suas e muita música.
  
Década de 80
Em 1980 lança o single A Canção do Beijinho que é novamente Disco de Ouro. Nesse mesmo ano é convidado para o programa O Passeio dos Alegres, emitido nas tardes de Domingo da RTP, com Júlio Isidro. A mais famosa criação deste programa é o personagem Tony Silva (O "creador" de toda música Ró', latino-romântico de brilhantina e lantejoulas, que retratava a sociedade nas suas canções) conquista o grande público.
Em 1983 tem o seu primeiro programa de humor com O Tal Canal que permite a unanimização à volta do seu humor, num dos seus mais profícuos trabalhos. No mesmo ano leva ao Festival RTP da Canção o tema A Cor do Teu Baton, que fica em 2º lugar. A sua equipa regressa em Hermanias (1984), consolidando algumas das suas personagens mais marcantes, como o cronista de futebol José Estebes, e criando outras como o cantor popular Serafim Saudade, o comentador Doutor Pinóquio e o câmara e censor José Cortes, que interrompia as cenas mais picantes com os gritos O que é isto? Estamos a brincar, isto é um programa de televisão ou quê?.
No programa seguinte, Humor de Perdição (1987), cria a personagem Maximiana, e é confrontado com a suspensão do mesmo por parte do Conselho de Administração da RTP, na sequência da sua entrevista histórica (uma rubrica do programa) à Rainha Santa Isabel que o lado mais conservador do poder considerou como um atentado aos valores históricos. Nesse mesmo ano estreia-se no cinema em O Querido Lilás, de Artur Semedo, e é recrutado pelo Emídio Rangel, para fazer crónicas diárias na recém-legalizada TSF, com as quais obteve um êxito estrondoso.
Paralelamente à televisão, Herman desenvolveu na década de 1980 uma intensa actividade de humorista radiofónico, primeiro na Rádio Comercial com os programas A Flor Do Éter, Rebéubéu Pardais ao Ninho e Água Mole Em Pedra Dura Entra Muda E Sai Calada, depois na supracitada TSF e, por fim, como autor da Hermandifusão Portuguesa na Antena 1, em duas edições diárias num simultâneo com a RDP Internacional, RDP África, Madeira e Açores.
   
Década de 90
Só regressa à televisão em 1990, com Casino Royal, uma mistura de ficção de alta comédia com uma forte componente musical, integralmente de sua autoria. Ainda no início da década de 1990 entrega-se à apresentação de concursos como Com a Verdade M' Enganas e Roda da Sorte, para, logo de seguida, apresentar Parabéns (1993), onde inaugura um espaço talk-show, por onde passam figuras como Tony Bennett, Amália Rodrigues, Roger Moore, Cher, Kylie Minogue, Omar Shariff, Joan Collins, Isabel Pantoja e Lola Flores.
Foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Mérito a 10 de junho de 1992.
Em 1996 chega ao fim o programa Parabéns. Fica para a História um abaixo assinado a exigir a censura de um sketch sobre a Última Ceia, que juntou perto de duzentas e cinquenta mil assinaturas. A direção de programas (Joaquim Furtado e Joaquim Vieira) recusa-se a proibir a sua emissão, assume a polémica e encomenda-lhe o programa de humor Herman Enciclopédia (1997), duas séries de imenso sucesso de um humor culto, inovador e vernacular. Sobressaem novas personagens, como Diácono Remédios, Super Tia, Engenheiro Passos de Ferreira, Lauro Dérmio, David Vaitembora ou Melga e Mike (este último interpretado por José Pedro Gomes), satirizando a publicidade das Televendas. Para 1998, altura em que Lisboa recebeu a Exposição Mundial (já caricaturada nas rábulas da Expo '97, no Porto), forma a sua própria produtora HZP (Herman Zap Produções), e lança Herman98 gravado no Teatro São Luiz e depois Herman99 gravado no Teatro Armando Cortez em Lisboa, e no Teatro Rivoli no Porto. É numa dessas emissões que lança a cantora Diana Krall no mercado europeu - feito que a própria nunca deixou de mencionar e agradecer publicamente - e recebe muitos convidados ilustres, como o Prémio Nobel da Paz, o timorense Ramos Horta.
  
Década de 2000 e saída da RTP
Em 2000, Herman José chega à SIC, apresentando aos Domingos, o talk-show HermanSIC. O programa de estreia teve 76% de share - feito irrepetível nos dias de hoje - e contava com uma equipa de actores constituída por Maria Rueff, Joaquim Monchique, Ana Bola, Maria Vieira, Manuel Marques, Vítor de Sousa e, durante algum tempo, Nuno Lopes.
Poe ele passaram um conjunto imenso de vedetas internacionais, como Anastasia, Sting, Julio Iglesias, Enrique Iglesias, Lionel Ritchie, Ute Lemper, Gloria Estefan, No Doubt, Shania Twain, Djavan, Mark Knopfler, Jamie Cullum, Norah Jones, David Copperfield, Tom Jones e muitos outros. É nesse programa que a fadista Mariza, convidada assídua do programa e amiga pessoal do humorista, ganha grande visibilidade.
Em 2002 acumula com a apresentação do reality show Masterplan - O Grande Mestre, juntamente com Marisa Cruz, e em 2005 volta a esse tipo de formatos com Senhora Dona Lady que apresentou com Sílvia Alberto, programa que não caiu nas boas graças do grande público. É na sequência desse desaire que o então diretor de programas Manuel da Fonseca é substituído por Francisco Penim, que decreta o final prematuro do reality show e o final do HermanSIC.
Herman José torna-se entretanto proprietário do Teatro Tivoli, situado na Avenida da Liberdade (Lisboa), em 2005, que vende seis anos mais tarde à empresa de espetáculos UAU. É nele que grava o seu espetáculo ao vivo One Herman Show em DVD, acompanhado pela Big Band do seu fiel maestro Pedro Duarte.
Em 2007 estreia Hora H, 44 episódios de ficção humorística, onde cria personagens como a Chica Pardoca, Yuri Tupolev, Américo Russo e o editor-chefe decadente e tabagista Raposinho Pinto. Apesar das fracas audiências na SIC generalista, o programa torna-se, aquando da sua repetição na SIC Radical pela mão de Pedro Boucherie Mendes, numa série de culto, a ponto de ser nomeada como Melhor Programa de Humor, no Festival de Televisão de Monte Carlo. Nesse programa, juntou à sua família artística o comediante César Mourão e a atriz Susana Cacela.
No dia 13 de janeiro de 2007, no programa Os Grandes Portugueses, Herman José ficou em 70º lugar na lista dos 100 maiores portugueses de sempre. No dia 1 de abril de 2007 recebe o décimo segundo Globo de Ouro, desta vez sob a forma de Prémio Prestígio. Outros dos prémios que recebeu foi o Prémio Personalidade Masculina Portuguesa do canal Biography Channel, em 2008.
Em maio de 2008 o apresentador lançou a versão portuguesa de Chamar a Música, um concurso que teve no ar durante a época de verão de 2008, alcançando óptimos resultados de audiências. Em setembro de 2008 volta a apresentar o concurso Roda da Sorte na SIC. que, apesar de ter triplicado as audiências no horário, é descontinuado em finais de 2008 pelo canal e substituído por um programa de informação. Sai da SIC desagradado com a decisão, e com a política de avanços e recuos do seu então diretor de programas, Nuno Santos, com quem mantém uma breve polémica pública, entretanto sanada.
Em 2009 muda-se para a TVI a convite de José Eduardo Moniz, onde apresentou o talent-show Nasci P'ra Cantar entre julho e setembro de 2009. Em julho de 2009 lançou o álbum Adeus, vou ali já venho, e retoma em força a sua atividade on the road, com o show Homem dos Sete Instrumentos.
  
Atualidade
Em abril de 2010 regressa à "sua" casa RTP, de onde partira 10 anos antes. Apresentou aos sábados à noite o Herman 2010, um talk-show onde junta a conversa com personalidades portuguesas a apontamentos humorísticos, ao lado do ator Manuel Marques. O programa manteve-se, adotando as designações de Herman 2011, Herman 2012 e Herman 2013, que conheceu a sua última edição no sábado 14 de Dezembro de 2013, decisão tomada uniteralmente pelo então diretor de programas Hugo Andrade.
Culmina o ano fazendo um memorável espetáculo de passagem de ano no Terreiro do Paço com a sua orquestra para mais de 70 000 espetadores,e reforça as suas atuações na diáspora com recorrentes idas a Angola, Moçambique, Luxemburgo, Suíça, França, Alemanha, Nova Iorque, Nova Jérsia, Toronto e Macau. O tema dos seus espetáculos de 2014 é a comemoração dos seus 40 anos de carreira, com o título 40 Anos, Sempre A Bombar, título também de uma canção comemorativa que lançou para assinalar a efeméride.
No dia 22 de setembro de 2014 estreia-se ao lado da apresentadora Vanessa Oliveira na condução do programa das tardes da RTP1 Há Tarde. Com o fim do formato, anuncia o regresso ao humor em outubro de 2015, com a estreia da série Nelo e Idália (personagens originados no HermanSIC), protagonizado por este e por Maria Rueff, mais uma vez na RTP1, 25 episódios com meia hora de duração, com um elenco fixo de que fazem parte os atores Maria Rueff, Márcia Breia, Martinho Silva, Rita Tristão da Silva, Inês Sobral e os atores convidados Ana Bola, Joaquim Monchique, Victor de Sousa, Florbela Queiroz, Eládio Clímaco, Lídia Franco, Susana Cacela, Eduardo Madeira, Maria de Lourdes Norberto, entre outros. A sitcom é distinguida com o Troféus TV 7 Dias como a melhor série de televisão de 2015.
Quarta-feira 20 de Setembro de 2016 estreia o programa Cá Por Casa mais uma vez na companhia de Maria Rueff, também na RTP1. Trata-se de um formato semanal de uma hora, original e de sua autoria, onde culinária, música, humor e entrevistas se entrecruzam numa casa onde tudo acontece. A música é sempre gravada ao vivo, com acompanhamento do quinteto do maestro Pedro Duarte.
  
Discografia 
Singles:
  • 1977 Saca o Saca-rolhas / História do Capuchinho Rodrigues Monteiro
  • 1977 Pau-Pau/ Eu Beijo As Suas Mãos Senhora
  • 1978 Olho Vivo e Zé D’Olhão / Folcloróptico (c/Joel Branco)
  • 1979 Super-Homem Português / O Cowboy da Reboleira
  • 1980 Canção do Beijinho / Eu Não Sei de Ti, Eu Não Sei de Ti
  • 1981 (Tony Silva) Canta Música Ró / A Técnica do Pulmão
  • 1981 Bailarico / Apaixonado
  • 1981 Tôfartudeti / Falta d'ar
  • 1981 Virodisco / Surpresa
  • 1982 Da Da Da / Instrumental
  • 1983 (A cor do teu) Baton / Bem-Haja Você
  • 1983 O Tal Canal 12"
  • 1985 O Verdadeiro Artista / O Meu Automóvel
  • 1986 Bamos Lá Cambada / Instrumental Rafeiro (Rough Mix)
 
Álbuns:

  • 1980 Canção do Beijinho
  • 1985 Serafim Saudade – O Verdadeiro Artista)
  • 1991 Na Telefonia (Sem fios) (rábulas)
  • 1999 Christmas Songs
  • 2005 És Tão Boa!
  • 2009 Adeus, vou ali já venho
  • 2013 One (Her)Man Show
  
Processo Casa Pia

Herman José foi desde o primeiro minuto um defensor ruidoso do apresentador Carlos Cruz na sequência da sua detenção no âmbito do Processo Casa Pia. A 29 de dezembro de 2003, acaba ele próprio acusado no âmbito do mesmo processo por um crime de abuso sexual a um adolescente. A alegada vítima descreve ao pormenor uma cena passada numa sexta de Carnaval, onde estaria alcoolizado e mascarado de menina. O dito abuso teria acontecido num carro preto e grande, nas traseiras do seu restaurante de Alcântara, na madrugada de sexta 8 para sábado 9 de fevereiro de 2002. Em finais de 2003, o Ministério Público chama o humorista, e propõe-lhe o arquivamento provisório da acusação contra o pagamento de 10.000 Euros a uma organização de solidariedade, proposta que este recusa liminarmente, optando por ir a julgamento. Nunca lhe é dita a data da acusação, nem lhe são fornecidos quaisquer pormenores sobre o processo. Só quando este chega ao Tribunal de Instrução Criminal (TIC) é que os seus advogados são confrontados com uma data e uma narrativa sem qualquer prova factual. Apresentam documentos que provam que, na data da acusação, o Herman José estava com a sua equipa no Brasil (Rio de Janeiro), ao serviço da SIC, fazendo gravações e diretos para a sua emissão de Carnaval. A juíza de instrução, Ana Teixeira e Silva, perante a ausência de qualquer tipo de provas incriminatórias, manda arquivar a acusação. O Ministério Público recorreu da decisão para o Tribunal da Relação, mas viu confirmada a não-pronúncia do humorista.
  

El-Rei D. João IV nasceu há 415 anos

D. João IV (Vila Viçosa, 19 de março de 1604 - 6 de novembro de 1656) foi o vigésimo primeiro Rei de Portugal, e o primeiro da quarta dinastia, fundador da dinastia de Bragança.
   

Biografia
Era filho de Teodósio II, sétimo duque de Bragança e da duquesa Ana de Velasco y Girón, nobre da corte espanhola e filha do duque Juan Fernández de Velasco, com a duquesa Maria de Téllez-Girón. João IV de Portugal herdou o senhorio da casa ducal em 1630 como João II e foi o 8º duque de Bragança, 5º duque de Guimarães e 3.º duque de Barcelos. Foi ainda 7.º marquês de Vila Viçosa e conde de Barcelos, Guimarães, Arraiolos, Ourém e Neiva, e também 14º Condestável de Portugal.
Por via paterna, era trineto do rei Manuel I de Portugal, através da duquesa Catarina, infanta de Portugal, sua avó paterna. Ficou para a história como O Restaurador (por haver sido restaurada a independência nacional, pois antes Portugal estava sendo dominada por uma Casa Real estrangeira, a Casa de Habsburgo, tendo acontecido isto por casamentos entre a realeza portuguesa e a do Reino de Espanha) ou O Afortunado (por aparentemente, uma vez "caída a coroa na sua cabeça", não ter querido reinar, e só se ter decidido após a intervenção da esposa).
Em «História de Portugal», volume V, Joaquim Veríssimo Serrão afirma - «de seu aio D. Diogo de Melo recebeu aprimorada educação e o gosto pela montaria; e do doutor Jerónimo Soares uma boa preparação nas letras clássicas e em teologia. Também se deu a estudos de música, ouvindo as lições do inglês Robert Tornar, que o duque Teodósio contratara para mestre da capela de Vila Viçosa.»
A Casa de Bragança tinha grande prestígio no reino e o oitavo duque tinha a vantagem de beneficiar da crescente degradação do governo filipino e de um ambiente mais propício à revolta, haja vista os excessos da tributação lançada por Olivares. O duque ajudou a construir sua própria imagem de homem não comprometido e permitiu que o erguessem como reserva única da Nação, sedenta de autonomia política, segundo Veríssimo Serrão, na sua «História de Portugal», vol. V, página 13.
Quando, em agosto de 1633, visitou o marquês de Ferreira em Évora, com o seu irmão Alexandre, «a cidade acolheu-o com as marcas próprias de um soberano, na desejada antevisão da sua realeza». Para Veríssimo Serrão, «pode aceitar-se que o projecto de uma revolta tenha depois ocorrido no Paço de Vila Viçosa, no convívio do duque com dois precursores da ideia: o secretário João Pinto Ribeiro e Pedro de Mendonça Furtado, alcaide de Mourão.» A versão de que não queria tomar a chefia do movimento por receio ou hesitação nasceu porque seu desejo, «por não sentir a madureza do fruto», estava em aquietar o povo, por entender que motins trariam a inevitável reação da coroa espanhola. Teria também havido uma sondagem junto de seu irmão Duarte, que combatia no exército imperial e chegou a Lisboa em 12 de agosto de 1638, para «concertar os negócios da sua fazenda», em viagem de carácter particular. Mas sabe-se que o duque não quis arriscar o futuro e se limitou a promessas de auxílio no caso de o movimento triunfar. Diz Veríssimo Serrão que «a aparente indecisão do duque encobria, desde a primeira hora, uma vontade firme de triunfo, servindo plenamente o desejo dos conjurados. Não era D. João o chefe de uma revolta, mas a figura a quem cabia exercer a realeza, tendo de estar acima da organização militar que lhe abria as portas do trono.»
   
Restauração da independência
Em 1640, quando a burguesia e a aristocracia portuguesas, descontentes com o domínio castelhano sobre Portugal que se propunha efectivar o valido Olivares, terminando com a monarquia dual, quiseram restaurar a dinastia portuguesa, foi ele o escolhido para encabeçar a causa. Dom João aceitou a responsabilidade com relutância, diz a lenda que incentivado sobretudo pela sua mulher Luísa de Gusmão. Este facto ter-se-á devido à prudência que se impunha na escolha da conjuntura favorável, e do tempo preparatório necessário para o efeito, visto Portugal nessa época estar quase desarmado, e Castela ser ainda ao tempo a maior potência militar na Europa. Luísa de Gusmão, sendo irmã do Duque de Medina Sidónia que sonhou revoltar-se com a Andaluzia, de que chegou a sonhar ser rei, estaria talvez influenciada por ele.
A nomeação do duque para governador-geral das armas de Portugal veio a ser o motor da revolta, propiciando-a. Nos fins de junho de 1639 esteve em Almada, sendo visitado por muitos nobres, desesperados alguns com as violências do governo filipino. Entre eles, Pedro de Mendonça Furtado, acima referido, Jorge de Melo (irmão do Monteiro-mor), Antão de Almada e o velho Miguel de Almeida (da casa de Abrantes). O plano da conjura teria sido então apresentado ao Duque: eles, e seus parentes e amigos, aclamavam-no em Lisboa, apoderando-se do Paço, matando o detestado Miguel de Vasconcelos. Mas o Duque recusou, pela consciência de que «não havia ainda ocasião» e aconselhou prudência aos mais exaltados. No dia 1 de julho, o duque foi a Lisboa saudar a princesa Margarida e teve calorosa recepção da parte da nobreza, dos membros do clero e do povo.
Eram factores vivos de revolta a forçada presença de muitos nobres portugueses em Madrid, e a novidade de um recrutamento de tropas lusitanas para irem ajudar a reprimir a independência recentemente declarada da Catalunha. Em agosto de 1640, Filipe III de Portugal pretendeu convocar Cortes nos seus outros reinos de Aragão e de Valência, para aquietar o espírito dos catalães, ordenando que o acompanhassem nessa jornada também fidalgos portugueses, sobretudo aqueles que eram comendadores das ordens militares. «Todos compreenderam que partindo para a Espanha iriam acelerar o processo de absorção política que o conde-duque de Olivares pretendia», segundo Veríssimo Serrão, e «na recusa de muitos em cumprir o mandado régio terá de ver-se o detonador do movimento que veio a estalar no 1º de dezembro seguinte.»
Houve então uma reunião em 12 de outubro em casa de Antão de Almada. Mendonça Furtado foi a Évora, sondar o Francisco de Melo, marquês de Ferreira, também ele um Bragança, e outros nobres, e depois a Vila Viçosa, onde não escondeu ao duque a urgência dos conjurados em lançarem o movimento. Para a aceitação de D. João teriam contribuído António Pais Viegas e a duquesa Luísa que, segundo a tradição romântica tardia, «de maneira varonil, quebrara os receios do marido ao afirmar que antes queria morrer reinando do que acabar servindo.»
A 1 de dezembro deu-se o golpe palaciano e, em 15 de dezembro foi aclamado Rei de Portugal.
   
Preparação
Depois da conversa definitiva com o Duque de Bragança, os conspiradores reuniram-se várias vezes em Lisboa para combinarem como e quando haviam de fazer a revolução.
Essas reuniões tinham de ser feitas às escondidas para que não chegassem aos ouvidos da regente Duquesa de Mântua e do secretário de Estado Miguel de Vasconcelos. Se a notícia se espalhasse, seriam acusados de traição e condenados à morte.
Mas, mesmo que não conseguissem provas para os incriminar, qualquer rumor acerca do que se preparava teria efeitos desastrosos porque os soldados castelhanos de guarnição em Lisboa ficariam em estado de alerta, eliminando-se o efeito surpresa. Todo o cuidado era pouco.
As reuniões realizaram-se em 3 sítios: no palácio de Jorge de Melo, em Xabregas, no Palácio dos Duques de Bragança em Lisboa, no Chiado, e no Palácio Almada, de Antão de Almada, no Rossio (hoje mais chamado Palácio da Independência por essa razão). Para não levantar muitas suspeitas os conspiradores nunca iam juntos e cada um seguia no seu coche com as cortinas corridas.
  
Aclamação de João IV como Rei de Portugal
A fonte coeva fundamental sobre o assunto é o volume I da História de Portugal Restaurado da autoria do Conde da Ericeira, republicada modernamente no Porto em edição anotada e prefaciada por António Álvaro Dória, em 1945.
Narra a tradição que Filipa de Vilhena, futura marquesa de Atouguia, armou cavaleiros na véspera da conjura, a fim de nela poderem participar, a seus filhos Francisco Coutinho e Jerónimo de Ataíde.
O mesmo dizem ter feito outra intrépida fidalga, Mariana de Lancastre, armando cavaleiros pela mesma altura aos seus dois filhos Fernão Teles de Menezes, futuro primeiro conde de Vilar Maior, e António Teles da Silva, futuro governador-geral do Brasil.
É costume afirmar que Miguel de Vasconcelos não soube da revolta, pelo que não tomou providências. Mas está provado, diz o historiador Joaquim Veríssimo Serrão, que lhe chegaram anteriormente rumores da conjura e que na véspera recebeu uma carta, que por descuido não abriu, com o nome dos conjurados.
O número de fidalgos intervenientes no Primeiro de Dezembro é geralmente dito de quarenta, talvez por arrastamento mental do ano da revolução, afirmando no entanto alguns autores que foram em maior número do que esse.
No dia 1º de dezembro, de manhã muito cedo, dirigiram-se os fidalgos e os seus criados, todos bem armados, ao Paço da Ribeira, aonde rompendo por ele dentro, entraram nos aposentos da princesa regente, a vice-rainha Margarida Gonzaga, duquesa viúva de Mântua, prima do rei Habsburgo, que facilmente dominaram, passando a procurar então a Miguel de Vasconcelos, o português traidor secretário de Estado, aliado do valido castelhano Olivares no seu recente projecto de anexação de Portugal e outros reinos a Castela, no quadro de uma centralização à francesa, inspirada no modelo de Richelieu, que desejava aplicar à multifacetada monarquia hispânica filipina em bloco.
O principal comando da operação parece ter estado nas mãos de Miguel de Almeida, futuro conde de Abrantes, de Jorge de Melo, irmão do Monteiro-mor, de Antão de Almada, que veio a ser o primeiro embaixador em Londres, e de João Pinto Ribeiro, agente do duque de Bragança em Lisboa. Após eles, outros fidalgos - todos filhos segundos - como João da Costa, Gastão Coutinho, João Saldanha da Gama, Manuel de Melo, os dois referidos irmãos António Teles da Silva e Fernão Teles de Meneses, António Mascarenhas e outros. Esta delegação da responsabilidade da insurreição nos filhos segundos das casas fidalgas, a exemplo do que em outras várias ocasiões sucedeu na História de Portugal até ao século XIX, permitia manter a salvo de consequências maiores e mais graves as mesmas, se a insurreição viesse a falhar, permanecendo oficialmente os chefes de casa fiéis à ordem reinante, e ignorantes da conspiração da juventude.
Naquele tempo as notícias viajavam por mensageiros e portanto demoravam a chegar ao destino. O Duque de Bragança aguardava no Palácio de Vila Viçosa o resultado da conspiração e, segundo os documentos da época, só soube a boa-nova no dia 3. Muitos outros mensageiros espalharam-se por todo o país a cavalo, levando consigo cartas para as autoridades de cada terra se encarregarem de aclamar o novo rei. A aclamação em todo o território português fez-se pacifica e alegremente, desde Bragança ao Algarve, desde o Minho à Madeira, de Lisboa a Macau, passando pelo Brasil, África e Índia: excepto na cidade de Ceuta, que dependia excessivamente por então do suporte militar e alimentar por parte da sua vizinha Castela, a quem continuou ligada. Por todo o lado as populações explodiam de felicidade.
Logo se escolheram os governadores provisórios do Reino, durante os poucos dias que decorreriam até à chegada de João à sua capital: Rodrigo da Cunha, arcebispo de Lisboa, Sebastião de Matos de Noronha, arcebispo de Braga, e o visconde de Vila Nova de Cerveira Lourenço de Lima, os quais deram ordem para os tribunais continuarem no exercício de funções, pois estava garantido o sossego da cidade.
João IV chegou a Lisboa na noite de 6 de dezembro. Nos dias seguintes houve festejos, procissões e iluminações públicas. Enquanto se preparava a cerimónia da aclamação, o rei ocupava-se a nomear embaixadores, que deveriam partir a fim de que os países estrangeiros reconhecessem a alteração dinástica em Portugal, e generais, que deviam encarregar-se da defesa das fronteiras e dos portos. Ninguém tinha dúvidas que o tirano destronado Filipe III, e sobretudo o seu valido castelhano Olivares, não iriam cruzar os braços. Decerto este trataria de preparar exércitos para invadir Portugal. A notícia da aclamação da casa de Bragança chegou a Madrid a 7 de dezembro, levada por um estafeta castelhano ao serviço do governador de Badajoz. Como era de prever, os castelhanos acusaram de traição não só ao Duque de Bragança mas a todos os que tinham participado no movimento palaciano. No entanto, as tropas castelhanas não marcharam logo para a fronteira portuguesa porque estavam demasiado ocupadas e dispersas nos teatros da Guerra dos Trinta Anos, e nomeadamente com a revolta da Catalunha suportada militarmente pela França de Richelieu, o que deu tempo aos portugueses para se organizarem na defesa.
No dia 15 de dezembro de 1640, foi alçado e aclamado solenemente em Lisboa João IV. A cerimónia decorreu num grande teatro de madeira armada, revestido de preciosos panos, contíguo à engalanada varanda do Paço da Ribeira, e com ela comunicante. Varanda pela qual saiu o novo rei em complicado e demorado cerimonial hierárquico para o Terreiro defronte aonde, diante da Nobreza, do Clero e do Povo de Portugal, jurou manter, respeitar, e fazer cumprir os tradicionais foros, liberdades e garantias dos Portugueses, violados pelo seu antecessor estrangeiro.
Esteve o monarca rodeado dos mais altos oficiais-mores da corte portuguesa, fidalgos que em geral manteve nos cargos e dignidades áulicas que já exerciam anteriormente: o camareiro-mor João Rodrigues de Sá, o Condestável Francisco de Melo, marquês de Ferreira, o alferes-mor Fernão Teles de Meneses, 1º conde de Vilar Maior, o mordomo-mor Manrique da Silva, futuro primeiro marquês de Gouveia, o reposteiro-mor Bernardim de Távora e o guarda-mor Pedro de Mendonça Furtado. A oração de praxe da aclamação, documento político-jurídico enunciando os direitos esbulhados da casa de Bragança ao trono português nesse dia restaurados, coube a um notável jurista que se destacaria depois também como diplomata, Francisco de Andrade Leitão. E depois do alferes-mor entoar em uníssono com todos os presentes, em alta voz, o triplo brado tradicional, Real, Real, por El-Rei D. João de Portugal, o Conde de Cantanhede, presidente do Senado da Câmara de Lisboa, fez entrega ao rei das chaves da cidade, tendo então início o solene cortejo que processionalmente se dirigiu rumo à Sé, aonde foi celebrado um solene Te Deum de graças.
É também de frisar que João IV, no acto da coroação, coroou rainha de Portugal a Nossa Senhora da Conceição, colocando-lhe aos pés a coroa de rainha, e que a partir desse momento ficou estabelecida como padroeira de Portugal.
Esta acção repercutiu-se até hoje, na devoção dos portugueses a Nossa Senhora, patente no número largo de orações e cânticos que evocam Nossa Senhora e Portugal como pares.
  
O irmão do rei
João IV tinha um irmão mais novo, Duarte de Bragança, infante de Portugal, que partira para a Áustria quatro anos antes da aclamação do seu irmão mais velho.
Militar corajoso e competente, decidira participar na Guerra dos Trinta Anos. Em 1638 visitou Portugal e, como o Duque de Bragança nessa altura estava ainda renitente em aceitar a coroa e encabeçar uma rebelião, os conspiradores chegaram a pensar escolher Duarte para esse efeito, tal como haviam pensado, em último recurso, numa República - estas ofertas no entanto podem não ter passado de oratória persuasiva por parte dos fidalgos mais jovens, junto da casa de Bragança, mais prudente.
Seja como for, ainda não era hora, e caso este projecto relativo ao infante D. Duarte tenha existido mesmo, sendo duvidoso que o aceitasse sem consentimento do irmão mais velho, o dito não se concretizou.
Assim, aquele que alguns pensam que poderia ter tido hipótese de ter vindo a ser rei de Portugal acabou preso na Alemanha, porque o imperador Fernando III, também ele um Habsburgo, era aliado do destronado Filipe III de Portugal, seu primo. A pedido deste, em 1641, encarcerou o infante português. As esforçadas diligências diplomáticas portuguesas, arrastadas por muitos anos, não conseguiram libertá-lo, morrendo o infante solteiro e sem geração, ingratamente no cativeiro, à ordem do próprio soberano que fora servir.
  
(...)
   
Morte e juízo dos cronistas
O rei faleceu em 6 de novembro, devido ao «mal da gota e da pedra» de que fala o conde da Ericeira, doença que se manifestara em 1648. Jaz no Panteão dos Braganças, no mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa. No seu testamento, datado de 2 de novembro de 1656, confiou a regência à mulher, Luísa de Gusmão.
Diz Veríssimo Serrão que «a historiografia liberal procurou denegri-lo na acção de governo, mas as fontes permitem hoje assentar um juízo histórico completamente diferente. (...) Deve pôr-se em relevo a acção do monarca na defesa das fronteiras do Reino (....). Também providenciou no envio de várias embaixadas às cortes europeias, para a assinatura de tratados de paz ou de trégua, a obtenção de auxílio militar e financeiro e a justificação legítima de 1640
Deve-se-lhe a criação do Conselho de Guerra (1640), da Junta dos Três Estados (1643), do Conselho Ultramarino (1643) e da Companhia da Junta de Comércio (1649), além da reforma em 1642 do Conselho da Fazenda. E a regulamentação dos negócios da Secretaria de Estado, para melhor coordenação das tarefas de Governo. Esta em 29 de novembro de 1643 foi dividida em Secretaria de Estado, de um lado, que coordenava toda a política interna e externa, e à «das Mercês e Expediente», do outro, que tratava de «consultas, despachos, decretos e ordens» não dependentes da outra Secretaria.
Promulgou abundante legislação para satisfazer as carências de governo na Metrópole e no Ultramar. E, para além do monarca e do restaurador, impõe-se considerar nele o artista e o letrado, o amador de música que, no seu tempo, compondo o famoso hino de Natal Adeste Fideles, esteve à altura dos maiores de Portugal.»