domingo, maio 09, 2021

Europa, querida Europa...!

 

Fausto - Europa, querida Europa
  
Europa nascida na Ásia profunda
ó filha do rei fenício Agenor
que Zeus entranhado no corpo de um touro
levou-te p'ra Creta cativo de amor
Europa é de Homero
de helénicas formas
do fórum romano e da cruz
de tantas nações
ariana e semita
ventre das descobertas
da luz
do diverso sistema do modo diferente
da era da guerra e agora da paz
és assim querida Europa
  
vem que eu te quero toda do mar à montanha
vem que eu quero muito mais bela que o mar
vem vencendo cizânias que os povos sem feudos
sempre se amaram brilhantes em todo o lugar
o teu chão não é traste
de meros mercados
de pauta aduaneira
ou cifrão
é um terrunho de almas
uma ideia
um desejo
de uma nova maneira
em fusão
desfazendo complexos de mapas cor-de-rosa
sem a má consciência no verso e na prosa
só por ti querida Europa
  
para que sejas tu mesma a decidir o teu uso
para que sejas tu mesma ainda mais natural
não me toques o "beat" à americana
que esse já nós conhecemos na versão original
aguenta-te firme
livre de imitações
espera só mais um pouco
já vai
o que resta e o que sobra
aquela mesma saudade
toda a imaginação
ainda mais
não sentes um vago um suave cheiro a sardinhas
a algazarra nas ruas e o troar dos tambores
somos nós querida Europa

O neto de Aldo Moro canta, para dar voz ao avô...

Música adequada à data...

Hoje é o Dia da Europa - a Declaração Schuman foi feita há 71 anos

    
O dia da Europa ou dia da União Europeia é uma data comemorativa celebrada anualmente na Europa (ou na União Europeia) no dia 9 de maio. A data escolhida reflecte o dia 9 de maio de 1950 em que o estadista francês Robert Schuman avançou com a proposta de uma entidade europeia supranacional. Essa proposta ficou conhecida como a Declaração Schuman e é considerada o embrião da actual União Europeia.
O Dia da Europa é, juntamente com a bandeira, o hino, o lema (Unida na Diversidade) e o euro, um dos símbolos da identidade comum da União Europeia. Os festejos e actividades deste dia proporcionam uma oportunidade de aproximação dos cidadãos europeus ao conceito de Europa unida e dos povos da União entre si.
    

Just Can't Get Enough...!

Hoje é dia de recordar Aldo Moro...

O compositor barroco Dieterich Buxtehude morreu há 314 anos

 
Dieterich Buxtehude (nascido provavelmente em Helsingborg, 1637 - Lübeck, 9 de maio de 1707) foi um compositor e organista teuto-dinamarquês do período barroco.
Apesar de nascido na cidade de Helsingborg, na época pertencente à Dinamarca (hoje território sueco), Buxtehude era de ascendência alemã e é considerado um dos representantes mais importantes do período barroco alemão. O seu pai, organista e mestre de escola em Bad Oldesloe, mudou-se para Hälsingburg, na Suécia, quando Buxtehude tinha um ano de idade. O pai, também o seu único professor de música em toda a vida, depois mudou-se para Helsingor, na Dinamarca, onde morreu em 1674. Esta foi a cidade na qual Buxtehude cursou a Lateinschule.
Buxtehude assumiu a função do pai, de organista na igreja em Hälsingburg, em 1658, e, em 1660, foi para Helsingor, e, posteriormente, para Lübeck, na Alemanha, onde foi nomeado Werkmeister (gerente geral) e organista da Marienkirche, em 11 de abril de 1668, após concorrido concurso para um dos cargos mais cobiçados do norte do país. Casou, em agosto desse ano, com Anna Margarethe Tunder, filha de Franz Tunder, seu antecessor nessa igreja. Esse era o costume da época, no qual o sucessor do organista da igreja deveria se casar com a filha do seu antecessor. A partir daí, e nos quarenta anos seguintes, Buxtehude entraria na parte mais prolífica de sua carreira, principalmente considerando que a sua obra era praticamente nula até então.
Buxtehude ganhou prestígio com a retomada da tradição dos Abendmusik, que eram saraus vespertinos, organizados na igreja, idealizados pelo seu antecessor, inicialmente apenas como entretenimento para os homens de negócios da cidade, previstos para ocorrerem em cinco domingos por ano, precedendo o Natal. Mas Buxtehude ampliou grandemente o escopo destes saraus e para eles compôs algumas de suas melhores obras, em forma de cantata, das quais se preservam cerca de 120 em manuscrito, com textos retirados da Bíblia, dos corais da tradição protestante e mesmo da poesia secular. Também dedicou-se a outros géneros, como solos para órgão (variações corais, canzonas, toccatas, prelúdios e fugas) e os concertos sacros. Todos as oratórias se perderam, mas guardam-se os registos de que existiram.
Em diversas ocasiões, foi visitado por compositores promissores da época, como Georg Friedrich Händel e Johann Mattheson, que o procuravam principalmente pela sua fama de organista. De todas as visitas, a mais notável foi a de Johann Sebastian Bach, grande admirador da sua obra. Bach prolongou a estada, inicialmente planeada de quatro semanas, para quatro meses.
Buxtehude, a despeito da importância para a música alemã e de sua origem também alemã (a família era de Buxtehude, uma cidade a sudoeste de Hamburgo), sempre se considerou dinamarquês.
  

 


Costa Cabral nasceu há 218 anos

  
António Bernardo da Costa Cabral (Fornos de Algodres, Algodres, 9 de maio de 1803 - Porto, 1 de setembro de 1889), o 1.º conde e 1.º marquês de Tomar, mais conhecido simplesmente por Costa Cabral, foi um político português que, entre outros cargos e funções, foi deputado, par do Reino, conselheiro de Estado efectivo, ministro da Justiça e Negócios Eclesiásticos, ministro do Reino e presidente do Conselho de Ministros. Defensor da Revolução de Setembro de 1836, a sua conduta política evoluiu num sentido mais moderado e, depois de nomeado administrador de Lisboa, foi o principal obreiro da dissolução da Guarda Nacional. Durante o seu primeiro mandato na presidência do ministério, num período que ficaria conhecido pelo Cabralismo, empreendeu um ambicioso plano de reforma do Estado, lançando os fundamentos do moderno Estado português. Considerado um valido da rainha D. Maria II, apesar das suas origens modestas, foi feito conde de Tomar e depois elevado a marquês de Tomar. Foi uma das figuras mais controversas do período de consolidação do regime liberal, admirado pelo seu talento reformador, mas vilipendiado e acusado de corrupção e nepotismo por muitos. Foi obrigado a exilar-se em Madrid na sequência da Revolução da Maria da Fonte, mas voltaria poucos anos depois, demonstrando uma extraordinária capacidade de recuperação e persistência, a ocupar a chefia do governo.
A figura preponderante deste estadista na política portuguesa durante a primeira fase da monarquia constitucional permite afirmar que em torno dela girou toda a política de consolidação institucional do liberalismo que caracterizou o reinado de D. Maria II. Foi, a partir de 1841, Grão-Mestre da Maçonaria.
   

Brasão do Marquês de Tomar - daqui
    

O filósofo Ortega y Gasset nasceu há 138 anos

 
José Ortega y Gasset (Madrid, 9 de maio de 1883 - Madrid, 18 de outubro de 1955) foi um filósofo, ensaísta, jornalista e ativista político espanhol. Foi o principal expoente da teoria da razão vital e histórica, situado no movimento novecentista.
  
Biografia
José Ortega y Gasset nasceu em Madrid (Espanha), no dia 9 de maio de 1883. A família de sua mãe, Dolores Gasset, era proprietária do jornal “El Imparcial”. O seu pai, José Ortega Munilla, era jornalista e diretor desse jornal (um dos familiares do filósofo fundou o diário El País, um dos mais conhecidos da Europa. Quando criança, Ortega y Gasset estudou em Madrid, mas foi enviado cedo, pela família, para estudar num colégio de jesuítas em Málaga, facto ao qual o filósofo atribui a sua forte reação a esse tipo de educação e ao projeto pessoal de reforma da filosofia.
Formou-se e doutorou-se em Filosofia na Universidade Central de Madrid em 1904, após breve passagem pela Universidade de Deusto, em Bilbao. Dali seguiu para a Alemanha, onde viria a sofrer, na primeira etapa de sua filosofia, a influência da escola de Marburgo, que tinha por figuras principais Hermann Cohen e Paul Natorp com forte inclinação pelo idealismo, o qual Ortega iria combater fortemente, passado algum tempo.
Em 1910 obtém a cátedra de Metafísica na Universidade Central de Madrid. Em 1914 publica o seu primeiro livro Meditaciones del Quijote. Em 1917 torna-se colaborador do jornal El Sol, onde publicaria os seus ensaios España invertebrada (1921) e La rebelión de las masas (1930). Funda a Revista de Occidente em 1923, responsável por traduzir e comentar grandes autores contemporâneos da Filosofia, como Edmund Husserl, Oswald Spengler, Georg Simmel, Hans Driesch e Bertrand Russell.
Após desentender-se com a ditadura espanhola (em 1929 chega a demitir-se da sua cátedra universitária), exila-se na Argentina. Durante o seu exílio voluntário, de 1936 a 1945, em plena Guerra Civil Espanhola e II Guerra Mundial, Ortega y Gasset viveu num longo e famoso silêncio em relação aos conturbados tempos políticos de seu país, sobre o qual muitos acharam motivos para o acusar. No entanto, pelo menos para o sociólogo brasileiro Hélio Jaguaribe – um dos mais conhecidos comentadores do autor no Brasil – no prefácio à sua obra História como Sistema, diz que na maior parte do tempo o filósofo espanhol foi como que um educador do seu povo, a partir de uma profunda convicção de que o que importa, antes de tudo, é a lucidez e a compreensão do mundo para operar nele. Essa alternância entre o empenhamento e o distanciamento crítico configurará as principais fases da existência de Ortega y Gasset. Regressa à Espanha em 1948 e, em 1955, é-lhe diagnosticado um cancro, falecendo no dia 18 de outubro daquele ano.
   

Zita, a última Imperatriz da Áustria e Hungria, nasceu há 129 anos

  
Zita Maria da Graça Aldegunda Micaela Rafaela Gabriela Josefina Antonia Luísa Agnes de Bourbon-Parma (em italiano: Zita Maria delle Grazie Adelgonda Micaela Raffaela Gabriella Giuseppina Antonia Luisa Agnese di Borbone-Parma, Viareggio, 9 de maio de 1892 - Zizers, 14 de março de 1989) foi princesa de Parma e última Imperatriz da Áustria, rainha da Hungria e da Boémia, como consorte do imperador Carlos I da Áustria. Ela descendia das famílias reais de Portugal, França e Espanha.
Filha do duque Roberto I de Parma e da infanta Maria Antonia de Bragança, Zita desposou o então arquiduque Carlos da Áustria em 1911. Carlos tornou-se o herdeiro presuntivo do imperador Francisco José I da Áustria em 1914, após o assassinato de seu tio Francisco Fernando da Áustria-Hungria, e ascendeu ao trono em 1916.
Após o fim da Primeira Guerra Mundial em 1918, os Habsburgos foram depostos com a formação de novos países, tais como a Áustria, a Hungria e a Checoslováquia. Carlos e Zita partiram em exílio para a Suíça e, mais tarde, para a ilha da Madeira, onde Carlos morreu, em 1922. Após a morte de seu marido, Zita e seu filho Oto tornaram-se símbolos de unidade da dinastia exilada.
Uma católica devota, ela criou uma grande família sozinha, tendo ficado viúva aos vinte e oito anos, e permaneceu fiel à memória de Carlos I pelo resto de sua vida.
     

Brasão de Zita, Imperatriz da Áustria
   

Dave Gahan, vocalista dos Depeche Mode, faz hoje 59 anos

   

Biografia
Muito popular pela sua voz poderosa, expressão, animação e interação com o público nos shows, também lançou um disco a solo em 2003, chamado “Paper Monsters”, onde demonstra a sua criatividade e habilidade como compositor e músico. Até uma harmónica e um piano de criança (da filha dele) são tocados no álbum.
O seu histórico de asneiras inclui roubo de carros, vandalismo, drogas e graffitis na cidade de Basildon, Inglaterra. Antes de fazer 14 anos, já tinha ido para o tribunal de menores três vezes, possivelmente pelos problemas familiares que sofria na época, como a descoberta do seu verdadeiro pai. Já foi preso também por posse de drogas (heroína).
Foi convidado por Vince Clarke para fazer parte dos Depeche Mode, após impressioná-lo com a sua performance com a canção "Heroes", de David Bowie, em 1980. Foi Dave que sugeriu o nome "Depeche Mode" para a banda, depois de ter visto uma revista francesa com o mesmo nome. Dave também compôs, dentro dos Depeche Mode, as músicas "Suffer Well", "I Want It All" e "Nothing is Impossible", do álbum Playing The Angel. "Suffer Well" virou um single.
O cantor possui álbuns solo lançados, sendo o seu primeiro trabalho o álbum Paper Monsters, de 2003 e o segundo, Hourglass, de 2007. Em 2012 e 2015, respectivamente, ele também contribuiu com vocais e letras para os álbuns The Light the Dead See e Angels & Ghosts do Soulsavers.
David é casado com Jennifer Sklias-Gahan, de quem tem uma filha, Stella Rosa. Do seu primeiro casamento, com Joanne, tem um filho, Jack. Já trabalhou como pedreiro, repositor de supermercado e vendedor de bebidas.
   

 


Ulrike Meinhof "suicidou-se" há 45 anos...

Ulrike Meinhof em 1964, antes da RAF e da clandestinidade, com cerca de 30 anos
     
Ulrike Marie Meinhof (Oldemburgo, 7 de outubro de 1934 - Estugarda, 9 de maio de 1976) foi uma jornalista, escritora, ativista e guerrilheira alemã, mais conhecida como fundadora e integrante da organização armada de extrema-esquerda Fração do Exército Vermelho (RAF) ou Grupo Baader-Meinhof, atuante na Alemanha Ocidental durante cerca de três décadas.
Presa em junho de 1972 e acusada de diversos crimes, depois de dois anos de participação nas atividades da RAF, entre eles assaltos, atentados à bomba, assassinatos e formação de organização terrorista, morreu na sua cela na prisão de Stammheim, em Estugarda, por enforcamento, em maio de 1976. A sua morte, se por suicídio ou assassinato, é alvo de controvérsias até hoje.

Nascida em Oldemburgo em 1934, Ulrike mudou-se para Jena com dois anos de idade com a família, após o seu pai, um historiador de arte, se ter tornado diretor do museu da cidade. O Dr. Werner Meinhof morreu de cancro em 1940, quanto ela tinha cinco anos, fazendo com que a sua mãe alugasse um dos quartos da casa para uma inquilina, Renate Riemeck, para obter uma renda. Em 1946, após a II Guerra Mundial, as Meinhof, juntamente com Renate - que além de inquilina acabou com parte da família -, mudaram-se novamente para a cidade natal de Ulrike, Oldemburgo, depois que Jena passou para o domínio soviético após a Conferência de Yalta. Oito anos depois, sua mãe, Ingeborg, que trabalhou como professora após a guerra, também morreu de cancro e Renate assumiu a adolescente e a sua irmã mais velha sob sua guarda. Renate, uma historiadora e fervorosa anti-nazi, ativa militante socialista, viria a ter grande influência na formação política de Meinhof.
Ulrike completou os estudos secundários em 1955 e foi estudar filosofia, sociologia, pedagogia, literatura e língua alemã em Marburg, onde se envolveu em movimentos reformistas universitários. Em 1957, ela entrou para a Universidade de Münster, onde conheceu o marxista espanhol Manuel Sacristán - que mais tarde traduziria e publicaria alguns de seus escritos - entrou para a União Socialista Alemã de Estudantes (Sozialistischer Deutscher Studentenbund), participando de protestos contra o rearmamento do Bundeswehr e seu envolvimento com armamento nuclear proposto pelo governo de Konrad Adenauer. Lia Jean-Paul Sartre, Herman Hesse, Thomas Mann, Marcel Proust e aprendeu a tocar violino.
Em 1958 ela filiou-se no Partido Comunista da Alemanha - então fora da legalidade - e começou pouco depois a trabalhar na revista Konkret, de linha política esquerdista e independente, da qual seria editora-chefe de 1962 a 1964. Casou-se em 1961 com o co-fundador e editor da revista, Klaus Rainer Röhl, e com ele teve duas filhas gémeas, Regina e Bettina, no ano seguinte. O seu casamento durou até o divórcio, em 1968.
Em 1962, durante a gravidez, foi-lhe diagnosticada um tumor cerebral, depois de sofrer de dores de cabeça contínuas. Temerosa, pois os seus pais morreram de cancro e acreditando ter uma predisposição genética para a doença, mesmo assim Ulrike decidiu esperar até o parto para realizar a operação, em que seu crânio teria que ser aberto, temendo que ela pudesse afetar o desenvolvimento e nascimento das gémeas. Depois de o tumor ser retirado foi diagnosticado como sendo benigno.
    
 RAF
A morte do estudante Benno Ohnesorg, durante manifestações estudantis e de exilados iranianos durante a visita do Reza Pahlevi a Berlim, em 1967, e a tentativa de assassinato do líder estudantil e amigo de Ulrike, Rudi Dutschke, no ano seguinte, levam-na à radicalização. Depois de escrever sobre o julgamento de dois militantes esquerdistas alemães, Andreas Baader e Gudrun Ensslin, processados e condenados por incendiarem duas lojas de departamentos em Frankfurt, em fins de 1968 ou começo de 1969 ela abandonou seu emprego e resolveu unir-se aos dois e suas ideias de revolução, antes escrevendo na revista Konkret o que seria uma de suas mais famosas citações:
 
Cquote1.svg Protesto é quando eu digo que algo me incomoda. Resistência é quando eu me asseguro que aquilo que me incomoda nunca mais acontecerá. Cquote2.svg
   
Em abril de 1970, Andreas Baader, que, libertado em condicional junto com Ensslin depois de alguns meses preso pelo ataques incendiários de Frankfurt, fugiu depois que a Justiça cancelou a condicional, foi novamente preso em Berlim. Um mês depois, em 14 de maio, Ulrike, no papel de jornalista que faria algumas entrevistas com Baader para um livro, participou do resgate dele do Instituto para as Questões Sociais - local da entrevista para onde ele havia sido levado sob guarda - junto a outros integrantes do já clandestino grupo (apenas ela continuava levando uma vida normal em público). A fuga de Baader, que resultou em três polícias feridos, e a participação de Meinhof nela, viraram notícia nacional na Alemanha e Meinhof passou à clandestinidade.
No dia seguinte, cartazes da polícia começaram a aparecer com a fotografia dos dois e os jornais sensacionalistas e de grande tiragem de Axel Springer traziam a notícia em grandes parangonas, chamando o grupo de Gang Baader-Meinhof, pelo qual ficaram popularmente conhecidos. O filme Bambule, com roteiro de Meinhof, sobre a vida de jovens mulheres num reformatório e programado anteriormente para estrear na televisão alemã dez dias depois, foi retirado da grade de programação. Em 2 de julho, o jornal anarquista 833 publica um manifesto da organização, que assina com o nome oficial de Rote Armee Fraktion (Fração do Exército Vermelho) pela primeira vez. Uma recompensa de 10.000 de marcos é oferecida por sua captura e anunciada em cartazes pelo país.
     
Prisão
Pelos próximos dois anos, ela participou de várias ações do grupo, como roubos a banco e atentados à bomba. Além das ações de campo, Ulrike escrevia manifestos e tratados da RAF. Um dos mais conhecidos e significativos deles foi Das Konzept Stadtguerilla (O Conceito de Guerrilha Urbana), uma resposta ao ensaio publicado por Horst Mahler, outro dos fundadores do Baader-Meinhof e preso desde 1970, que, convertido a novas ideias políticas, criticava as ações do grupo. Nestas publicações, apareceu pela primeira vez o logotipo da organização, uma metralhadora M5 sobre uma estrela vermelha.
Em 22 de outubro de 1971, ela foi participou de um tiroteio com a polícia em Hamburgo durante uma tentativa de prisão. Ulrike e um companheiro conseguiram fugir, depois que um polícia foi baleado e morto. Novamente desaparecida, mais de seis meses se passaram até que se tivesse alguma notícia sua.
Em novembro de 1971, Renate Riemeck tentou argumentar com sua filha adotiva. Ela publicou uma carta em Konkret intitulada 'Desista, Ulrike!', numa mistura de crítica às ações da RAF e elogios a seu passado político e caráter benevolente. Riemeck tentou mudar o ponto de vista de Meinhof, elogiando-a e argumentando com ela. Na carta, ela escrevia que acreditava que a filha era muito inteligente e racional para confundir uma rebeldia antiautoritarismo com o início de uma revolução geral. Também colocou que "a Alemanha não é um lugar para uma guerrilha urbana ao estilo latino-americano" e perguntou.. "Quem ainda entende o impulso moral e político por trás das suas ações?". Renate concluía a carta com um apelo: "Eu não sei até que ponto a sua influência dentro do próprio grupo se estende até onde seus amigos sejam passíveis de considerações racionais. Mas você deve tentar medir as possibilidades reais de um movimento de guerrilha urbana na República Federal Alemã contra a realidade social do país. Você pode fazer isso, Ulrike."
A resposta de Meinhof foi encontrada três semanas depois, dentro de uma lata de lixo. O seu título: "Uma mãe escrava roga à sua filha". Ulrike reescreveu a carta do ponto de vista de uma mãe escrava, Renate Riemeck, pedindo à sua filha que negasse o direito de lutar pela liberdade, voltar atrás e se contentar em ser uma obediente e exemplar escrava, que poderia tornar-se uma supervisora algum dia, se aceitasse as autoridades e a sua vida de escrava. Com esta resposta, Ulricke Meinhof cortou os últimos elos com seu passado e conscientemente decidiu dedicar a sua vida a causa política na qual acreditava.
Em 1 de junho de 1972, Andreas Baader foi preso em Frankfurt, juntamente com Holger Meins e Jan-Carl Raspe, membros da liderança da RAF. Uma semana depois, foi a vez de Ensslin, presa dentro de uma boutique em Hamburgo. Em 14 de junho, a polícia montou uma emboscada num endereço de Hannover, depois da denúncia de que um casal de modos suspeitos estava hospedado num apartamento. O homem do casal, ao descer para telefonar, foi detido armado numa cabine telefónica. Era Gerhard Müller, que havia participado do tiroteio com Meinhof meses antes. Ao baterem na porta do apartamento, Ulrike Meinhof, a última líder da primeira geração do Baader-Meinhof em liberdade, foi presa.
Em dezembro de 1972, ela foi retirada do isolamento da prisão de Köln-Ossendorf, em Colónia, convocada como testemunha no julgamento de Horst Mahler, onde ele a questionou sobre as declarações que ambos teriam dado sobre a invasão, sequestro e morte de atletas de Israel na Vila Olímpica, durante os Jogos Olímpicos de Munique, por terroristas do Setembro Negro. Meinhof, que na época publicou um manifesto intitulado A ação do Setembro Negro em Munique: por dentro da estratégia da luta anti-imperialista, em que fazia reflexões sobre o relacionamento entre alemães, palestinianos e judeus como um resultado da II Guerra Mundial. A pergunta de Mahler a fez responder:
  
Cquote1.svg Como Auschwitz foi possível? O que era o anti-semitismo na Alemanha? Usou-se o ódio do povo à sua dependência pessoal do dinheiro, como uma maneira de troca, sua busca pelo comunismo. Auschwitz significa que seis milhões de judeus foram assassinados e jogados em aterros sanitários pela Europa, por serem aquilo que lhes foi apontado ser - Dinheiro-Judeus. O que aconteceu foi que o capital financeiro, a elite e os bancos, o núcleo do sistema do capitalismo e do imperialismo, desviou a atenção e o ódio do povo de si mesmo para os judeus. Cquote2.svg
  
Após dois anos de audiências preliminares, Ulrike, já então na prisão de segurança máxima de Stammheim juntamente com os outros líderes da RAF, foi condenada a oito anos de reclusão, por sua participação na libertação de Andreas Baader, em 1970. Em agosto de 1975, ela, Baader, Ensslin e Raspe foram conjuntamente acusados em conjuto de 4 homicídios, 54 tentativas de homicídio e formação de organização criminosa. Entretanto, em maio de 1976, quando o julgamento ainda decorria, Meinhof foi encontrada morta.

Morte
Em 9 de maio de 1976, ainda durante o período de julgamento e quando se festejava o Dia da Mãe na Alemanha, Ulrike Meinhof foi encontrada morta na sua cela, enforcada com uma corda improvisada com uma toalha rasgada, sem deixar nenhuma carta de despedida às suas filhas ou aos seus companheiros de prisão, os militantes da Fração do Exército Vermelho (RAF) Andreas Baader, Gudrun Ensslin, Jan-Carl Raspe e Irmgard Möller. A investigação oficial concluiu que se tratara de suicídio, tese contestada por acusações públicas de que a jornalista havia sido assassinada. Massivas demonstrações de protesto de esquerdistas ocorreram por todo o país e bombas explodem em Nice e Paris, na França e na base da Força Aérea dos Estados Unidos em Frankfurt. Nos últimos tempos em que esteve presa, entretanto, Ulrike estava deprimida por conflitos internos com os outros integrantes da organização, que a relegaram ao ostracismo no grupo. Apesar disso, Jan-Carl Raspe declarou que eles acreditavam que ela havia sido assassinada e que as difíceis relações entre ela e Baader-Ensslin na prisão, não eram qualquer evidência de que ela quisesse se suicidar.
Ulrike foi enterrada em Berlim, entre milhares de simpatizantes e discursos de intelectuais de esquerda. No enterro, em 16 de maio de 1976 no bairro de Mariendorf (então Berlim Ocidental), o editor Klaus Wagenbach disse que ela "sucumbiu às circunstâncias alemãs". O poeta Erich Fried enviou para as cerimónias do funeral um telegrama chamando-a de "a maior mulher da Alemanha desde Rosa Luxemburgo". Algumas décadas após sua morte veio à tona a notícia de que o seu cérebro fora retirado pelos patologistas antes do enterro, sem conhecimento da família, e conservado durante 26 anos em formol para estudos num hospital de Magdeburg. A sua filha, a jornalista Bettina Röhl, moveu uma ação contra o Estado e o cérebro foi enterrado na sepultura, juntamente com os restos mortais de Ulrike em 2002.
      
        

Floyd Council morreu há 45 anos

  
Floyd Council (Chapel Hill, Carolina do Norte, 2 de setembro de 1911 - Sanford, Carolina do Norte, 9 de maio de 1976) foi um músico de blues norte-americano. Nasceu em Chapel Hill, Carolina do Norte, filho de Harrie e Lizzie Council, e começou a sua carreira musical nas ruas de Chapel Hill nos anos 20 com os seus dois irmãos, Leo e Thomas.
Segundo uma entrevista de 1969, Floyd teria gravado 27 músicas ao longo da sua carreira, sete delas acompanhando Blind Boy Fuller.
Nos anos 60, Floyd sofreu um derrame cerebral que lhe paralisou parcialmente os músculos da garganta e diminuíram a atividade motora, continuando no entanto, bastante lúcido.
Mudou-se entretanto para Sanford, Carolina do Norte, onde morreu de um ataque de coração, em 1976.
  
Discografia
Não existe nenhuma gravação do trabalho de Floyd Council; no entanto o CD "Carolina Blues" apresenta seis músicas gravadas por ele. A série "Complete Recorded Works" de Blind Boy Fuller contém muitas faixas em que Floyd tocou guitarra.
   
Pink Floyd
Syd Barrett formou uma banda nos anos 60 chamada Pink Floyd, alegadamente, usando os primeiros nomes de Pink Anderson e Floyd Council.
      

 


As Brigadas Vermelhas assassinaram barbaramente Aldo Moro há 43 anos

     
Ocupou por cinco vezes o cargo de primeiro-ministro da Itália. Membro ativo da Igreja Católica, foi um dos líderes mais destacados da democracia cristã na Itália.
Sequestrado a 16 de março de 1978 pelo grupo terrorista Brigadas Vermelhas, foi assassinado depois de 55 dias de cativeiro.
Há várias teorias acerca os motivos da recusa do governo italiano em negociar a libertação de Aldo Moro com os sequestradores e sobre os interesses envolvidos no seu sequestro e morte. Segundo o historiador Sergio Flamigni, as Brigadas Vermelhas foram usadas pela Gladio, rede dirigida pela NATO, de modo a justificar a manutenção da estratégia da tensão. O filósofo Antonio Negri chegou a ser preso, acusado de ser o inspirador da ação das Brigadas Vermelhas e do assassinato de Aldo Moro.
     
     

Tenzing Norgay morreu há 35 anos

 
Sardar Tenzing Norgay
(Khumbu, maio de 1914 - Darjeeling, 9 de maio de 1986) foi um alpinista e guia de alta montanha sherpa nepalês, tendo sido o primeiro homem a chegar ao topo do monte Everest, em companhia de Edmund Hillary.
  
Depois de várias tentativas, Norgay conseguiu estar entre os primeiros a chegar ao cume do monte Everest, quando da expedição liderada por John Hunt em 29 de maio de 1953. Edmund Hillary e Tenzing Norgay foram os primeiros a atingir o pico.
Uma vez que não era conhecida a data exata do seu nascimento, ele passou a usar a data desta vitória para celebrar o seu aniversário.
Em 1952, Tenzing tinha atingido uma altitude jamais alcançada anteriormente, 8599 m, com a equipe de uma expedição suíça dirigida por Raymond Lambert. Tenzing tornou-se em seguida responsável pelo treinamento in situ do Instituto de Alpinismo do Himalaia (Himalayan Montaineering Institute), em Darjeeling. Em 1978 ele fundou a empresa Tenzing Norgay Adventures, propondo escaladas no Himalaia.
Desde 2003, essa empresa é dirigida pelo filho de Tenzing Norgay e que se chama Jamling Tenzing Norgay, que também escalou o Everest em 1996.



There are conflicting accounts of his early life. The account that he gave in his autobiography, accepted for several years, is that he was a Sherpa born and brought up in Tengboche, Khumbu in northeastern Nepal.
Khumbu lies near Mount Everest, which the Tibetans and Sherpas call Chomolungma which in Tibetan means Holy Mother. He was a Buddhist, the traditional religion of the Sherpas and Tibetans.
His exact date of birth is not known, but he knew it was in late May by the weather and the crops. After his ascent of Everest on 29 May, he decided to celebrate his birthday on that day thereafter. His year of birth according to the Tibetan Calendar was the Year of the Rabbit, making it likely that he was born in 1914.
He was originally called "Namgyal Wangdi", but as a child his name was changed on the advice of the head lama and founder of the famous Rongbuk Monastery, Ngawang Tenzin Norbu. Tenzing Norgay translates as "wealthy-fortunate-follower-of-religion". His father, a yak herder, was Ghang La Mingma (d. 1949) and his mother was Dokmo Kinzom (who lived to see him climb Everest); he was the 11th of 13 children, most of whom died young.
He ran away from home twice in his teens, first to Kathmandu and later Darjeeling. He was once sent to Tengboche Monastery to be a monk, but he decided that it was not for him, and departed. At the age of 19, he eventually settled in the Sherpa community in Too Song Bhusti in Darjeeling.
  
Tenzing got his first opportunity to join an Everest expedition when he was employed by Eric Shipton, leader of the reconnaissance expedition in 1935. As a 20 year old his chance came when two of the others failed their medical test. As a friend of Angtharkay he was quickly pushed forward, and his attractive smile caught the eye of Shipton, who decided to take him on.
Tenzing took part as a high-altitude porter in three official British attempts to climb Everest from the northern Tibetan side in the 1930s. He also took part in other climbs in various parts of the Indian subcontinent. For a time in the early 1940s he lived in the Princely State of Chitral (that later became a part of Pakistan on partition of India) as batman to a Major Chapman. His first wife died during his tenure there and was buried there. He returned to Darjeeling with his two daughters during the Indian partition of 1947 and he managed to cross India by train without a ticket and without being challenged by wearing one of Major Chapman's old uniforms.
In 1947, he took part in an unsuccessful summit attempt of Everest. Canadian-born Earl Denman, Ange Dawa Sherpa, and Tenzing entered Tibet illegally to attempt the mountain; the attempt ended when a strong storm at 22,000 ft (6,700 m) pounded them. Denman admitted defeat and all three turned around and safely returned. In 1947 he became a sirdar of a Swiss expedition for the first time following a magnificent performance in the rescue of Sirdar Wangdi Norbu who had fallen and been seriously injured. The same year he climbed Kedarnath peak in the western Garhwal Himalaya – the first ascent of the peak.
In 1952, he took part in the two Swiss expeditions led by Edouard Wyss-Dunant (spring) and Gabriel Chevalley (autumn), the first serious attempts to climb Everest from the southern (Nepalese) side, after two previous US and British reconnaissance expeditions in 1950 and 1951. The expedition opened up a new route on Everest that was successfully climbed the next year. Tenzing Norgay and Raymond Lambert reached on 28 May the then-record height of 8,600 metres (28,200 ft), and this expedition, during which Tenzing was for the first time considered a full expedition member ("the greatest honour that had ever been paid me") forged a lasting friendship between Tenzing Norgay and his Swiss friends, in particular Raymond Lambert. During the autumn expedition, the team was stopped by bad weather after reaching an altitude of 8,100 metres.
  
Sir Edmund Hillary greets Tenzing Norgay, circa 1971
   
In 1953, he took part in John Hunt's expedition, his own seventh expedition to Everest. A member of the team was Edmund Hillary, who had a near-miss following a fall into a crevasse, but was saved from hitting the bottom by Tenzing's prompt action in securing the rope using his ice axe, which led Hillary to consider him the climbing partner of choice for any future summit attempt.
The Hunt expedition totalled over 400 people, including 362 porters, twenty Sherpa guides and 10,000 lbs of baggage, and like many such expeditions, was a team effort.
The expedition set up base camp in March 1953. Working slowly it set up its final camp at the South Col at 25,900 feet (7,890 m). On 26 May, Bourdillon and Evans attempted the climb, but turned back when Evans' oxygen system failed. The pair had reached the South Summit, coming within 300 vertical feet (91 m) of the summit. Hunt then directed Tenzing and Hillary to go for the summit.
Snow and wind held the pair up at the South Col for two days. They set out on 28 May with a support trio of Ang Nyima, Alfred Gregory and George Lowe. The two pitched a tent at 27,900 feet (8,500 m) on 28 May while their support group returned down the mountain. On the following morning Hillary discovered that his boots had frozen solid outside the tent. He spent two hours warming them before he and Tenzing attempted the final ascent wearing 30-pound (14 kg) packs. The crucial move of the last part of the ascent was the 40-foot (12 m) rock face later named the "Hillary Step". Hillary saw a means to wedge his way up a crack in the face between the rock wall and the ice, and Tenzing followed. From there the following effort was relatively simple. They reached Everest's 29,028 ft (8,848 m) summit, the highest point on Earth, at 11:30 a.m. As Hillary put it, "A few more whacks of the ice axe in the firm snow, and we stood on top."
They spent only about fifteen minutes at the summit. Hillary took the famous photo of Tenzing posing with his ice-axe, but since Tenzing had never used a camera, Hillary's ascent went unrecorded. However, according to Tenzing's autobiography 'Man of Everest' when Tenzing offered to take Hillary's photograph Hillary declined – "I motioned to Hillary that I would now take his picture. But for some reason he shook his head; he did not want it". Additional photos were taken looking down the mountain in order to re-assure that they had made it to the top and that the ascent was not faked. The two had to take care on the descent after discovering that drifting snow had covered their tracks, complicating the task of retracing their steps. The first person they met was Lowe, who had climbed up to meet them with hot soup.
Afterwards, Tenzing was met with great adulation in India and Nepal. Hillary and Hunt were knighted by Queen Elizabeth, while Tenzing received the George Medal from Queen Elizabeth II for his efforts on the expedition. It has been suggested that Indian prime minister Jawaharlal Nehru refused permission for Tenzing to be knighted.
 
It has been a long road ... From a mountain coolie, a bearer of loads, to a wearer of a coat with rows of medals who is carried about in planes and worries about income tax.
—Tenzing Norgay
  
Tenzing and Hillary were the first people to conclusively set their feet on the summit of Mount Everest, but journalists were persistently repeating the question which of the two men had the right to the glory of being the first one, and who was merely the second, the follower. Colonel Hunt, the expedition leader, declared, "They reached it together, as a team."
  
Tenzing was married three times. His first wife, Dawa Phuti, died young in 1944. They had a son, Nima Dorje, who died at the age of four, and two daughters: Pem Pem, whose son Tashi Tenzing climbed Everest, and Nima, who married a Filipino graphic designer, Noli Galang. Tenzing's second wife was Ang Lahmu, a cousin of his first wife. They had no children, but she was a foster-mother to his daughters. His third wife was Dakku, whom he married while his second wife was still alive, as allowed by Sherpa custom (see polygyny). They had three sons (Norbu, Jamling and Dhamey), and one daughter, Deki. Jamling would join Peter Hillary, Edmund Hillary's son, in climbing Everest in 2003 on the 50th anniversary of the climb of their fathers. Other relatives include his nephews Nawang Gombu and Topgay who took part in the 1953 Everest expedition. Tenzing also has a great grand son, Tashi Tenzing, who lives in Sydney, Australia.
  
Tenzing died of a cerebral haemorrhage in Darjeeling, West Bengal, India, in 1986, at age 71. His remains were cremated in Himalayan Mountaineering Institute, Darjeeling, his favourite haunt.
  

E viva a Europa...!

Enlèvement d'Europe de Nöel-Nicolas Coypel, circa 1726
      
Na mitologia grega, Europa era uma princesa fenícia que Zeus sequestrou, depois de assumir a forma de um touro branco deslumbrante. Ele levou-a para a ilha de Creta, onde ela deu à luz Minos, Radamanto e Sarpedão. Para Homero, Europa (em grego: Εὐρώπη, Eurṓpē) era uma rainha mitológica de Creta e não uma designação geográfica. Mais tarde, o termo Europa foi usado para se referir ao centro-norte da Grécia, e em 500 a.C., o seu significado foi estendido para as terras a norte.
   
in Wikipédia
  
     
  
O dia da Europa ou dia da União Europeia é uma data comemorativa celebrada anualmente na Europa (ou na União Europeia) no dia 9 de Maio. A data escolhida reflete o dia 9 de maio de 1950, em que o estadista francês Robert Schuman avançou com a proposta de uma entidade europeia supranacional. Essa proposta ficou conhecida como a Declaração Schuman e é considerada o embrião da atual União Europeia.
O Dia da Europa é, juntamente com a bandeira, o hino, a divisa ("Unida na Diversidade") e o euro, um dos símbolos da identidade comum da União Europeia.