segunda-feira, janeiro 21, 2019

Peggy Lee morreu há dezassete anos

Peggy Lee em 1943, no filme Stage Door Canteen
   
Peggy Lee (Jamestown, 26 de maio de 1920 - Bel Air, Los Angeles, 21 de janeiro de 2002) foi uma cantora de jazz tradicional dos Estados Unidos.
  
Biografia
Nascida Norma Deloris Egstrom em Jamestown, Dacota do Norte. Conhecida como uma das mais importantes influências musicais do século XX, Lee é citada como inspiração por vários artistas, como Bobby Darin, Paul McCartney, Anni-Frid "Frida" Lyngstad (dos ABBA), Bette Midler, Madonna, K. D. Lang, Elvis Costello, Dusty Springfield, Dr. John e Christina Aguilera, entre outros.
Como escritora, colaborou com seu ex marido, Dave Barbour, bem como Sonny Burke, Victor Young, Francis Lai, Dave Grusin, John Chiodini e Duke Ellington, que dizia "If I'm the Duke, then Peggy's the Queen" ("Se eu sou o Duque, então Peggy é a Rainha").
Como atriz, foi nomeada para um Óscar, pelo seu papel em Pete Kelly's Blues.
Frank Sinatra, Ella Fitzgerald, Judy Garland, Dean Martin, Bing Crosby e Louis Armstrong, todos citaram Lee como uma das suas cantoras favoritas.
   

Lenine morreu há 95 anos

Vladimir Ilitch Lenin ou Lenine (nascido Vladimir Ilyitch Uliánov, Simbirsk, 22 de abril de 1870 – Gorki, 21 de janeiro de 1924) foi um revolucionário e chefe de Estado russo, responsável em grande parte pela execução da Revolução Russa de 1917, líder do Partido Comunista, e primeiro presidente do Conselho dos Comissários do Povo da União Soviética. Influenciou teoricamente os partidos comunistas de todo o mundo e as suas contribuições resultaram na criação de uma corrente teórica denominada leninismo (Ética de Estado). Diversos pensadores e estudiosos escreveram sobre a sua importância para a história recente e o desenvolvimento da Rússia, entre eles o historiador Eric Hobsbawm, para quem Lenine teria sido "o personagem mais influente do século XX".
(imagem daqui)

Benny Hill nasceu há 95 anos!

Alfred Hawthorne Hill, known by his stage name Benny Hill (Southampton, Hampshire, 21 January 1924 – Teddington, London, 20 April 1992) was an English comedian and actor, notable for his long-running television programme The Benny Hill Show.
   
Early life
Alfred Hawthorne Hill was born in Southampton. After leaving school, Hill worked at Woolworth's, as a milkman, a bridge operator, a driver and a drummer before he finally got a foot in the door of the entertainment industry by becoming assistant stage manager with a touring review. He was called up in 1942 and trained as a mechanic, but transferred to the Combined Services Entertainment division before the end of the war.
Inspired by the "star comedians" of British music hall shows, Hill set out to make his mark in show business. For the stage, he changed his first name to 'Benny', in homage to his favourite comedian, Jack Benny.
Career
Between the end of the Second World War and the dawn of the popularity of television with the British public, Hill worked as a radio performer. His first appearance on television was in 1950. In addition, he attempted a sitcom anthology, Benny Hill, which ran from 1962 to 1963, in which he played a different character in each episode. In 1964, he played Nick Bottom in an all-star TV film production of William Shakespeare's A Midsummer Night's Dream. He also had a radio programme lasting for three series called Benny Hill Time, on BBC Radio's Light Programme from 1964 to 1966. It was a topical show, like a March 1964 episode which featured James Pond, 0017, in "From Moscow with Love" and his version of "The Beatles". He played a number of characters in the series, like Harry Hill, and favourite, Fred Scuttle.
   
Films and recordings
Benny Hill's film credits include parts in nine films including Who Done It? (1956); Those Magnificent Men in Their Flying Machines (1965); Chitty Chitty Bang Bang (1968), in which he played the relatively straight role of the Toymaker; The Italian Job (1969); and, finally, a clip-show film spin-off of his early Thames TV shows (1969–73), called The Best of Benny Hill (1974). Hill's audio recordings include Gather in the Mushrooms, (1961), Pepys' Diary (song), (1961), Transistor Radio (1961), Harvest of Love (1963), and Ernie (The Fastest Milkman In The West) (1971). He also appeared in the 1986 video of the song Anything She Does by the band Genesis. Hill's song, Ernie (The Fastest Milkman In The West), on the Best of Benny Hill album, was the UK Singles Chart Christmas number one single in 1971.
   
The Benny Hill Show
Hill had struggled on stage and had uneven success in radio. But in television he found a form that played to his strengths, allowing him a format that included live comedy and filmed segments, with him at the focus of almost every segment. It was to prove one of the great success stories of television comedy, keeping Hill a star for nearly four decades, generating impressive revenues for Thames TV, and remaining a cult series in much of the world long after Hill's death.
The show had a music hall-derived format and its humour relied on slapstick, innuendo and parody. Recurring players on his show during the BBC years included Patricia Hayes, Jeremy Hawk, Peter Vernon, Ronnie Brody, and his co-writer from the early 1950s to early 1960s, Dave Freeman. Short, bald Jackie Wright was a frequent supporting player with Hill tapping him on the head. He remained mostly with the BBC through to 1968, except for a few sojourns with ITV station ATV between 1957 and 1960 and again in 1967. In 1969, his show moved from the BBC to Thames Television, where it remained until cancellation in 1989, with an erratic schedule of one-hour specials. The series showcased Hill's talents as an imaginative writer, comic performer and impressionist. He may have bought scripts from various comedy writers but, if so, they never received an onscreen credit (there is evidence that he bought a script from one of his regular cast members in 1976, Cherri Gilham, whom he wrote to from Spain and told her he was using her "Fat Lady idea on the show" in January 1977.)
The most common running gag in Benny Hill's shows was the closing sequence, The "run-off", which was literally a running gag in that it featured various members of the cast chasing Hill as part of the chase, along with other stock comedy characters, such as policemen, vicars, old ladies, and so on. This was commonly filmed using 'under-cranking' camera techniques, and included other comic devices such as characters running off one side of the screen and reappearing running on from the other. The tune used in all the chases, Boots Randolph's "Yakety Sax", is so strongly associated to the show that it is commonly referred to as "The Benny Hill Theme". It has been used as a form of parody in many ways by television shows and a small number of films. The Wachowskis used the same style (and musical theme) in a scene in the film V for Vendetta (2006). It also appears in the cult film The Gods Must Be Crazy.
From the start of the 1980s the show featured a troupe of attractive young women, known collectively as 'Hill's Angels'. They would appear either on their own in a dance sequence, or in character as foils against Hill. Sue Upton, one of the longest serving members of the Angels, said of Hill, "He was one of the nicest, kindest, most gentle of men to work with". However, the sexual content of the routines contributed to feminist accusations of sexism.
The alternative comedian Ben Elton made a headline-grabbing allegation, both on the TV show Saturday Live and in the pages of Q magazine (in its January 1987 issue), that The Benny Hill Show was single-handedly responsible for the incidences of rape in England during the period in question, and also suggested the programme incited other acts of violence against women. But a writer in The Independent newspaper opined that Elton's assault was "like watching an elderly uncle being kicked to death by young thugs". Elton later claimed his comment was taken out of context, and he appeared in a parody for Harry Enfield and Chums, Benny Elton, where Elton ends up being chased by angry women, accompanied by the "Yakety Sax" theme, after trying to force them to be more feminist rather than letting them make their own decisions.
In response to the accusations of sexism, defenders of Hill have said the show used traditional comic stereotypes to reflect universal human truths in a way that was non-malicious and fundamentally harmless. Hill's friend and producer Dennis Kirkland said it was the women who chased Hill in anger for undressing them, all of which was done accidentally by some ridiculous means. An article on 27 May 2006 in The Independent quoted Hill and Kirkland as saying they believed this misrepresentation demonstrated critics could not have watched his programmes.
In an episode about Hill transmitted as part of the documentary series Living Famously, John Howard Davies, the Head of Light Entertainment at Thames Television who had cancelled the show, stated there were three reasons why he did so: "The audiences were going down, the programme was costing a vast amount of money, and he (Hill) was looking a little tired."
The loss of his show totally devastated Hill (or, as one former supporting player put it, "He started to die from there"), and what followed was a self-inflicted decline in his health. In 1990 a new show was produced complete with Hill and his usual team, called Benny Hill's World Tour: New York!.
In February 1992, Thames Television, which received a steady stream of requests from viewers for The Benny Hill Show repeats, finally gave in and put together a number of re-edited shows. Hill died on 20 April 1992, the same day that a new contract arrived in the post from Central Independent Television, for which he was to have made a series of specials. Hill turned down competing offers from Carlton and Thames.
   
Celebrity fans
Charlie Chaplin was a fan of Hill's work: Hill had discovered that Chaplin, his childhood idol, was a fan when he was invited to Chaplin's home in Switzerland by Chaplin's family and discovered that Chaplin had a collection of Hill's work on video. Hill and Dennis Kirkland were the first outside the family to be invited into Chaplin's private study. Hill was awarded the Charlie Chaplin International Award for Comedy at the 1991 Festival of Comedy in Vevey, Switzerland.
Radio and TV show host Adam Carolla claimed that he was a fan of Benny Hill and that he considered Hill "as American as the Beatles." Indeed, during an episode of The Man Show, Carolla performed in what was billed as a tribute to "our favourite Englishman, Sir Benny Hill" in a more risqué takeoff of the sketches that Hill popularised. (Note: Hill was never knighted.) Carolla played a rude and lecherous waiter; a role Hill essayed numerous times in his shows - and the sketch featured many of the staples of Hill's shows, including a Jackie Wright-esque bald man, as well as the usual scantily-clad women.
Michael Jackson was a Benny Hill fan: "I just love your Benny Hill!" the young Jackson told a bemused English music-press critic during a 1970s tour. "He's so funny!". During Benny Hill's decline in his health he was visited by Jackson, who was in the UK at the time.
In Benny Hill: The World's Favourite Clown, filmed shortly before his death, celebrities such as Burt Reynolds, Michael Caine, John Mortimer, Mickey Rooney and Walter Cronkite, among others, expressed their appreciation of and admiration for Hill and his humour – and in Reynolds' case, the appreciation extended to the Hill's Angels as well. More surprisingly, perhaps, the novelist Anthony Burgess made no secret of his admiration for Hill. Burgess, whose novels were often comic, relished language, wordplay and dialect, admired the verbal and comedic skill that underlay Hill's success. Reviewing a biography of Hill, Saucy Boy, in the Guardian in 1990, Burgess described Hill as "a comic genius steeped in the British music hall tradition" and "one of the great artists of our age". A meeting between the two men was described in a newspaper article by Burgess and recalled in the Telegraph newspaper by the satirist Craig Brown.
In 2006, broadcaster and critic Garry Bushell launched a campaign to erect a statue of Hill in Southampton, with the support of Barbara Windsor, Brian Conley and other British comedy favourites. Those taking part in the first fundraising concert included Neville Staple, Right Said Fred and Rick Wakeman.
In a June 2011 interview in The Observer, the American rapper Snoop Dogg declared himself to be a fan of Benny Hill.
In a 2011 interview British actor and director Mark Noyce stated that Benny Hill was his all-time favourite comedian. He was quoted as saying “he was way ahead of his time and an absolute master of his art. I would have loved the opportunity to have met him and I hope he will be remembered as the genius I believe he was.”
   
Death
After suffering a mild heart attack on 24 February 1992, doctors told him he needed to lose weight and recommended a heart bypass. He declined, and a week later was found to have kidney failure. Hill died at the age of 68 on 20 April 1992. On 22 April, after several days of unanswered telephone calls, his producer, Dennis Kirkland, climbed a ladder to the balcony of Hill's 3rd floor flat and upon seeing the body through a window had the neighbours call the police. The police broke into the flat and found Hill, dead, sitting in his armchair in front of the television. Hill's cause of death was recorded as coronary thrombosis.
Hill was buried at Hollybrook Cemetery near his birthplace in Southampton on 26 April 1992. In October 1992, following rumours that he was buried with large amounts of gold jewellery, an attempt was made by thieves to exhume his body. When authorities looked into his open grave the following morning "The vandals had dug down, exposing his coffin [...] Within two hours of the discovery, cemetery staff had refilled the grave and covered it with a half-ton concrete slab."
   

Richie Havens nasceu há 78 anos

Havens começou a ficar famoso com o surgimento do movimento folk de Greenwich Village (que também catapultou as carreiras de Joan Baez e Bob Dylan). Em 1969, Havens abriu o Festival de Woodstock; foi aclamado pela multidão e foi tocando até ficar sem músicas, decidindo improvisar uma versão de "Motherless Child", a qual ele acrescentou um verso, com a palavra Freedom, repetida várias vezes. Esta versão transformaria-se num sucesso internacional, com o lançamento do documentário Woodstock, em 1970.
  
Richie Havens no Festival de Woodstock, 1969
  
Havens tocou na cerimónia de posse do presidente americano Bill Clinton em 1993. Continuou gravando e viajando em turnês, embora raramente escrevesse as suas próprias músicas, preferindo interpretar trabalhos de artistas, como Bob Dylan e The Beatles.
Havens tinha uma técnica peculiar para tocar a viola que lhe dava um estilo único. Ele usava uma afinação em Ré, que permitia que ele fizesse muitos acordes usando, principalmente, o dedo polegar, ao contrário das técnicas mais comuns de tocar viola, que priorizam o uso dos outros dedos sem usar o polegar.
   
     

Plácido Domingo - 78 anos

José Plácido Domingo Embil (Madrid, 21 de janeiro de 1941), mais conhecido como Plácido Domingo, é um tenor dramático, barítono, musico e maestro espanhol, conhecido pela sua versátil e poderosa voz, possuindo um tom dramático em toda a sua amplitude. Em março de 2008 cantou o seu 128º papel operístico, fazendo-se assim o tenor que mais cantou papéis na história, em 2011 chegou ao 134° papel operístico. Um dos Três Tenores, também tem conduzindo óperas e concertos, como também servindo de Diretor da Ópera Nacional de Washington, em Washington, Estados Unidos e na Ópera de Los Angeles.
   
     

Cecil B. DeMille morreu há sessenta anos

Cecil Blount DeMille, mais conhecido como Cecil B. DeMille (Ashfield, 12 de agosto de 1881 - Hollywood, 21 de janeiro de 1959) foi um cineasta americano, um dos 36 fundadores da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

Filmes
  • 1958 - Corsário sem Pátria (The Buccaneer)
  • 1956 - Os dez mandamentos (The Ten Commandments)
  • 1952 - O maior espetáculo da Terra (The Greatest Show on Earth)
  • 1949 - Sansão e Dalila (Samson and Delilah)
  • 1948 - California's golden beginning
  • 1947 - Os inconquistáveis (Unconquered)
  • 1944 - Pelo vale das sombras (The Story of Dr. Wassell)
  • 1942 - Vendaval de paixões (Reap the Wild Wind)
  • 1940 - Legião de heróis (North West Mounted Police)
  • 1939 - Aliança de aço (Union Pacific)
  • 1938 - Laffite, o corsário (The Buccaneer)
  • 1936 - Jornadas heróicas (The Plainsman)
  • 1935 - As cruzadas ( The Crusades)
  • 1934 - Cleópatra (Cleopatra)
  • 1934 - Mulheres e homens (Four Frightened People)
  • 1933 - A juventude manda (This Day and Age)
  • 1932 - O sinal da cruz (The Sign of The Cross)
  • 1931 - Amor de índio ( The Squaw Man)
  • 1930 - Madame Satã (Madam Satan)
  • 1929 - Dinamite (Dynamite)
  • 1929 - Verdade que triunfa (The Godless Girl)
  • 1927 - O Rei dos Reis (The King of Kings)
  • 1926 - O barqueiro do Volga (The Volga Boatman)
  • 1925 - Volta ao passado (Road to Yesterday)
  • 1925 - A cama de ouro (The Golden Bed)
  • 1924 - Pés de ferro (Feet to Clay)
  • 1924 - Triunfo (Triumph)
  • 1923 - Os dez mandamentos (The Ten Commandments)
  • 1923 - A costela de Adão (Adam's Rib)
  • 1922 - A homicida (Manslaugher)
  • 1922 - A noite de sábado (Saturday Night)
  • 1921 - Porta do paraíso (Fool's Paradise)
  • 1921 - As aventuras de Anatólio (The Affairs of Anatol)
  • 1921 - O fruto proibido (Forbidden Fruit)
  • 1920 - Alguma coisa em que pensar (Something to think about)
  • 1920 - Por que trocar de esposa? (Why change your life?)
  • 1919 - Macho e fêmea (Male and Female)
  • 1919 - A renúncia (For better, for worse)
  • 1919 - No alvorecer da verdade (Don't change your husband)
  • 1918 - You can't have everything
  • 1918 - Amor de índio (The Squaw Man)
  • 1918 - A volta triunfante (Till I come back to you)
  • 1918 - Flor do desejo (We can't have everything)
  • 1918 - Amores velhos por novos (Old wives for new)
  • 1918 - Vassalagem (The Whispering Chorus)
  • 1917 - A pedra do diabo (The Devil-Stone)
  • 1917 - A mulher que Deus esqueceu (The Woman God Forgot)
  • 1917 - Refreando tentações (The Little American)
  • 1917 - Perseverança (Romance of The Redwoods)
  • 1917 - Lost and won
  • 1917 - Joana D'Arc (Joan The Woman)
  • 1916 - Sonho e realidade (The Dream Girl)
  • 1916 - Maria Rosa (Maria Rosa)
  • 1916 - Grandeza de ânimo (The Heart of Nora Flynn)
  • 1916 - Meu admirável Alberto (The Trail of the Lonesome Pine)
  • 1915 - Ser ou não ser (The Golden Chance)
  • 1915 - Tentação (Temptation)
  • 1915 - Enganar e perdoar (The Cheat)
  • 1915 - No caminho do dever (Chimmie fadden out west)
  • 1915 - Carmen (Carmen)
  • 1915 - Audaz caprichoso (Kindling)
  • 1915 - Missão de sacrifício (Chimmie Fadden)
  • 1915 - O árabe (The Arab)
  • 1915 - O ganso silvestre (The Wild Goose Chase)
  • 1915 - Presa de amor (The Captive)
  • 1915 - Os destemidos (The Unafraid)
  • 1915 - Pela nossa honra (The Warrens of Virginia)
  • 1915 - After Five
  • 1915 - Sonhos de moça (The Girl of the golden west)
  • 1914 - The Ghost Breaker
  • 1914 - Perseverança (Rose of The Rancho)
  • 1914 - The Man from Home
  • 1914 - A revelação do amado (What's His Name)
  • 1914 - O paladino da vitória (The Virginian)
  • 1914 - Na romântica Nova York (The Call of the North)
  • 1914 - Pisada reveladora (The Man on The Box)
  • 1914 - The Only Son
  • 1914 - The Master Mind
  • 1914 - Brewster's Millions
  • 1914 - Amor de índio (The Squaw Man)
   
Prémios e nomeações
  • Recebeu uma nomeação para o Óscar, na categoria de Melhor Diretor, por "O Maior Espetáculo da Terra" (1952).
  • Recebeu 2 nomeações para o Óscar, na categoria de Melhor Filme, por "O Maior Espetáculo da Terra" (1952) e "Os Dez Mandamentos" (1956). Venceu em 1952.
  • Ganhou um Óscar honorário em 1950, concedido pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas como reconhecimento aos seus 37 anos de carreira.
  • Ganhou o Prémio Irving G. Thalberg, em 1953, concedido pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.
  • Ganhou o Globo de Ouro de Melhor Diretor, por "O Maior Espetáculo da Terra" (1952).
  • Ganhou a Palma de Ouro, no Festival de Cannes, por "Aliança de Aço" (1939).
   

Paulo Miklos, o vocalista dos Titãs, faz hoje sessenta anos!

Paulo Roberto de Sousa Miklos (São Paulo, 21 de janeiro de 1959) é músico e ator brasileiro, vocalista da banda de rock Titãs. Em 2001 iniciou uma carreira de ator. Atualmente, além dos Titãs e da carreira de ator, também é apresentador do programa "Paulo Miklos Show" na MIX TV. Paulo é adepto do Santos Futebol Clube.
 
  
Titãs é uma banda de rock brasileira formada em São Paulo, em 1982. Ativa há 31 anos, tornou-se uma das quatro maiores bandas do BRock, ao lado de Legião Urbana, Os Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho. Algumas das suas músicas de maior sucesso são Sonífera Ilha, Flores, Polícia, Família, Comida, O Pulso, Go Back, Domingo, Enquanto Houver Sol, Homem Primata, Bichos Escrotos, Cabeça Dinossauro, Pra Dizer Adeus, Marvin, AA UU, Epitáfio, Diversão, Porque Eu Sei Que é Amor e Televisão.
  

O Rei da França, Luís XVI, foi executado há 226 anos

A Execução de Luís XVI de França, a partir de uma gravura alemã
A Execução de Luís XVI na guilhotina é um dos acontecimentos mais importantes da Revolução Francesa. Ela teve lugar no dia 21 de janeiro de 1793, aproximadamente às 10.20 horas, em Paris, na Praça da Revolução (a antiga Praça Luís XV, renomeada, em 1795, como Praça da Concórdia), nome que hoje ainda mantém.
Contexto
Na sequência dos acontecimentos da jornada de 10 de agosto de 1792 e do ataque ao Palácio das Tulherias, residência da família real, pelo povo parisiense, Luís XVI é preso na Prisão do Templo com a sua família, por alta traição. No final de seu processo, Luís XVI é condenado à morte por curta maioria (apenas um voto de diferença), a 15 de janeiro de 1793.
Trajeto
Luís XVI foi acordado às 05.00 horas da manhã. Cléry, o seu camareiro, assiste o rei na sua toalete matinal. Luís XVI encontra-se, em seguida, com o abade Henri Essex Edgeworth de Firmont, confessa-se, assiste à sua última missa e recebe a comunhão.
Aconselhado pelo abade, Luís XVI evita um último encontro de despedida com a sua família. Os guardas, temendo um rapto do rei, entram e saem incessantemente. Às 07.00 horas, Luís XVI confia as suas últimas vontades ao abade, o seu selo para o Delfim e a sua aliança e casamente para a Rainha. Após receber a bênção do abade, Luís XVI junta-se a Antoine Joseph Santerre, que comanda a guarda.
Um nevoeiro espesso envolve o dia, glacial. Dentro do primeiro pátio, Luís XVI volta-se para a Torre do Templo, onde foram colocados os demais membros da família real, mas estes não aparecem às janelas. No segundo pátio, uma carruagem verde espera. Luís XVI toma o seu lugar nela, com o abade, e mais duas pessoas da milícia instalam-se à sua frente. A carruagem deixa o Templo por volta das 09.00 horas. Ela vira à direita, pela Rua do Templo, para atingir os grandes Boulevards.
Um cortejo é formado com a carruagem, precedido por tambores e escoltado por uma tropa de cavaleiros com sabres desfraldados. O cortejo avança entre diversas fileiras de guardas nacionais e de sans-culottes.
Placa na Rua de Beauregard, recordando a tentativa de evasão do Rei
A multidão é numerosa e está dividida. Uma maioria opõe-se à execução, mas os homens armados e guardas nacionais estão preparados. Nas proximidades da Rua de Cléry, o Barão de Batz, apoio da família real que havia financiado a Fuga de Varennes, convocou 300 monárquicos para fazer evadir o Rei. Este deveria ser escondido numa casa pertencente ao Conde de Marsan, na Rua de Cléry. O Barão de Batz avança, aos gritos de: "Comigo, meus amigos, para salvar o rei!". Porém, os seus companheiros haviam sido denunciados e apenas alguns puderam comparecer. Três foram mortos, mas o Barão de Batz pode escapar. Dentro da carruagem, o Rei Luís XVI não percebeu nada. No breviário do abade, ele lia a prece dos agonizantes. O cortejo, conduzido por Santerre, prosseguiu o seu caminho pelos boulevards e pela Rua da Revolução. Ele entra às 10.00 horas na Praça da Concórdia e pára aos pés do cadafalso, instalado em frente ao Palácio das Tulherias, última residência real, entre o pedestal da estátua, removida, de Luís XV e a parte baixa dos Champs-Élysées. O local é rodeado por canhões em bateria e uma profusão de espadas e baionetas.
Testemunhos
Imprensa contemporânea
O jornal "Thermomètre du Jour" ("Termômetro do Dia") de 13 de fevereiro, jornal republicano moderado, descreve o Rei gritando: "Estou perdido!", citando como testemunha o carrasco, Charles-Henri Sanson.
Sanson
Sanson, o carrasco do rei, reage à versão do jornal "Thermomètre du Jour", dando o seu próprio testemunho sobre a execução, em carta datada de 20 de fevereiro de 1793:
Chegado ao pé da guilhotina, Luís XVI considerou um instante os instrumentos de seu suplício e perguntou a Sanson se os tambores cessariam de bater. Ele se aproximou para falar. Foi dito aos carrascos que fizessem seu dever. Enquanto lhe colocavam as cilhas, ele gritou : "Povo, eu morro inocente!". De seguida, virando-se para os carrascos, Luís XVI declara: "Senhores, sou inocente de tudo o que me inculpam. Espero que meu sangue possa cimentar a felicidade dos Franceses". O cutelo caiu. Eram 10 horas e 22 minutos. Um dos assistentes de Sanson apresentou a cabeça de Luís XVI ao povo, enquanto se elevava um grande grito de: "Viva a Nação! Viva a República!" e que ressoava uma salva de artilharia, que chegou até aos ouvidos da família real encarcerada..
Por fim, Sanson sublinha em uma carta que o rei "suportou tudo aquilo com um sangue frio e uma firmeza que nos espantou a todos. Fico quase convencido que ele retirou esta firmeza dos princípios da sua religião, dos quais ninguém mais do que ele parecia compenetrado ou persuadido".

domingo, janeiro 20, 2019

Etta James morreu há sete anos...

Etta James, nascida Jamesetta Hawkins, (Los Angeles, 25 de janeiro de 1938 - Riverside, 20 de janeiro de 2012) foi uma cantora norte-americana de blues, R&B, jazz e música gospel, vulgarmente apelidada de Miss Peaches.
  
Antes da fama
Etta James nasceu na Califórnia, filha de Dorothy Hawkins, uma afro-americana, mãe solteira, de 16 anos. Filha de pai branco, Etta procurou saber quem era seu progenitor, desconhecido até então, e que sua mãe diz ser Minnesota Fats, do qual ela recebia uma pensão de alimentos, na condição de manter segredo sobre a sua paternidade.
Ela teve o seu primeiro contacto com a música aos 5 anos de idade, tendo aulas com James Earle Hines, director musical da escola Echoes of Eden da Igreja Batista de St. Paul, em Los Angeles.
A sua família mudou-se para São Francisco, Califórnia, em 1950, e, em 1952, Etta e mais duas amigas formaram o trio (As Creolettes), o qual viria a chamar a atenção de Johnny Otis. Otis inverteu as sílabas do seu nome para lhe dar uma melhor sonoridade assim surgindo o seu nome artístico. A partir daí Otis investiu nela, começando a gravar os seus primeiros temas.
  
Depois da fama
A sua primeira gravação, e o seu primeiro êxito R&B, foi da sua própria autoria, "The Wallflower (Dance with Me, Henry)", uma música-resposta para a música de Hank Ballard, "Work with Me, Annie". Em 1954, Etta gravou juntamente com a banda de Otis e com Richard Berry, o qual cantava a segunda voz. A canção, que não estava totalmente boa, foi re-escrita por Georgia Gibbs, ganhando o título de "Dance with Me, Henry". Também gravou momentaneamente com a banda intitulada Etta James & the Peaches, com diversos hits, sendo contratada mais tarde pela Chess Records, em 1960.
Saiu em turnê com Johnny "Guitar" Watson, juntamente com Otis, nos anos 50 e foi referida por Watson como a penúltima influência em seu estilo.
Ela lançou vários duetos com Harvey Fuqua (dos The Moonglows), dos quais surgiu o seu maior sucesso já gravado, a belíssima e clássica "At Last". A canção, que apareceu juntamente com outros êxitos como "All I Could Do Was Cry" e "Trust in Me", foi incluída no seu álbum de estreia, "At Last!".
Etta James teve um sério problema de drogas e romances mal sucedidos, que interferiram em sua carreira. Posteriormente ela tem problemas com a obesidade (chegando a ter quase 200 kg), que levaram-na a fazer uma cirurgia gástrica em 2003, fazendo-a perder quase 100kgs. Em 2003 Etta James recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. Etta fez tours pela América, juntamente com os seus dois filhos, Donto e Sametto. Em 2011, com uma participação não-creditada (porém autorizada), cantou com o rapper Flo Rida, na música Good Feeling. Cinco dias antes de fazer 74 anos, no dia 20 de janeiro de 2012, finalmente sucumbiu à leucemia e a outras doenças, no Riverside Community Hospital, na cidade de Riverside, na Califórnia. Tinha-lhe sido diagnosticada a doença em janeiro de 2011.
  
 

O músico e ator Will Young faz hoje quarenta anos!

William Robert "Will" Young (Wokingham, Berkshire, 20 de janeiro de 1979) é um cantor, compositor e ator inglês. Ele atingiu a fama em 2002, após vencer a primeira edição do programa de TV Pop Idol, precursor do formato do programa Ídolos.
Young concorreu a inúmeros prémios de música, tendo conquistado muitos destes e tendo vendido mais de oito milhões de álbuns até agora.
O seu primeiro single, "Anything Is Possible/Evergreen" figura até hoje entre os vinte singles com mais vendas de toda a história no Reino Unido.
  

El-Rei D. Sebastião nasceu há 465 anos

(imagem daqui)

D. SEBASTIÃO, REI DE PORTUGAL...

Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a Sorte a não dá.
Não coube em mim minha certeza;
Por isso onde o areal está
Ficou meu ser que houve, não o que há.

Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?

(imagem daqui)

A ÚLTIMA NAU

Levando a bordo El-Rei D. Sebastião,
E erguendo, como um nome, alto o pendão
Do Império,
Foi-se a última nau, ao sol aziago
Erma, e entre choros de ânsia e de pressago
Mistério.

Não voltou mais. A que ilha indescoberta
Aportou? Voltará da sorte incerta
Que teve?
Deus guarda o corpo e a forma do futuro,
Mas Sua luz projecta-o, sonho escuro
E breve.

Ah, quanto mais ao povo a alma falta,
Mais a minha alma atlântica se exalta
E entorna,
E em mim, num mar que não tem tempo ou ’spaço,
Vejo entre a cerração teu vulto baço
Que torna.

Não sei a hora, mas sei que há a hora,
Demore-a Deus, chame-lhe a alma embora
Mistério.
Surges ao sol em mim, e a névoa finda:
A mesma, e trazes o pendão ainda
Do Império.


in Mensagem (1934) - Fernando Pessoa

Johnny Weissmuller, o mais famoso Tarzan do cinema, morreu há 35 anos

Johnny Weissmuller em 1925
  
Johnny Weissmuller, nascido János Weißmüller (Timişoara, Roménia, 2 de junho de 1904 - Acapulco, México, 20 de janeiro de 1984) foi um atleta e ator norte-americano, famoso por interpretar Tarzan, o personagem de ficção, criado pelo escritor dos Estados Unidos, Edgar Rice Burroughs.
Em 1939, no filme Tarzan Finds a Son!
  
Nascido no Banat, mais precisamente na localidade de Freidorf, hoje bairro da cidade de Timişoara na Roménia (na época parte do Império Austro-Húngaro), Weissmuller era filho de uma família de etnia alemã. A sua família emigrou para os Estados Unidos quando Johnny tinha apenas sete meses de idade.
Antes de entrar para o cinema, Weissmuller teve uma carreira excepcional como desportista, tendo conquistado cinco medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de 1924 e 1928. Ele estabeleceu 67 recordes mundiais de natação e ganhou 52 campeonatos nacionais, sendo considerado um dos melhores nadadores de todos os tempos.
Em 1934 imortalizou no cinema a famosa personagem Tarzan. O cinema transformou Tarzan, já conhecido através dos romances de Edgar Rice Burroughs, em mito universal e Weissmuller fez doze filmes como o homem macaco, celebrizando o famoso e estilizado grito da personagem.
Depois de Tarzan, ele interpretou com sucesso a personagem Jim das Selvas na série do mesmo nome, feita para a Columbia entre 1948 e 1955. Foram dezasseis filmes ao todo, com duração média de setenta minutos cada. Em 1955, a série transferiu-se para a TV, tendo sido feitos vinte e seis episódios de meia hora cada. Já envelhecido e obeso, Weissmuller tentava dar vida a uma personagem atlética e aventureira, calcada na legendária figura de Tarzan. Esse final melancólico marcou sua despedida das câmaras, tendo retornado apenas em pequenos papéis em dois filmes na década de 1970.
No final dos anos 1950, Weissmuller mudou-se para Chicago, onde fundou uma empresa de piscinas. Seguiram-se outros empreendimentos, a maioria envolvendo Tarzan ou a natação de uma forma ou de outra, mas sem grandes resultados. Aposentou-se em 1965 e no ano seguinte juntou-se aos ex-Tarzans Jock Mahoney e James Pierce para a campanha publicitária de lançamento da série de TV Tarzan, estrelada por Ron Ely. Em 1967, a sua imagem foi imortalizada na capa do álbum Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, dos Beatles.
Morreu vítima de um edema pulmonar em Acapulco, no México, onde vivia com a sexta esposa havia sete anos, para se recuperar de uma trombose. Encontra-se sepultado no Panteão Vale da Luz, em Acapulco no México.
   

Rob Bourdon, baterista da banda Linkin Park, faz hoje quarenta anos!

Robert Gregory Bourdon (Calabasas, Califórnia, 20 de janeiro de 1979) é o baterista da banda Linkin Park. Ele é mais conhecido como Rob Bourdon.
 
Quando pequeno, Rob foi forçado a estudar piano. Hoje em dia ele toca sempre que tem tempo livre. Quando tinha nove anos de idade, Rob foi ao The Great Western Forum para assistir a um show da banda Aerosmith (há rumores de que a sua mãe foi namorada do baterista do Aerosmith e que ela ajudou a escolher o nome da banda). Este foi seu primeiro show. Depois de vê-los tocar ele desejou um dia estar lá no palco tocando bateria. Aos 10 anos começou a tocar bateria aos 13 anos e ele tocava covers com seus amigos. Segundo ele, foi muito bom ver o nome da banda dele no anúncio de shows da casa onde ele se inspirou a tocar bateria. Tocou em várias bandas quando era jovem. Em uma delas, tocou com Brad Delson. A banda se chamava Relative Degree, era uma mistura de rock com rap e funk e o único objetivo real deles era tocar no The Roxy, quando finalmente alcançaram o objetivo, a banda acabou. Quando entrou no ensino secundário, gostava de funk.
Mais para a frente, Rob se juntou a Brad e Mike e juntos eles fundaram a banda Xero, que viria a ser o Linkin Park.
Apesar de não ser o modelo que faz propaganda da Matix (uma linha de roupas) Rob quase sempre usa nos shows roupas com a marca estampada. No videoclip de Points Of Authority aparece usando uma.
Rob é perfecionista, quando era criança ficou três horas sentado num canto da sua casa até aprender a atar os sapatos. Segundo outros elementos do grupo, ele não erra nem mesmo nas gravações de vídeoclipes. Rob não teve que regravar nada para fazer o Reanimation, mas ele estava decidido a ouvir o trabalho dos seus companheiros de banda e a expressar suas opiniões. Se ele não gostasse teria que falar, e os outros teriam que mudar tudo para ficar melhor. Rob toca bateria com sapatos de pilotos de carro, pois, segundo ele, dá-lhe mais controle sobre os pedais da bateria. Gosta de tocar piano e surfar quando tem tempo livre. Rob já foi empregado de bar. O seu momento mais emocionante foi receber uma baqueta de ouro pelo CD Hybrid Theory.
Namorou durante seis anos a atriz Vanessa Lee Evigan. Houve boatos de que ele namorou a modelo Irina Shayk, durante dois anos (a antiga namorada do jogador de futebol Cristiano Ronaldo), mas a modelo negou.
  
 

sábado, janeiro 19, 2019

Cézanne nasceu há 180 anos!

Paul Cézanne (Aix-en-Provence, 19 de janeiro de 1839 - 22 de outubro de 1906) foi um pintor pós-impressionista francês, cujo trabalho forneceu as bases da transição das concepções do fazer artístico do século XIX para a arte radicalmente inovadora do século XX. Cézanne pode ser considerado como a ponte entre o impressionismo do final do século XIX e o cubismo do início do século XX. A frase atribuída a Matisse e a Picasso, de que Cézanne "é o pai de todos nós", deve ser levada em conta.
Após uma fase inicial dedicada aos temas dramáticos e grandiloquentes próprios da escola romântica, Paul Cézanne criou um estilo próprio, influenciado por Delacroix. Introduziu nas suas obras distorções formais e alterações de perspectiva em benefício da composição ou para ressaltar o volume e peso dos objetos. Concebeu a cor de um modo sem precedentes, definindo diferentes volumes que foram essenciais para suas composições únicas.
Cézanne não se subordinava às leis da perspectiva. E sim, as modificava. A sua concepção da composição era arquitetónica; segundo as suas próprias palavras, o seu próprio estilo consistia em ver a natureza segundo as suas formas fundamentais: a esfera, o cilindro e o cone. Cézanne preocupava-se mais com a captação destas formas do que com a representação do ambiente atmosférico. Não é difícil ver nesta atitude uma reação de carácter intelectual contra o gozo puramente colorido do impressionismo.
Sobre ele, Renoir escreveu, rebatendo o crítico de arte Castagnary: Eu me enfureço ao pensar que ele [Castagnary] não entendeu que Uma Moderna Olympia, de Cézanne, era uma obra prima clássica, mais próxima de Giorgione que de Claude Monet, e que diante dele estava um pintor já fora do Impressionismo.
Cézanne cultivava sobretudo a paisagem e a representação de naturezas mortas, mas também pintou figuras humanas em grupo e retratos. Antes de começar as suas paisagens estudava-as e analisava os seus valores plásticos, reduzindo-as depois a diferentes volumes e planos que traçava à base de pinceladas paralelas. Árvores, casas e demais elementos da paisagem subordinam-se à unidade de composição. As suas paisagens são subtilmente geométricas. Cézanne pintou sobretudo a sua Provença natal (O Golfo de Marselha e as célebres versões sucessivas de O Monte de Sainte-Victoire).
Nas suas numerosas naturezas mortas, tipicamente compostas por maçãs, levava a cabo uma exploração formal exaustiva que é a terra fecunda de onde surgirá o cubismo poucos anos mais tarde. Entre as representações de grupos humanos, são muito apreciadas as suas cinco versões de Os Jogadores de Cartas. A Mulher com Cafeteira, pela sua estrutura monumental e serena, marca o grande momento classicista de Cézanne.
    
Primeiros anos e a família
A família Cézanne veio da pequena cidade de Cesana, no Piemonte, e foi assumido que o seu nome é de origem italiana.
Paul Cézanne nasceu no dia 19 de janeiro de 1839 em Aix-en-Provence, Provença, no Sul da França. No dia 22 de fevereiro, Paul foi batizado, tendo a sua avó e o seu tio como padrinhos. O pai, Louis-Auguste Cézanne (28 de julho de 179823 de outubro de 1886), foi o co-fundador de uma firma bancária que prosperou durante a vida do artista, o que lhe permitiu grande segurança financeira, que a maioria dos artistas da época não tinha, e lhe deu uma grande herança. A sua mãe, Anne-Elisabeth Honorine Aubert (24 de setembro de 181425 de outubro de 1897), era vívida e romântica, mas ofendia-se facilmente e influenciou decisivamente a visão de mundo de Paul. Ele também tinha duas irmãs mais jovens, Marie, com quem ele frequentava a escola primária todos os dias, e Rose.
Aos dez anos, Paul entrou na Escola São José, em Aix, onde estudou desenho, nas aulas de Joseph Gilbert, um monge espanhol. Em 1852, Cézanne ingressou no Colégio Bourbon (atual Colégio Mignet), onde conheceu e se tornou amigo de Émile Zola, que estava numa classe menos avançada. Lá permaneceu Cézanne durante seis anos. Entre 1859 e 1861, obedecendo aos desejos do pai, Cézanne ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de Aix, enquanto recebia as suas lições de desenho. Apesar das objeções do seu pai, passou a perseguir o seu desenvolvimento artístico e deixou Aix para ir a Paris, em 1861, encorajado por Zola, que já vivia na capital nessa época. No final o pai reconciliou-se com ele e apoiou a sua escolha de carreira. Mais tarde, Cézanne receberá 400.000 francos (£218.363,62) de seu pai, o que o livraria de qualquer insegurança financeira.
  
Natureza morta e um relógio preto -1869-1871
  
Cézanne, o artista
Em Paris, Cézanne conheceu o impressionista Camille Pissarro. Inicialmente, a amizade feita em meados dos anos 1860 era a de um mestre e mentor - Pissarro exercendo uma influência formativa sobre o jovem artista. Ao longo da década seguinte, as excursões para pintar em Louveciennes e em Pontoise levaram a um trabalho colaborativo entre iguais.
Nos primeiros trabalhos, Cézanne preocupava-se com a figura na paisagem. Nesse período incluem-se várias pinturas de grupos de figuras grandes e pesadas na paisagem, pintadas a partir da imaginação. Mais tarde, ele passa a se interessar mais em trabalhar a partir da observação direta, e, gradualmente, desenvolveu um estilo de pintura mais leve e arejada, que iria influenciar imensamente os impressionistas. Não obstante, nos trabalhos de maturidade de Cézanne, percebe-se o desenvolvimento de um estilo solidificado, quase arquitetural de pintura.
Durante toda a sua vida, esforçou-se para desenvolver uma observação autêntica do mundo através do método mais acurado possível para representá-lo em pintura. Ordenava estruturalmente tudo o que percebesse em formas e planos de cor simples. A sua afirmação “Eu quero fazer do impressionismo algo sólido e duradouro, como a arte dos museus”, e sua declarada intenção de recriar Nicolas Poussin acentuou seu desejo de unir a observação da natureza à permanência da composição clássica.

Fenómenos óticos
Cézanne tinha interesse na simplificação das formas naturais em seus essenciais geométricos; ele queria “tratar a natureza pelo cilindro, pela esfera, pelo cone” (um tronco de uma árvore pode ser considerado um cilindro, e uma cabeça humana como uma esfera, por exemplo). Além disso, a atenção concentrada com a qual ele registava suas observações da natureza resultou em uma profunda exploração da visão binocular, o que resultou em duas percepções visuais simultâneas ligeiramente diferentes, e nos providencia uma percepção de profundidade e um conhecimento complexo das relações espaciais. Nós vemos duas vistas diferentes simultaneamente; Cézanne empregava este aspecto da percepção visual às suas pinturas em graus variados. A observação deste facto, junto com o desejo de Cézanne em capturar a verdade de sua própria percepção, muitas vezes o levou a modelar as linhas básicas das formas para tentar exibir as vistas distintamente diferentes do seu olho direito para o olho esquerdo. Assim, a obra de Cézanne aumenta e transforma os antigos ideais da perspectiva, em particular da perspectiva de ponto único.

Exibições e temas
As pinturas de Cézanne foram exibidas na primeira mostra do Salon des Refusés (ou o Salão dos Recusados) em 1863, exibindo obras que não foram aceites pelos jurados do Salão de Paris oficial. O Salão rejeitou as obras de Cézanne durante todo o período de 1864 a 1869. Cézanne continuou a tentar apresentar suas obras ao Salão até 1882. Naquele ano, por intervenção do seu colega e artista Antoine Guillemet, Cézanne exibiu o Retrato de Louis-Auguste Cézanne, pai do artista, lendo ‘L’Evénement’, a sua primeira e última obra aceite no Salão.
Antes de 1895, Cézanne apresentou suas obras duas vezes com outros impressionistas - na primeira mostra impressionista de 1874 e na terceira, de 1877. Nos anos seguintes, algumas pinturas suas foram exibidas em vários locais, até que, em 1895, o marchand parisiense Ambroise Vollard deu ao artista a sua primeira mostra individual. Mesmo com o crescente reconhecimento público e o sucesso financeiro, Cézanne optou por trabalhar em isolamento, usualmente no Sul da França, na sua amada Provença, bem longe de Paris. Ele se concentrava em alguns temas e era bastante incomum que artistas do final do século XIX fossem igualmente proficientes em vários géneros: naturezas mortas, retratos, paisagens e estudos de banhistas. Neste último, Cézanne foi obrigado a desenhar a partir de sua imaginação, pois havia poucos modelos nus disponíveis. Assim como as paisagens, os seus retratos eram desenhados a partir do que ele tinha familiaridade, e, por isso, não apenas sua esposa e seu filho, mas também os passantes locais, as crianças e seu empresário artístico serviam como modelos. As suas pinturas de natureza morta são decorativas, pintadas com superfícies grossas e planas, mas ainda lembram as de Courbet.
Embora as imagens religiosas aparecessem menos frequentemente nas últimas obras de Cézanne, ele permaneceu devoto ao catolicismo romano, e dizia: “Quando eu preciso julgar uma arte, levo minhas pinturas e as deixo próximas de um objeto feito por Deus, como uma árvore ou uma flor. Se os dois lados entram em combate, elas não são arte”.

A morte de Cézanne
Um dia, Cézanne trabalhava em campo aberto quando foi surpreendido por uma tempestade. Só foi para casa após trabalhar duas horas com chuva. No caminho caiu, foi socorrido por um motorista que passava e o ajudou a ir para casa. Cézanne recuperou a consciência após ser tratado. No dia seguinte, pretendia continuar o seu trabalho, mas estava muito fraco e acabou por desfalecer. Foi colocado numa cama, de onde nunca mais se levantou. Morreu alguns dias após o acidente, em 22 de outubro de 1906, de pneumonia. Foi enterrado num antigo cemitério de sua amada cidade natal, Aix-en-Provence.
    
Principais períodos dos trabalhos de Cézanne
Vários períodos foram definidos na vida e na obra de Cézanne. Cézanne criou centenas de pinturas, algumas das quais alcançaram altos preços no mercado de arte, nos últimos anos. Em 10 de maio de 1999, o quadro Rideau, Cruchon et Compotier foi vendido por $60.5 milhões - o quarto maior preço já pago por uma pintura até aquele ano. Em maio de 2006, o quadro foi considerado como a pintura de natureza morta mais cara já vendida em leilão.

O período negro, em Paris, 1861-1870
Em 1863, Napoleão III criou, por decreto, o Salão dos Recusados, onde as pinturas que foram rejeitadas para mostra no Salão da Academia de Belas Artes eram exibidas. Entre os artistas proprietários das obras rejeitadas, estavam os jovens impressionistas, considerados revolucionários. Cézanne foi influenciado pelo estilo dos impressionistas, mas a sua dificuldade de relacionamento social – ele parecia rude, tímido, às vezes furioso e dado à depressão – resultaram em um período caracterizado pelas cores escuras e o grande uso do preto. As obras desse período diferem muito de seus rascunhos e aguarelas dos tempos da Escola Especial de Desenho de Aix-en-Provence (1859) ou de seus trabalhos subsequentes. Entre as obras do período negro, estão pinturas como O Assassino (cerca de 1867-1868).

Período impressionista, em Provença e Paris, 1870-1878
Após o início da guerra franco-prussiana, em julho de 1870, Cézanne e Marie-Hortense Fiquet deixaram Paris e foram para L’Estaque, perto de Marseille, onde ele passou a pintar predominantemente paisagens. Cézanne foi considerado como fugitivo do serviço militar, em janeiro de 1871, mas a guerra terminou em fevereiro e o casal regressou a Paris no verão de 1871. Após o nascimento do primeiro filho, Paul, em janeiro de 1872, em Paris, eles mudaram para Auvers, em Val D’Oise, nas proximidades da capital francesa.
Pissarro viveu em Pontoise. Lá e em Auvers, juntos, ele e Cézanne pintavam paisagens. Muito tempo depois, Cézanne descreveu a si mesmo como um aluno de Pissarro, dizendo que Todos nós surgimos de Pissarro. Sob a influência de Pissarro, Cézanne começou a abandonar as cores escuras e suas telas se tornaram muito mais luminosas.
Deixando Hortense na região de Marseille, Cézanne andou entre Paris e a Provença, exibindo suas obras na primeira (1874) e na terceira mostras impressionistas (1877). Em 1875, ele chamou a atenção do colecionador Victor Chocquet, cujas comissões providenciavam alívio financeiro. Mas as pinturas que Cézanne exibiu atraíram hilaridade, ultraje e sarcasmo. O revisor Louis Leroy disse, sobre o retrato que Cézanne fez de Chocquet: “Esta cabeça com uma aparência peculiar, e esta coloração de uma bota velha podem causar um choque (a uma mulher grávida) e febre amarela ao fruto de seu ventre antes mesmo de seu ingresso ao mundo.”.
Em março de 1878, o pai de Cézanne, Louis-Auguste, descobriu o caso do filho com Hortense e ameaçou cortar-lhe o suporte financeiro, mas, em setembro, decidiu dar 400 francos para a sua família. Cézanne continuou a migrar entre a região de Paris e Provença até que se construísse um estúdio para ele em sua casa, Jas de Bouffan, no começo dos anos de 1880. O estúdio foi feito no andar superior, com direito a uma janela alargada, que permitia a entrada da luz vinda do Norte, mas interrompendo a linha do beiral. Cézanne estabeleceu a sua residência em L’Estaque. Lá, ele pintou com Renoir, em 1882. Visitou Renoir e Monet em 1883.

Período maduro, em Provença, 1878-1890
No começo dos anos 1880, a família Cézanne fixou residência na Provença. Esta mudança reflete uma independência em relação aos impressionistas, concentrados em Paris, e uma preferência marcada pelo Sul, a terra nativa de Cézanne. O irmão de Hortense tinha uma casa dentro com vista para o Monte de Santa Vitória, em L'Estaque. Uma série de pinturas desta montanha entre 1880 e 1883, e outras, de Gardanne, entre 1885 e 1888, constituem o chamado “período construtivo”.
O ano de 1886 foi um ponto de transformação para a família. Cézanne casou com Hortense. Também naquele ano, o pai de Cézanne morre, tinha ele tinha 47 anos, e ele herda os bens do pai. Em 1888, a família se mudou para Jas de Bouffan, uma casa e terreno substanciais, o que permitiu um novo conforto. Esta casa, com um terreno menor, atualmente é propriedade da cidade e está aberta restritamente ao público.
Também naquele ano Cézanne rompeu sua amizade com Émile Zola, após Zola usá-lo, em grande parte, como base para compor o personagem, um artista sem sucesso e trágico afinal, Claude Lantier, no livro L'Œuvre. Cézanne considerou este ato como uma quebra de decoro, e a amizade iniciada na infância estava irreparavelmente danificada.

Período final, Provença, 1890-1905
O período idílico de Cézanne em Jas de Bouffan foi temporário. Desde 1890 até a sua morte, ele foi cercado por eventos problemáticos, eventualmente se isolando com suas pinturas e passando um longo tempo como um recluso virtual. As suas pinturas passaram a ser muito conhecidas e procuradas, e ele era o objeto de respeito na nova geração de pintores.
Os problemas começaram com a crise de diabetes em 1890, desestabilizando a sua personalidade até o ponto onde as suas relações com os outros foram, novamente, forçadas. Ele viajou para a Suíça, com Hortense e seu filho, talvez nas esperanças de restaurar as suas relações. Cézanne, porém, retornou à Provença para continuar sua vida; Hortense e Paul seguiram para Paris. As necessidades financeiras fizeram com que Hortense retornasse para a Provença, mas vivendo em quartos separados. Cézanne mudou-se com sua mãe e com a sua irmã. Em 1891, ele voltou-se para o catolicismo.
Cézanne alternou entre pintar na região de Jas de Bouffan e na região de Paris, como antes. Em 1895, ele fez uma visita germinal para Bibémus Quarries e escalou o Monte Santa Vitória. A paisagem labiríntica deve tê-lo inspirado, pois ele alugou uma cabana no local, em 1897, e pintou-a extensivamente. Acredita-se que as formas tenham inspirado o estilo embrionário do cubismo. Também naquele ano, a sua mãe morreu, um evento chocante, mas que também fez a reconciliação possível com a sua esposa. Ele vendeu a área vazia de Jas de Bouffan e alugou um local em Rue Boulegon, onde ele construiu um estúdio.
As suas relações, entretanto, continuavam tempestuosas. Ele precisava de um local para ser ele mesmo. Em 1901, ele comprou algumas terras, próximo da Estrada de Lauves, uma estrada isolada em Aix, e pediu que um estúdio fosse construído lá (o “ateliê”, agora aberto ao público). Ele mudou-se para lá em 1903. Enquanto isso, em 1902, ele escreveu um testamento que excluía a sua esposa do estado e deixava tudo para seu filho. A relação estava aparentemente quebrada novamente; é dito que ela queimou os pertences de sua mãe.
De 1903 até o fim de sua vida, ele pintou em seu estúdio, trabalhando por um mês em 1904 com Émile Bernard, quem permaneceu em sua casa como um convidado. Após a sua morte, o local se tornou um monumento, o Ateliê Paul Cézanne.
  
Les joueurs de cartes, 1892-1895 - Courtauld Institute of Art, Londres
  
Legado
Após a morte de Cézanne em 1906, as suas pinturas foram exibidas em Paris em uma retrospectiva de grande porte, em setembro de 1907, no Salon D’Automne. A mostra causou um grande impacto na direção da vanguarda parisiense, tornando-o um dos artistas mais influentes do século XIX e o responsável pelo advento do cubismo.
As explorações de simplificação geométrica e dos fenómenos óticos inspiraram Picasso, Braque, Gris e outros, que passaram a experimentar múltiplas visões, mais complexas, de um mesmo objeto chegando, finalmente, à fratura da forma. Cézanne, assim, abriu uma das mais revolucionárias possibilidades de exploração artística no século XX, influenciando profundamente o desenvolvimento da arte moderna.
  
Natureza morta com maçãs e laranjas, 1895-1900 - Museu d'Orsay
   
in Wikipédia