quinta-feira, dezembro 31, 2020

Simon Wiesenthal, o caçador dos criminosos nazis, nasceu há 112 anos

  
Simon Wiesenthal (Buczacz, 31 de dezembro de 1908 - Viena, 20 de setembro de 2005) foi um sobrevivente de campos de concentração nazis da Segunda Guerra Mundial. Após passar cerca de quatro anos de sua vida nos campos de Janowska, Plaszow e Mauthausen, durante a Segunda Guerra Mundial, dedicou sua vida a localizar, identificar e levar à justiça criminosos nazis.
Wiesenthal morreu durante o sono, aos 96 anos, em Viena, em 20 de setembro de 2005, e foi sepultado na cidade de Herzliya, em Israel, a 23 de setembro. Deixou uma filha, Paulinka Kriesberg, e três netos. O Centro Simon Wiesenthal, localizado em Los Angeles, foi assim nomeado em sua honra.
 
Vida
Wiesenthal nasceu em 1908, em Buczacz, cidade pertencente à Galícia, no Império Austro-Húngaro (hoje na Ucrânia). Formou-se em Arquitetura na Universidade de Praga em 1932. Em 1936 casou com Cyla Müller. Fixa residência em Lvov, cidade da Polónia que viria a ser ocupada pela União Soviética (e atualmente pertence à Ucrânia).
Quando a Alemanha nazi invadiu a União Soviética, em junho de 1941, Wiesenthal e a sua família foram detidos. Passou quatro anos e meio em vários campos de concentração, como o de Mauthausen, onde foi libertado pelas tropas americanas em maio de 1945. Reencontra a sua esposa, com a qual teve uma filha em 1946, passando a viver em Linz, na Áustria.
Criador de um centro de documentação sobre as vítimas do Holocausto em 1947, Wiesenthal foi responsável pela prisão de mais de 1.100 criminosos. Nas suas memórias, Justiça, não Vingança (1989), afirmou que “os nazis não escaparão sem punição pelo assassinato de milhões de seres humanos”. Wiesenthal investigou o paradeiro de Adolf Eichmann, alto oficial nazi que organizava o transporte de judeus para os campos de extermínio na Europa. Encontrado por ele, Eichmann foi capturado na Argentina pela Mossad (serviço secreto israelita) e levado para ser julgado em Israel, sendo condenado à morte, no ano de 1962.
Depois de seis décadas de trabalho anunciou a sua retirada em 2003. Em 19 de fevereiro de 2004 foi feito cavaleiro (KBE) pela rainha Isabel II da Inglaterra, em função dos seus contributos para a humanidade. Foi nomeado quatro vezes para o Prémio Nobel da Paz, mas nunca se consagrou como vencedor.


Sem comentários: