sexta-feira, junho 15, 2007

À minha mãe...!

Hoje faço anos. Nada de especial, é uma coisa que faço todos os anos, por esta altura. É certo que este ano o número é daqueles que assusta - entro nos ...entas...! Significa que, provavelmente, metade da minha vida, a parte melhor e mais interessante, já passou. Agora é altura de olhar para os outros, para o meu filho, para aqueles que amo e de que gosto e fazer com que, assim, a minha vida tenha algum sentido. Até que foi um bom dia - muito trabalho (o raio dos testes para corrigir...), um bolito de aniversário (que a minha Lai fez), o Parabéns! cantado pelo herdeiro, um livro (do Stephen J. Gould...!) de prenda e mesmo uma pequena referência pessoal num jornal regional (não por causa da data - pura coincidência - mas por causa do nosso trabalho em prol da Geologia...).

Assim, com forma de agradecimento a todos mas, desta vez, em particular à minha mãe (que foi quem teve as dores para eu estar aqui...) aqui fica uma pequena poesia pessoal (sim, que os geólogos também escrevem e recordem-se que este é mês dos Poetas...):

Nando

Aqui estou, mundo desconhecido.

Grito, a todos os pulmões, a minha presença.

Sei que sou fruto do Amor de meus Pais,

que estou aqui para algum fim.


Mas tudo é estranho e desconhecido.

Frio.

Seco.

Talvez me habitue.

Talvez se habituem a mim...


Obrigado.

5 comentários:

Ana Ave disse...

Parabéns Fernando! Nada disseste...porque se o tivesses feito também ouvias os "parabéns" lá na escola!!!!

Ricardo Pimentel disse...

Parabéns... companheiro do martelo!

Um abraço e felicidades!

Fernando Oliveira Martins disse...

Obrigado a todos... É nestas alturas que se vê quem é amigo...!

Goreti Martins disse...

Finalmente percebemos! A Geologia para descobrir o “mundo desconhecido”; os “gritos” para te dares a conhecer… Nós já estamos tão habituados, que mesmo de longe, não sabemos viver sem ti. E só te desejo que não te habitues, para continuares a procurar o desconhecido. Um beijo grande da mana (que já não tira a tamanca e te deixa pôr o anjo) Rhé

jonas disse...

Aqui vai o meu beijo grande para ti, meu mano dos calhaus e da lua. Os "entas" são tão bons como os outros todos. E que é lá isso do "frio" e do "seco"? O mundo é o que tu pensares e fizeres dele. Para quem tira beleza das pedras, o resto vem por acréscimo.
Beijo grande
Jão