sábado, fevereiro 26, 2022

Um incêndio destruiu o Reichstag (e a democracia...) na Alemanha há 89 anos

  
A 27 de fevereiro de 1933, no Reichstag, em Berlim, foi ateado um fogo e, como resultado, foi visto como o acontecimento crucial para o estabelecimento da Alemanha nazi. Às 21.25 horas locais (UTC+1), um posto de bombeiros da cidade recebeu uma chamada, pois o alarme do Palácio do Reichstag, o local do parlamento alemão, estava em chamas. O incêndio começou na câmara de sessão, e quando a polícia e os bombeiros haviam chegado, a Câmara dos Deputados já tinha sido engolida pelas chamas. No interior do edifício, uma minuciosa pesquisa conduzida pela polícia resultou na culpa de Marinus van der Lubbe. Van der Lubbe foi um comunista holandês, pedreiro desempregado que tinha chegado recentemente na Alemanha, ostensivamente para realizar as suas atividades políticas. O incêndio foi utilizado pelos nazis como prova de que os comunistas estavam começando uma "conspiração" contra o governo alemão. Van der Lubbe e quatro líderes comunistas seriam presos posteriormente. Adolf Hitler, que foi empossado como chanceler da Alemanha quatro semanas antes, em 30 de janeiro, incitou o Presidente Paul von Hindenburg a apoiar um decreto de emergência, a fim de contrariar o "impiedoso confronto do Partido Comunista da Alemanha.
Entretanto, o inquérito do incêndio do Reichstag continuou, com os nazis ansiosos para descobrir a cumplicidade do Comintern no facto. No início de março de 1933, foram presos três búlgaros que estavam desempenhando funções cruciais durante a triagem de Leipzig, também conhecida como o "Inquérito do Incêndio do Reichstag": Georgi Dimitrov, Vasil Tanev e Blagoi Popov. Os búlgaros eram conhecidos da polícia da Prússia como ativistas máximos do Comintern, mas ela não tinha ideia do nível de liderança de cada um: Dimitrov era chefe de operações em todos os Comintern da Europa Ocidental.
Historiadores divergem quanto a saber se Van der Lubbe agiu sozinho ou se os nazis estavam envolvidos. A responsabilidade pelo incêndio do Reichstag permanece ainda em controvérsia e a merecer mais investigação.
  
  
  
  
Marinus van der Lubbe (Oegstgeest, 13 de janeiro de 1909 - Leipzig, 10 de janeiro de 1934) foi um ativista antifascista com ligações ao anarquismo e ao comunismo dito de conselhos, nascido nos Países Baixos. Foi acusado de atear diversos incêndios em Berlim, entre os quais incêndio do Reichstag, o parlamento alemão, em 27 de fevereiro de 1933, ato pelo qual foi, de forma controversa, executado. Foi perdoado postumamente pelo governo alemão, em 2008.
  
(...)
  
Condenado à morte, Van Lubbe é executado por decapitação na guilhotina em 10 de janeiro de 1934, precisamente três dias antes de fazer 34 anos. Segundo a pesquisa histórica contemporânea a sua culpabilidade no incêndio do Reichstag é plausível, mas não está completamente assegurada.
  

Sem comentários: