quarta-feira, fevereiro 18, 2015

Plutão foi descoberto há 85 anos

Plutão Símbolo astronômico de Plutão.
Planeta anão
Pluto animiert.gif
Mapa de Plutão gerado por computador a partir de imagens do Telescópio Espacial Hubble.
Características orbitais
Semieixo maior 5 906 376 272 km
39,48168677 UA
Perélio 4 436 824 613 km
29,658340679 UA
Afélio 7 375 927 931 km
49,30503287 UA
Excentricidade 0,24880766
Período orbital 90 613,305 d (248,09 a)
Período sinódico 366,73 d (1 a)
Velocidade orbital média 4,666 km/s
Inclinação Eclíptica: 17,14175°
Equador solar: 11,88 °
Argumento do periastro 113,76329°
Longitude do nó ascendente 110,30347°
Número de Satélites 5
Características físicas
Diâmetro equatorial 2 306 ± 20 km
Área da superfície 1,665 × 1075 km²
Volume 6,39 × 109 km³
Massa (1,305 ± 0,007) × 1022 kg
Densidade média 2,03 ± 0,06 g/cm³
Gravidade equatorial 0,658 m/s²
0,067 g
Dia sideral −6,387230 d
6 d 9 h 17 m 36 s
Velocidade de escape 1,229 km/s
Inclinação axial 119,591 ± 0,014° (em relação à órbita)
Albedo 0,49 a–0,66 (varia em 35%)
Temperatura média: -229 ºC
-240 ºC min
-218 ºC max
Magnitude aparente 13,65 a 16,3 (média 15,1)
Magnitude absoluta -0,7
Composição da atmosfera
Pressão atmosférica 0,30 Pa
Composição Azoto, metano

Plutão, formalmente designado 134340 Plutão, é um planeta anão do Sistema Solar e o décimo objeto mais massivo observado diretamente orbitando o Sol. Originalmente classificado como um planeta, Plutão é atualmente o maior membro do cinturão de Kuiper.
Como outros membros do cinturão de Kuiper, Plutão é composto primariamente de rocha e gelo e é relativamente pequeno, com aproximadamente um quinto da massa da Lua e um terço de seu volume. Ele tem uma órbita altamente inclinada e excêntrica que o leva de 30 a 49 UA do Sol. Isso faz Plutão ficar periodicamente mais perto do Sol do que Neptuno. Atualmente Plutão está a 32,32 UA do Sol.
Até 2006, Plutão foi considerado o nono planeta do Sistema Solar. No final da década de 1970, com a descoberta de 2060 Chiron e o reconhecimento da sua pequena massa, sua classificação como um planeta começou a ser questionada. No início do século XXI, vários outros objetos similares a Plutão foram descobertos no Sistema Solar externo, incluindo Éris, que é 27% mais massivo do que ele. Em 24 de agosto de 2006, a União Astronômica Internacional (UAI) criou uma definição de planeta formal, que fez Plutão deixar de ser planeta e ganhar a nova classificação de planeta anão, juntamente com Éris e Ceres. Depois da reclassificação, Plutão foi adicionado à lista de corpos menores do Sistema Solar e recebeu a identificação 134340. Porém, há cientistas que afirmam que Plutão não deveria ser considerado planeta anão, mas voltar a ser classificado como planeta.
Plutão e sua maior lua, Caronte, são às vezes considerados um planeta binário porque o baricentro de suas órbitas não se encontra em nenhum dos corpos, e sim no espaço livre entre eles. É possível que a UAI ainda faça uma definição de planeta binário, que provavelmente classificará Plutão e Caronte como um planeta anão binário. Plutão também tem quatro outras luas menores, Nix e Hidra, descobertas em 2005, Cérbero, descoberta em julho de 2011, e Estige, descoberta em julho de 2012.
 
Descoberta
Em 1840, usando mecânica newtoniana, Urbain Le Verrier previu a posição de Netuno, que na época não tinha sido descoberto ainda, com base em perturbações na órbita de Urano. Observações subsequentes de Neptuno no final do século XIX fizeram astrónomos especularem que a órbita de Urano estava sendo perturbada por outro planeta. Em 1906, Percival Lowell, fundador do Observatório Lowell, iniciou um grande projeto de procurar um possível nono planeta, que ele chamou de Planeta X. Em 1909, Lowell e William H. Pickering sugeriram várias possíveis coordenadas celestiais para esse planeta. Lowell continuou observando o céu à procura do Planeta X até sua morte em 1916, mas não achou nada. Apesar disso, ele fotografou Plutão duas vezes, mas não o reconheceu.
Depois da morte de Lowell, a busca pelo Planeta X ficou parada até 1929, quando Vesto Melvin Slipher deu a tarefa de achar o Planeta X a Clyde Tombaugh, que tinha acabado de chegar ao Observatório Lowell. A tarefa de Tombaugh foi fotografar o céu noturno e depois de duas semanas tirar outra foto, e então examinar os pares de fotos para ver se houve movimento de algum objeto. Em 18 de fevereiro de 1930, depois de cerca de um ano de observações, Tombaugh descobriu um possível objeto em movimento, em fotografias tiradas em 23 de janeiro e em 29 de janeiro daquele ano. Uma imagem de menor qualidade, tirada em 21 de janeiro, ajudou a confirmar o movimento. Depois de observações feitas para confirmar o movimento, notícias da descoberta foram telegrafadas para o Harvard College Observatory a 13 de março de 1930.
 
(...)
 
Depois de uma intensa batalha política, foi concedido financiamento para uma outra missão para explorar Plutão, chamada de New Horizons. A sonda New Horizons foi lançada com sucesso a 19 de janeiro de 2006. O líder da missão, Alan Stern, confirmou que algumas das cinzas de Clyde Tombaugh, que morreu em 1997, foram colocadas a bordo dela.
No início de 2007, a sonda usou gravidade assistida de Júpiter. A sua maior aproximação a Plutão vai ocorrer em 14 de julho de 2015. Observações científicas vão começar cinco meses da aproximação máxima, e vão continuar por, pelo menos, um mês depois dela. 
 
Sistema de Plutão, em comparação com a Lua da Terra
Nome Ano de
descoberta
Diâmetro
(km)
Massa
(kg)
Raio orbital
(km)
Período orbital
(dias)
Plutão 1930 2 390
(70% Lua)
13 050 ×1018
(18% Lua)
2 040
(0,6% Lua)
6,3872
(25% Lua)
Caronte 1978 1 205
(35% Lua)
1 520 ×1018
(2% Lua)
17 530
(5% Lua)
Estige 2012 10-25
~42,000 +/- 2,000
Nix 2005 88 1 ×1018 48 708 24,9
Cérbero 2011 13-34
59 000
Hidra 2005 72 0,391 ×1018 64 749 38
 

Enviar um comentário