domingo, outubro 01, 2006

Acesso ao Ensino Superior e Geologia


Numa rápida apreciação das candidaturas ao Ensino Superior na área das Geociências, pude constatar o seguinte:

1. Há hoje apenas três (3) cursos de Licenciatura em Geologia (nas Universidades de Lisboa, Porto e Coimbra). Tiveram, pela mesma ordem, direito a 100 (+1), 20 (+5) e 10 (+1) vagas em 2006. Destas sobraram (por alunos não se terem matriculado ou por criação de novas vagas - indicada nos parenteses anteriores) 59 vagas - matricularam-se em cursos de Geologia 78 caloiros... Só em Coimbra as vagas foram todas ocupadas, o que é uma situação preocupante (não para Coimbra, sim para a Geologia...). A média de acesso ficou-se pelos 12,4 (UC), 11,9 (UP) e 10,5 (UL).

2. Nas áreas próximas (Engenharia Geológica, de Minas e afins) havia nove (9) cursos, com 178 vagas (e mais 7 vagas criadas após a 1ª fase). Entraram 42 candidatos, matricularam-se 41 e estão disponíveis para 2ª fase 143 vagas... A média variou entre 13,55 (Minas no I. S. Técnico) e um valor não divulgado, do único candidato ao curso de Engenharia Geotécnica e Geoambiente, do Instituto Politécnico do Porto.

3. Na área das Licenciaturas em Ensino de Biologia e Geologia (que, para biólogos e geólogos, não são carne nem são peixe...) havia quatro (4) cursos (Aveiro, Minho, Porto e UTAD) com 100 vagas. Entraram 93 e, destes, matricularam-se, efectivamente, 80 alunos nestes cursos, ficando a sobrar, para a 2ª fase, 28 vagas (houve, portanto, mais 8 vagas novas para a 2ª fase). A média variou entre 13,6 (UP) e 11,48 (UM).

4. Gostariamos de ouvir opiniões antes de tirar mais conclusões, que esta história deve ter uma moral final (como as estórias que conto ao meu filho...).

Para acederem a documento MS Excel, com todos os dados do acesso e estudo do caso particular das Ciências Geológicas, clicar no seguinte:
LINK

2 comentários:

Augite disse...

Eu não quero ser chata. Aliás até fico triste por cada vez menos haver pessoas interessadas em geologia, quando agora ela está mais presente nos currículos do secundário do que no meu tempo, em que a geologia não constava nos currículos e apenas havia a alternativa no 12º que a maioria das escolas não tinha. Nessa altura, também muitos dos que entravam, pelo menos em Lisboa, tinham colocado como opção 1ª o curso de Biologia, ou outro curso de ciências, e alguns, como foi o meu caso, acabaram por se apaixonar pela Geologia. Quando vejo os números penso… ok há menos, mas também… o desemprego na área de geologia é tão vasto (e digo em Portugal, porque oportunidades lá fora não faltam, e muitos, do que vejo, querem é ficar na cidade em que nasceram/estudaram sem considerar a hipótese de ir para fora delas)… mas tudo isto para chegar ao pensamento que me ocorre, não será melhor serem poucos, mas, futuramente, empregados na área das Geociências? Quantos nós não temos ex-colegas, que ainda estão desempregados, ou que estão a trabalhar em áreas que de geologia não tem nada? (apenas uma maneira diferente de ver a questão)

Fernando Oliveira Martins disse...

Cara Augite:
É bom encontar comentários de um mineral tão bonito no meu Blog... O artigo está incompleto - leia-o mais tarde.

Vou acrescentar o seu blog aos favoritos do Geopedrados - já agora, é geóloga açoriana, com o curso tirado em Lx? E dá aulas na Terceira?