domingo, dezembro 02, 2018

A Doutrina Monroe foi enunciada há 195 anos

Retrato de James Monroe, óleo sobre tela de John Vanderlyn
     
A chamada Doutrina Monroe foi anunciada pelo Presidente dos Estados Unidos James Monroe (presidente de 1817 a 1825) na sua mensagem ao Congresso, a 2 de dezembro de 1823.
Julgarmos propícia esta ocasião para afirmar, como um princípio que afeta os direitos e interesses dos Estados Unidos, que os continentes americanos, em virtude da condição livre e independente que adquiriram e conservam, não podem mais ser considerados, no futuro, como suscetíveis de colonização por nenhuma potência europeia […]
Mensagem do Presidente James Monroe ao Congresso
A frase que resume a doutrina é: "A América para os americanos". O seu pensamento consistia em três pontos:
  • a não criação de novas colónias nas Américas;
  • a não intervenção nos assuntos internos dos países americanos;
  • a não intervenção dos Estados Unidos em conflitos relacionados aos países europeus como guerras entre estes países e as suas colónias.
A Doutrina reafirmava a posição dos Estados Unidos contra o colonialismo europeu, inspirando-se na política isolacionista de George Washington, segundo a qual "a Europa tinha um conjunto de interesses elementares sem relação com os nossos ou senão muito remotamente" (discurso de despedida do Presidente George Washington, a 17 de setembro de 1796), e desenvolvia o pensamento de Thomas Jefferson, segundo o qual "a América tem um Hemisfério para si mesma", o qual tanto poderia significar o continente americano como o seu próprio país.
À época, a Doutrina Monroe representava uma séria advertência não só à Santa Aliança, como também à própria Grã-Bretanha, embora o seu efeito imediato, quanto à defesa dos novos Estados americanos, fosse puramente moral, dado que os interesses económicos e a capacidade política e militar dos Estados Unidos não ultrapassavam a região do Caribe. De qualquer forma, a formulação da Doutrina ajudou a Grã-Bretanha a frustrar os planos europeus de recolonização da América e permitiu que os Estados Unidos continuassem a dilatar as suas fronteiras na direção do Oeste, dizimando as tribos indígenas que lá habitavam. Essa expansão no continente americano teve como pressuposto o apelidado Destino Manifesto, e marcou o início da política expansionista do país no continente.
  

NOTA: o terceiro ponto mencionado da doutrina deixou rapidamente de ter sentido - na realidade, os Estados Unidos começaram a intervir diretamente, após essa declaração, em vários conflitos entre nações europeias e as suas colónias, assim como na Primeira e Segunda Guerras Mundiais.

Enviar um comentário