segunda-feira, julho 02, 2018

Íngrid Betancourt foi libertada do sequestro das FARC há dez anos

Íngrid Betancourt Pulecio (Bogotá, 25 de dezembro de 1961) é uma senadora e activista anticorrupção franco-colombiana. Foi sequestrada pelo grupo guerrilheiro FARC em 23 de fevereiro de 2002, enquanto fazia campanha para as eleições presidenciais. Betancourt permaneceu cativa até o dia 2 de julho de 2008, quando o ministro da Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, anunciou a sua libertação juntamente com outros catorze reféns.
Biografia
Filha de um ex-senador e ex-embaixador colombiano, Gabriel Betancourt, com uma ex-miss Colômbia, Yolanda Pulecio, viveu boa parte da sua juventude em Paris, onde o pai servia como embaixador da Colômbia junto da UNESCO. Estudou Ciências Políticas no Instituto de Estudos Políticos de Paris. O seu ambiente familiar propiciou-lhe o convívio com o poeta Pablo Neruda, o escritor Gabriel García Márquez e o pintor Fernando Botero. Teve dois filhos do seu primeiro casamento na França.
Após o assassinato de Luis Carlos Galán, (ex-candidato a presidência de uma plataforma política anti-drogas) Íngrid decidiu retornar à Colômbia (1989). Em 1990 ela trabalhou no Ministério das Finanças da Colômbia, que posteriormente abandonou, para entrar na política. Na sua primeira campanha, Íngrid distribuiu preservativos, que representavam, como ela mesmo dizia: "um preservativo contra a corrupção". Combatia o tráfico de drogas e militava na causa ambiental.
Íngrid concorrera ao cargo de senadora na eleição de 1998 - a quantidade de votos que recebera fora a maior entre todos os candidatos ao senado daquela eleição. Durante o seu mandato recebeu ameaças de morte por uma organização militar desconhecida, forçando-a a enviar seus filhos para a Nova Zelândia.
Na eleição presidencial seguinte, Íngrid concedeu apoio a Andrés Pastrana em troca de concessões de seu interesse. Porém, após a sua eleição, ela reivindicou o não cumprimento das promessas feitas a ela por Andrés.
Após a eleição de 1998 Íngrid escrevera um livro, que não fora publicado na Colômbia, pois continha revelações polémicas, além de críticas e acusações contra o antigo presidente Samper e outros, por isso foi publicado inicialmente na França com o título: "La Rage au Coeur" (Raiva no coração).
Sequestrada em 2002, permaneceu em poder das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) até 2 de julho de 2008, quando foi resgatada numa operação do exército colombiano.
 
Resgate
Em 2 de julho de 2008, às 15.16 horas (hora da Colômbia), o ministro da Defesa do país, Juan Manuel Santos, anunciou a libertação no sul do país, pelo exército colombiano, de quinze reféns, entre os quais Íngrid Betancourt, três cidadãos dos Estados Unidos e onze agentes policiais e militares colombianos, alguns dos quais eram reféns das FARC há mais de dez anos. Íngrid Betancourt estava sequestrada havia 2323 dias. Este resgate ocorreu através da infiltração do exército no comando das FARC que tinha os reféns em seu poder, conseguindo convencer os sequestradores a reunir num só grupo os reféns. O resgate foi feito por helicóptero, sob o pretexto de levar os reféns para uma inspecção humanitária.
A operação foi a conclusão de uma vasta preparação de infiltração no mais alto nível das FARC. Os reféns só souberam que estavam a caminho da liberdade no helicóptero, pois toda a operação decorreu sem um único tiro e sem qualquer violência.
  

Enviar um comentário