quarta-feira, julho 04, 2018

Henrietta Swan Leavitt, a astrónoma que descobriu como medir o Universo, nasceu há 150 anos

Henrietta Swan Leavitt (Lancaster, Massachusetts, 4 de julho de 1868 - Cambridge, Massachusetts, 12 de dezembro de 1921) foi uma astrónoma dos Estados Unidos da América famosa pelo seu trabalho sobre as estrelas variáveis.
Leavitt efetuou os seus estudos no Oberlin College e na Society for Collegiate Instruction of Women (Radcliffe College) onde descobriu, tardiamente, a Astronomia. No final dos seus estudos, em 1892, seguiu outros cursos de Astronomia.
Em 1895 entrou no Harvard College Observatory como voluntária. As suas qualidades e a sua vivacidade de espírito permitiram-lhe ser admitida no quadro permanente de funcionários do observatório sob a direção de Charles Pickering.
Leavitt teve poucas possibilidades de efetuar trabalhos teóricos, mas foi rapidamente nomeada para a chefia do departamento de fotometria fotográfica, responsável pelo estudo das fotografias de estrelas a fim de determinar as suas magnitudes, processo que envolvia a comparação do tamanho de uma estrela em duas chapas fotográficas tiradas em momentos diferentes.
Ela descobriu e catalogou 1.777 estrelas variáveis situadas nas Nuvens de Magalhães. Em 1912, a partir do seu catálogo, descobriu que a luminosidade das variáveis cefeidas era proporcional ao seu período de variação de luminosidade. Essa relação período-luminosidade é a base de um método de estimação das distâncias de nebulosas e de galáxias no Universo.
Os resultados de Leavitt foram usados por cientistas como Ejnar Hertzsprung, Harlow Shapley e Edwin Hubble e contribuíram significantemente para o desenvolvimento da Astrofísica e da Cosmologia.
No final da sua vida, por causa da doença, já não conseguia já trabalhar, vindo a morrer de cancro em 12 de dezembro de 1921, sendo enterrada no túmulo da família, no Cemitério de Cambridge.
  

Enviar um comentário