sexta-feira, junho 29, 2018

Rosa Mota faz hoje sessenta anos

Rosa Maria Correia dos Santos Mota (Porto, 29 de junho de 1958) é uma ex-atleta portuguesa campeã olímpica, europeia e mundial da maratona. Tornou-se conhecida principalmente pelas suas prestações nesta prova, sendo considerada pela AIMS (Associação Internacional de Maratonas e Provas de Estrada) a melhor maratonista de todos os tempos. Foi distinguida com a Medalha Olímpica Nobre Guedes em 1981.

Rosa Mota começou a correr quando ainda frequentava o liceu. Começou com o Futebol Clube da Foz em 1974 onde esteve até 1977. Em 1978 vai para o Futebol Clube do Porto onde fica até 1980, onde teve um problema de saúde relativo à asma.
A partir de 1981 começou a competir pelo Clube de Atletismo do Porto conhecido por CAP, onde esteve até ao final da sua carreira atlética.
Em 1977 conheceu o médico José Pedrosa, que viria a ser o seu treinador e marido. Foi responsável pela sua recuperação referente à asma e a partir de 1983 assumiu inteiramente a sua preparação até o final da sua carreira; antes a atleta era treinada por Pompílio Ferreira. A primeira maratona feminina que existiu, decorreu em Atenas na Grécia durante o Campeonato Europeu de Atletismo em 1982, foi também a primeira maratona em que Rosa Mota participou; embora não fizesse parte do lote das favoritas, Rosa bateu facilmente Ingrid Kristiansen e ganhou assim a sua primeira maratona.
O sucesso passou a ser uma das imagens de marca de Rosa Mota que invariavelmente, termina bem classificada em todas as maratonas de prestígio. Na primeira maratona olímpica que decorreu em Los Angeles em 1984, ganhou a medalha de bronze. O seu recorde pessoal da distância foi conseguido em 1985 na maratona de Chicago com o tempo de 2 horas, 23 minutos e 29 segundos.
Em 1986 foi campeã da Europa pela segunda vez, em Stuttgart, e em 1987 campeã mundial em Roma. Em 1988 ganhou o ouro olímpico em Seul, quando aos 38 quilómetros de prova, a atleta conseguiu distanciar-se das suas adversárias Katrin Dörre e Lisa Martin, ganhando com treze segundos de avanço desta última.
Em 1990 voltou a Boston para ganhar esta corrida pela terceira vez, vencendo desta vez Uta Pippig. Depois disso, Rosa foi a Split, defender o seu título de Campeã Europeia da Maratona. Atacando desde o início, Rosa Mota chegou a ter um avanço de um minuto e meio sobre Valentina Yegorova que, no entanto, aos 35 quilômetros conseguiu apanhá-la; as duas lutaram arduamente pela vitória que, no final, sorriu a Rosa Mota com apenas cinco segundos de vantagem. Até 2005, a conquista da maratona por três vezes em campeonatos europeus de atletismo, tanto feminino como masculino, é exclusivo de Rosa Mota.
Apesar de todo este sucesso, Rosa Mota sofria de ciática, o que não a impediu de continuar a colecionar triunfos, como fez em 1991, na Maratona de Londres; ainda nesse ano, disputando o Campeonato Mundial de Atletismo em Tóquio, Rosa viu-se obrigada a abandonar a corrida e finalmente retirou-se das competições quando não conseguiu terminar a Maratona de Londres no ano seguinte.
Rosa Mota continua ligada ao atletismo, sendo muito requisitada a apadrinhar diversas corridas, caminhadas, meias maratonas e maratonas, tanto em Portugal, quanto em outros países, com iniciativas solidárias e isentivo à prática do desporto. Em 2004, a maratonista promoveu a maior corrida feminina em Portugal, com um pelotão de cerca de dez mil mulheres ajudando a arrecadar fundos para combater o câncer da mama. "Isso é mais que uma corrida, isso é uma caminhada para ajudar a combater o cancro da mama" disse a maratonista. A corrida acontece anualmente em Lisboa, da qual Rosa Mota é madrinha.
Rosa Mota disputou 21 maratonas entre 1982 e 1992, numa média de duas maratonas por ano. Ganhou 14 dessas 21 corridas.
Considerada uma Embaixatriz do Desporto, ganhou o Prémio Abebe Bikila pela sua contribuição no desenvolvimento do treino das corridas de longa-distância. Este prémio foi-lhe atribuído no final da Corrida Internacional da Amizade, patrocinada pelas Nações Unidas e entregue antes da maratona de Nova Iorque.
A nossa Rosinha, como é carinhosamente apelidada por muitos portugueses, é uma das personalidades mais populares do desporto em Portugal no século XX, juntamente com Eusébio, Carlos Lopes e Luís Figo.
Em 2004, Rosa Mota transportou a chama olímpica pelas ruas de Atenas antes das Olimpíadas de 2004.
Em 2016, a ex-atleta volta a transportar a chama olímpica, entre as cidades de Maratona e Atenas, antes dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.
No Brasil, Rosa Mota também tem grande popularidade, já que é a maior vencedora feminina de todos os tempos da mais famosa corrida de rua do país, a Corrida de São Silvestre, disputada nas ruas de São Paulo anualmente no último dia de cada ano. Rosa venceu a prova por seis vezes e de forma consecutiva, iniciando tal feito em 1981.
Rosa Mota é Vice-Presidente do Comité Olímpico de Portugal, cargo que desempenha desde 2013.

Enviar um comentário