segunda-feira, maio 21, 2018

O ditador Suharto deixou o poder há vinte anos

Hadji Mohamed Suharto, ou simplesmente Suharto (Kemusuk, Yogyakarta, 8 de junho de 1921 - Jacarta, 27 de janeiro de 2008) foi um político e militar indonésio.
Foi general e o segundo presidente da Indonésia entre 12 de março de 1967 e 21 de maio de 1998.
Suharto nasceu em 8 de junho de 1921 durante o Índias Orientais holandesas, numa casa de bambu trançado murado na aldeia de Kemusuk, uma parte da grande aldeia de Godean. A aldeia fica a 15 km a oeste de Yogyakarta, o coração cultural do javanesa. O seu pai, Kertosudiro tinha dois filhos do seu casamento anterior e era um oficial de irrigação da aldeia. A sua mãe Sukirah, uma mulher local, era parente distante do sultão Hamengkubuwono V por sua concubina em primeiro lugar.
Em 30 de setembro de 1965, Suharto orquestrou um golpe que foi acompanhado pelo massacre de comunistas e democratas indonésios e que resultou num genocídio que fez entre 500 mil e dois milhões de vítimas, perante a indiferença mundial e da população local iletrada, num episódio que ficou conhecido como o Massacre na Indonésia de 1965–66.
Durante as três décadas em que esteve à frente dos destinos da Indonésia, Suharto construiu um governo nacional forte e centralista, forçando a estabilidade no heterogéneo arquipélago indonésio através da supressão dos dissidentes políticos e dos separatismos regionais. As suas políticas levaram a um substancial crescimento económico do país, apesar de muitos dos ganhos no nível de vida tenham sido perdidos com a crise financeira asiática que começou em 1997 e acabou por precipitar a sua queda. Com a prosperidade económica, Suharto enriqueceu pessoalmente, tendo criado um pequeno círculo de privilegiados através da implementação de monopólios estatais, subsídios e outros esquemas menos lícitos.
  
Invasão de Timor-Leste
Em 1975, na sequência da retirada de Portugal do Timor Português, a Fretilin tomou momentaneamente o poder e Suharto ordenou às suas tropas que invadissem o país. Em causa estavam elevados interesses económicos, nomeadamente o petróleo do Mar de Timor. Estima-se que 200 mil timorenses tenham perecido, cerca de um terço da população total. Em 15 de julho de 1976 o antigo Timor Português tornou-se a 27.ª província indonésia, adoptando o nome de "Timor Timur". A situação só foi alterada em 1999, quando o seu sucessor, Baharuddin Jusuf Habibie, acordou a realização de um referendo que acabou com a proclamação da independência de Timor-Leste.

Morte 
Após um período de internamento que durou 23 dias, o ex-ditador indonésio morreu no hospital Petarmina em Jacarta depois de uma coma causada por falência múltipla dos órgãos. A rejeição a figura dele na cultura popular marcou a mídia internacional até o Século XXI, sendo que um livro de poemas criticando o regime foi um dos mais relevados na história mundial.

Enviar um comentário