quarta-feira, dezembro 20, 2017

Há dez anos o MASP em São Paulo teve um importante roubo

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (mais conhecido pelo acrónimo MASP) é uma das mais importantes instituições culturais brasileiras. Localiza-se, desde 7 de novembro de 1968, na Avenida Paulista, cidade de São Paulo, num edifício projetado pela arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi para ser a sua sede. Famoso pelo vão de mais de 70 metros que se estende sob quatro enormes pilares, concebido pelo engenheiro José Carlos de Figueiredo Ferraz, o edifício é considerado um importante exemplar da arquitetura brutalista brasileira e um dos mais populares ícones da capital paulista, sendo tombado pelas três esferas do poder executivo. O engenheiro responsável foi Isac Grobman.
Instituição particular sem fins lucrativos, o museu foi fundado em 1947, por iniciativa do paraibano Assis Chateaubriand. Ao longo de sua história, notabilizou-se por uma série de iniciativas importantes no campo da museologia e da formação artística, bem como por sua forte atuação didática. Foi também um dos primeiros espaços museológicos do continente a atuar com perfil de centro cultural, bem como o primeiro museu do país a acolher as tendências artísticas surgidas após a II Guerra Mundial.
O MASP possui a mais importante e abrangente coleção de arte ocidental da América Latina e de todo o hemisfério sul, em que se notabilizam sobretudo os consistentes conjuntos referentes às escolas italiana e francesa. Possui também extensa seção de arte brasileira e pequenos conjuntos de arte africana e asiática, artes decorativas, peças arqueológicas etc., com aproximadamente 8 mil peças. O museu também abriga uma das maiores bibliotecas especializadas em arte do Brasil.
  
(...)
  
Retrato de Suzanne Bloch - Pablo Picasso
 
Roubo de obras do acervo
No dia 20 de dezembro de 2007, por volta das cinco horas da manhã, três homens invadiram o museu, levando duas obras importantes do acervo: O Lavrador de Café, de Cândido Portinari, e Retrato de Suzanne Bloch, de Pablo Picasso. A ação durou cerca de três minutos.
As obras foram encontradas pela polícia paulista a 8 de janeiro de 2008, em Ferraz de Vasconcelos, na Região Metropolitana de São Paulo, sem terem sofrido danos. Dois homens foram presos na operação que resgatou as obras. Na época do roubo, as duas pinturas estavam estimadas em aproximadamente 55 milhões de reais.
No segundo semestre de 2008, o museu inaugurou o seu novo sistema de segurança. Avaliado em um milhão de reais, o sistema, que conta com 96 câmaras de segurança digitais e sete monitores de alta resolução, foi doado pela empresa coreana LG.
  

1 comentário:

v disse...

J’adore trop quel régal enfin un truc qui sort de l'ordinaire, bravo pour ce petit plaisir
tirage carte gratuit amour