segunda-feira, novembro 20, 2017

Hoje é um dia memorável para a Rainha Isabel II


Isabel conheceu o seu futuro marido, o príncipe Filipe da Grécia e Dinamarca, em 1934 e depois em 1937. Eles são primos em segundo grau através do rei Cristiano IX da Dinamarca e de terceiro grau através da rainha Vitória. Depois de mais um encontro, em julho de 1939, no Real Colégio Naval de Dartmouth, Isabel – então com apenas treze anos de idade – afirmou que havia se apaixonado por Filipe e eles começaram a trocar cartas. O seu noivado foi anunciado oficialmente a 9 de julho de 1947.
O casamento não ocorreu sem controvérsias: Filipe não tinha uma boa situação financeira, era estrangeiro (apesar de cidadão britânico que havia servido na Marinha Real durante a Segunda Guerra Mundial) e tinha irmãs casadas com nobres alemães com ligações nazis. Crawford escreveu que "Alguns dos conselheiros do rei não o achavam suficientemente bom para ela. Ele era um príncipe sem casa ou reino. Alguns dos jornais tocaram músicas longas e altas sobre as origens estrangeiras de Filipe". Algumas biografias posteriores da mãe de Isabel relatam que ela inicialmente era contra a união, até chamando Filipe de "O Huno". Entretanto, ela mais tarde contou ao biógrafo Tim Heald que o príncipe era "um cavalheiro inglês".
Antes do casamento, Filipe renunciou aos seus títulos gregos e dinamarqueses, converteu-se da ortodoxia grega para o anglicanismo e adotou o estilo de "Tenente Filipe Mountbatten", tomando o sobrenome da família britânica da sua mãe. Pouco antes do casamento, ele foi elevado a Duque de Edimburgo e recebeu o estilo de "Sua Alteza Real".
Isabel e Filipe casaram na Abadia de Westminster a 20 de novembro de 1947. Eles receberam 2500 presentes vindos de todo mundo. Já que o Reino Unido ainda não havia se recuperado totalmente das devastações da guerra, Isabel pediu que cupons de racionamento comprassem o material para seu vestido de noiva, que foi desenhado por Norman Hartnell. No pós-guerra, não era aceitável que os parentes alemães do duque, incluindo suas três irmãs ainda vivas, fossem convidados para o casamento. O seu tio Duque de Windsor, o antigo rei Eduardo VIII, também não foi convidado.

O Castelo de Windsor é uma residência real localizada na cidade de Windsor em Berkshire, Inglaterra, Reino Unido. A edificação é notável por sua longa associação com as famílias reais inglesa e britânica e também por sua arquitetura. O castelo original foi construído no século XI, após a conquista normanda da Inglaterra por Guilherme I. Ele é usado pelos monarcas desde o reinado de Henrique I e é o castelo há mais tempo habitado de toda a Europa. Seus luxuosos Apartamentos de Estado do início do século XIX são arquiteturalmente significantes, descritos pelo historiador Hugh Roberts como "uma sequência soberba e inigualável de quartos amplamente considerados como a expressão mais completa do posterior gosto jorgiano". O castelo também conta com a Capela de São Jorge do século XV, considerada por historiadores como "uma das realizações supremas da arquitetura perpendicular gótica inglesa". Mais de quinhentas pessoas vivem e trabalham no Castelo de Windsor.
(...)
Um grande incêndio ocorreu no Castelo de Windsor a 20 de novembro de 1992, durando quinze horas e causando enormes danos na Ala Superior. A Capela Privada no canto nordeste dos Apartamentos de Estado estava sendo renovada como parte do longo programa de reforma realizado no castelo, e acredita-se que uma das luminárias usadas nas obras incendiou pela madrugada uma das cortinas do altar. O fogo rapidamente se espalhou e destruiu nove dos principais aposentos de estado, danificando seriamente outros cem. Bombeiros deitaram água para conter as chamas enquanto os funcionários do castelo tentavam resgatar as preciosas obras de arte. Muitos dos aposentos próximos haviam sido esvaziados como parte das obras de renovação, ajudando na evacuação bem sucedida da grande maioria da coleção. O fogo espalhou-se pelos vazios do telhado e os esforços para conter a chama continuaram durante a noite, um enorme risco para os duzentos bombeiros envolvidos. Foi apenas durante o final da tarde que as chamas começaram a ser controladas, apesar do fogo ter continuado pela noite até ser oficialmente declarado extinto pela manhã do dia 21. Juntamente com os danos causados pelo fogo e fumaça, um dos efeitos involuntários foi o dano da água, que em muitos casos causou problemas de restauração mais complexos após o incêndio.
Surgiram duas grandes questões após o incêndio. A primeira foi um debate político sobre quem deveria pagar pelos reparos. Tradicionalmente, como propriedade d'A Coroa o Castelo de Windsor era mantido, e concertado se necessário, pelo governo britânico; além disso, ele não tinha seguro como outros edifícios de estado. Entretanto, a imprensa britânica defendeu após o incêndio que a própria rainha deveria pagar pelos reparos a partir de sua renda particular. Uma solução foi encontrada em que a restauração seria paga ao abrir o Palácio de Buckingham ao público em períodos específicos do ano e pela introdução de novas tarifas para acesso público às áreas de parque ao redor de Windsor. A segunda questão era como o castelo deveria ser reparado. Alguns sugeriam que os aposentos danificados deveriam ser restaurados para sua aparência original, porém outros eram a favor de concertá-los incorporando projetos modernos. A decisão foi seguir na maior parte a arquitetura anterior com algumas alterações que refletiam os gostos e custos modernos, porém novas questões surgiram sobre se a restauração deveria ser realizada com padrão "autêntico" ou "equivalente". Métodos modernos foram empregados em Windsor para reproduzir a aparência equivalente antes do incêndio, parcialmente devido ao custo. O programa de restauração foi completado apenas em 1997, com um custo total de 37 milhões de libras (50,2 milhões de libras em valores de 2009).

Enviar um comentário