sábado, julho 29, 2017

O primeiro acampamento escutista começou há 110 anos

 Pedra comemorativa do primeiro acampamento, colocada na ilha de Brownsea

De 29 de julho a 9 de agosto de 1907, vinte rapazes e Robert Baden-Powell participaram do primeiro acampamento escuteiro da história. O lugar era a ilha de Brownsea, na baía de Poole na costa sul da Inglaterra. Sir Percy Everett, um participante do acampamento, recorda-se deste evento “Durante o verão de 1907, o Chefe gradualmente foi completando seus planos para o acampamento. Ele teve bastante sorte de conseguir de um amigo, o Senhor Charles van Raalte, o empréstimo de uma parte da ilha de Brownsea. A ilha era ideal para a proposta. Ela tem aproximadamente duas milhas (3,22 km) de comprimento e uma milha (1,61 km) de largura, com muitos bosques e com dois lagos no centro e bastante do que nós chamávamos agora de “bom terreno escuteiro” e com um litoral no sudeste arenoso, onde o campo foi montado.
"Eu proponho", escreveu Robert Baden-Powell, "fazer uma acampamento com 18 meninos escolhidos para aprender "scouting" por uma semana nas férias de agosto... O acampamento, por gentil permissão de C. Van Raalte, será realizado na Ilha de Brownsea...".
Como qualquer chefe escuteiro depois dele, continuou sua carta destacando o adestramento que pretendia dar aos meninos e assegurando aos pais que "todo o alimento, cozinha, higiene, etc..., seria cuidadosamente observado". Incluiu uma lista de roupas e do material necessário para acampar. Pediu que cada menino viesse para o acampamento sabendo o uso de três nós simples - nó direito, de escota e de volta do fiel - e providenciassem esboços dos nós que pudessem não saber.
Em conclusão ele escreveu: "Se você deseja enviar seu filho para o acampamento nestas condições, por favor avise-me e enviarei detalhes de como treiná-los, etc.".
Poucos dias mais tarde - em 17 de junho de 1907 - ele enviou convites semelhantes para as Companhias das Brigadas de Meninos de Bournemouth - para escolher 6 de seus membros, e para as Brigadas dos Meninos de Poole - 3 de seus membros, para juntar-se a ele - meninos de escolas secundárias, meninos de quintas, filhos de famílias da classe operária.
Os convites para ir acampar com o famoso general Robert Stephenson Smyth Baden-Powell foram aceites com entusiasmo. Quem não gostaria de passar uma semana com o "Herói de Mafeking" - o apelido que Baden-Powell ganhou como defensor da sitiada Mafeking durante a guerra dos Boers, na viragem do século!
Ele convidou um de seus velhos companheiros de armas, o Major Keneth McLaren para que o acompanhasse como assistente.
O Chefe escolheu os rapazes, vinte no total, filhos de amigos de Eton, de escolas públicas, jovens pobres da zona leste de Londres e alguns alunos da escola secundária das vizinhanças de Bourenmouth, que foram recrutados pelo Sr. G. W. Green, de Poole, um homem que por anos trabalhou com escuteiros na sua cidade natal.
Os jovens foram divididos em quatro patrulhas: Corvos, Lobos, Maçaricos e Touros (assim estes foram os primeiros nomes usados por patrulhas escuteiras).
As patrulhas acampavam por sua conta, sob a direção de seus próprios monitores, com total responsabilidade pela sua honra de levar adiante os desejos do Chefe e com grande eficiência.
Mas as memórias mais vividas de todas eram os Fogos de Conselho, antes das orações e do apagar das luzes. Ao redor do fogo a noite o Chefe contava-nos algumas histórias assustadores, conduzia ele mesmo o canto Eengonyama e com o seu jeito inimitável atraia a atenção de todos.
Eu ainda posso vê-lo, como ele ficava diante da luz, alerta, cheio de alegria e de vida, um momento grave, outro alegre, respondendo todas as questões, imitando o chamado dos pássaros, mostrando como caçar um animal selvagem, contando uma história curta, dançando e cantando ao redor do fogo, mostrando uma moral, não apenas em palavras, mas usando histórias e convencendo a todos presentes, rapazes e adultos, que estavam prontos para segui-lo em qualquer direção”.

Enviar um comentário