quinta-feira, março 16, 2017

O segundo Imperador de Roma morreu há 1980 anos

Tibério Cláudio Nero César (em latim Tiberius Claudius Nero Cæsar; 16 de novembro de 42 a.C.16 de março de 37 d.C.), foi imperador romano 18 de setembro de 14 até à sua morte, a 16 de março de 37. Era filho de Tibério Cláudio Nero e Lívia Drusa. Foi o segundo imperador de Roma pertencente à dinastia júlio-claudiana, sucedendo ao padrasto Augusto. Foi durante o seu reinado que, na província romana da Palestina, Jesus foi crucificado.

(...)

O assassinato de Sejano e os julgamentos por traição prejudicaram a reputação de Tibério. Após a queda de Sejano, a retirada de Tibério foi completa; o Império continuar a funcionar através da inércia burocrática estabelecida por Augusto, em vez de ser dirigido pelo princeps. Tibério tornou-se completamente paranóico e passou cada vez mais tempo isolado após a morte do seu filho. Enquanto Tibério estava retirado, segundo Suetónio, os partos iniciaram uma breve invasão, e as tribos dácias e as tribos germânicas do rio Reno realizavam incursões em território romano.
Tibério não fez disposições para garantir uma sucessão pacífica. Após a morte de muitos dos Júlios, dos seus partidários e do seu próprio filho, os únicos candidatos sérios para o suceder eram o seu neto Tibério Gemelo e o filho de Germânico, Calígula. Apesar de tudo, Tibério continuou sem fazer nenhuma disposição sucessória e somente há notícias de uma tentativa no final da sua vida para nomear Calígula questor honorário.
Tibério faleceu em Miseno a 16 de março de 37 d.C. aos 77 anos. Segundo Tácito, a morte do imperador foi recebida com entusiasmo entre o povo romano, para somente silenciar-se repentinamente quando teve notícias da sua recuperação e voltar a regozijar-se quando Calígula e Macro o assassinaram.

A morte de Tibério, de Jean-Paul Laurens, 1864, no Museu dos Agostinhos, Tolosa, retrata o assassinato do imperador por ordens de Névio Sutório Macro

Enviar um comentário