segunda-feira, janeiro 30, 2017

FDR nasceu há 135 anos

Uma das raras fotos do presidente Roosevelt usando cadeira de rodas

Franklin Delano Roosevelt (Hyde Park, 30 de janeiro de 1882 - Warm Springs, 12 de abril de 1945), popularmente conhecido como FDR, foi um estadista e líder político americano que serviu como o 32º Presidente dos Estados Unidos de 1933 até à sua morte, em 1945. Membro do Partido Democrata, ele foi eleito para quatro mandatos presidenciais, sendo o presidente que ficou mais tempo no cargo, dominando seu partido desde 1932 e se tornou também uma figura central dos eventos históricos mundiais da metade do século XX, liderando os Estados Unidos durante a grande depressão económica e a Segunda Guerra Mundial. Ele encabeçou um programa de ajuda, recuperação e reforma económica-social, conhecido como New Deal, que expandiu a regulamentação, o tamanho e os poderes do governo federal, especialmente na economia. Como líder dos Democratas, ele fez o New Deal, que uniu os grandes sindicatos, as cidades industriais, americanos brancos, afro-americanos e fazendeiros sulistas brancos para apoiar suas iniciativas políticas. Esta coligação dominou a política americana na década de 1930 e 40, redefinindo o liberalismo americano e o movimento progressista do século XX nos Estados Unidos.
Roosevelt nasceu em 1882, membro de uma antiga e proeminente família de ascendência holandesa do Condado de Dutchess, em Nova Iorque. Ele teve uma educação privilegiada, formando-se na Groton School e na Universidade de Harvard em Massachusetts. Aos 23 anos de idade, em 1905, casou com Eleanor Roosevelt, de quem teve seis filhos. Entrou para a política em 1910, servindo no senado estadual de Nova Iorque e depois foi Secretário Assistente da Marinha, sob o presidente Woodrow Wilson. Em 1920, Roosevelt foi candidato à vice-presidência dos Estados Unidos com James M. Cox, mas foram derrotados nas eleições presidenciais para os republicanos Warren Harding e Calvin Coolidge, como presidente e vice, respectivamente. Roosevelt foi diagnosticado com poliomielite em 1921, impossibilitando-o de andar normalmente e colocando em risco o seu futuro na política, mas tentou tratar-se e fundou um centro de tratamento em Warm Springs, Geórgia. Roosevelt retornou à vida política quando tentou substituir Alfred E. Smith como governador de Nova Iorque, sendo eleito para este cargo em 1928. Como governador de 1929 até 1933, ele iniciou uma série de reformas para resolver os problemas do seu estado e combater a Grande Depressão que assolava todo o país naquele período.
Nas eleições presidenciais de 1932, em um período de grave recessão económica, Roosevelt venceu nas urnas o então presidente republicano Herbert Hoover. Com mais energias pelas suas melhoras da poliomielite, FDR usou o seu otimismo e ativismo para renovar o debilitado espírito nacional americano. Nos seus primeiros 100 dias no cargo de presidente, que começou em 4 de março de 1933, Roosevelt lançou uma grande e sem precedentes agenda legislativa e assinou várias ordens executivas para implementar seu plano de recuperação económica e desenvolvimento, conhecido como New Deal - um programa de ajuda governamental, de recuperação e crescimento económico, gerador de emprego e de reformas (através de regulamentações sobre Wall Street, bancos e transportes). Ele criou vários programas para apoiar os desempregados e agricultores, encorajou os sindicatos a crescer enquanto regulamentava os negócios empresariais e a grande finança. Assinou também a revogação da lei seca nos Estados Unidos em 1933, o que aumentou a sua popularidade. Assim conseguiu ser reeleito facilmente em 1936. A economia americana recuperou e cresceu exponencialmente entre 1933 e 1937, antes de voltar à recessão em 1937–38. Uma coligação conservadora bipartidária foi formada em 1937 e bloqueou quase todas as suas propostas para novas legislações liberais progressistas (uma das novas leis que passou foi a do salário mínimo). Quando a Segunda Guerra Mundial começou, os conservadores conseguiram encerrar no Congresso vários programas de alívio económico da administração Roosevelt. Contudo, eles mantiveram as regulamentações do governo sobre a economia. Entre os programas de FDR que sobreviveram ao longo do tempo estão a criação da Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos, leis trabalhistas (como o Wagner Act), o Federal Deposit Insurance Corporation e as legislações de Seguridade Social.
Em 1938, a sombra da Segunda Guerra Mundial pairava sobre o mundo. Com os japoneses lançando a sua invasão da China e a Alemanha Nazi ameaçando a estabilidade e segurança na Europa, Roosevelt decidiu dar grande apoio diplomático e financeiro à China e ao Reino Unido, embora mantivesse os Estados Unidos oficialmente neutros no começo das hostilidades. O seu objetivo era transformar a América no "Arsenal da Democracia", que iria fornecer enormes quantidades de suprimentos e equipamentos aos Aliados. Em março de 1941, Roosevelt, com apoio do Congresso, aprovou o programa Lend-Lease de ajuda para os britânicos e chineses, empurrando os americanos cada vez mais para a guerra. Então, um dia após o ataque japonês contra Pearl Harbor, em 7 de dezembro de 1941, Roosevelt exortou o Congresso dos Estados Unidos a declarar guerra contra o Japão. No seu famoso discurso, ele afirmou que o ataque japonês no Havai foi "não provocado" e disse que o dia 7 de dezembro seria "um dia que viveria na infâmia". Os congressistas americanos, quase que em uníssono, apoiaram o presidente e declararam estado de guerra formal entre os Estados Unidos e o Japão. Quando Adolf Hitler, o ditador alemão, declarou também o começo das hostilidades entre os dois países, Roosvelt recebeu novamente apoio do Congresso e do povo para fazer guerra contra as Potências do Eixo. Ele trabalhou de perto com o primeiro-ministro britânico Winston Churchill, o líder soviético Joseph Stalin e o generalíssimo chinês Chiang Kai-shek, para liderar os esforços dos Aliados para derrotar a Alemanha Nazi, a Itália Fascista e o Império do Japão durante a Segunda Guerra Mundial. Ele supervisionou a reconstrução e o rearmamento maciço das forças armadas dos Estados Unidos e da transformação da económica americana para apoiar o esforço de guerra. Num dos momentos baixos da sua presidência autorizou o aprisionamento de mais de 100.000 civis americanos de origem japonesa, algo que ele definiu como "um mal necessário". Como um líder militar ativo, Roosevelt implementou um plano de guerra em duas frentes, derrotando as forças do Eixo na Europa e na Ásia, e supervisionou o chamado Projeto Manhattan, que desenvolveu a primeira bomba nuclear da história. O seu trabalho como diplomata também influenciou a criação da Organização das Nações Unidas e os Acordos de Bretton Woods. Durante a guerra, o desemprego nos Estados Unidos caiu para menos de 2%, os programas de ajuda económico acabaram e o potencial industrial do país cresceu exponencialmente, com milhões de pessoas trabalhando nas fábricas ou indo servir nas forças armadas. A saúde de Roosevelt eventualmente se deteriorou perto do fim do conflito e ele morreu três meses antes de começar seu quarto mandato.
Franklin Roosevelt é considerado, por académicos e historiadores, como um dos três grandes presidentes da história americana, juntamente com Abraham Lincoln e George Washington. Ele também é considerado um das melhores presidentes de sempre pelo povo dos Estados Unidos.

Enviar um comentário