terça-feira, dezembro 20, 2016

Camané - 50 anos!

Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos, conhecido por Camané (Oeiras, 20 de dezembro de 1967), é um fadista português, irmão mais velho dos também fadistas Hélder Moutinho e Pedro Moutinho.

Em 1979 ganhou a Grande Noite do Fado, numa época em que não havia competição em separado para os mais novos, o que lhe possibilitou a gravação de álbum produzido por António Chainho. Gravou mais alguns discos nesta fase.
Depois de interrupção de alguns anos regressou às lides do fado, actuando em diversas casas de fado. Participou também em produções de Filipe La Féria - "Grande Noite"; "Maldita Cocaína"; "Cabaret" - onde se evidencia.
Em 1995 grava o disco "Uma Noite de Fados" com a colaboração de José Mário Branco.
O álbum "Na Linha da Vida" foi editado em 1998.
"Esta Coisa da Alma" é o disco de 2000. "Pelo Dia Dentro" é lançado em 2001.
Grava ao vivo o disco "Como sempre… Como dantes".
A partir de 2004 esteve envolvido no projecto "Humanos" ao lado de Manuela Azevedo e David Fonseca bem como dos músicos Nuno Rafael, João Cardoso e Hélder Gonçalves, do qual resultaram dois álbuns (Humanos e Humanos ao Vivo) e um DVD, relativo aos concertos nas casas de espetáculos chamadas Coliseu de Lisboa e Coliseu do Porto, em Junho de 2005, onde Camané revelou a sua versatilidade de interpretação.
Em 2006 é lançado o DVD "Ao vivo no São Luíz".
O álbum "Sempre de Mim", editado em 2008, marca o regresso aos discos de estúdio.
Em 2010 lança o álbum "Do Amor e dos Dias". Este álbum acrescenta à sua carreira o comentário a um poema de Alexandre O'Neil, O amor é o amor. O fado de principal deste álbum é "A guerra das Rosas", inspirado pelo filme com o mesmo nome.
Em 2011 atuou na Brooklyn Academy of Music de Nova Iorque, num concerto elogiado pelo New York Times.
Também em 2011 o fado Já não estar, interpretado por Camané no documentário José e Pilar, novamente com letra de Manuela de Freitas e música de José Mário Branco, é pré-selecionado para o Óscar de Melhor canção original, pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos.
Em 2013 é editada uma coletânea com alguns temas inéditos: o disco duplo Camané - O Melhor | 1995-2013. Entre os inéditos está o poema de Álvaro de Campos Ai Margarida, com música de Mário Laginha, e o poema de António Gedeão Ai Silvina, Silvininha, com música de Alain Oulman, um inédito absoluto do mítico compositor de Amália Rodrigues. O álbum é motivo para o fadista regressar ao Coliseu dos Recreios num concerto onde tem como convidados Carlos do Carmo, Mário Laginha, Aldina Duarte e a polaca Anna Maria Jopek.
O ano de 2013 termina em mais uma experiência fora do Fado, desta vez com Pedro Abrunhosa, que chama Camané para o seu álbum Contramão. Gravam em dueto o tema Para os Braços da Minha Mãe, sobre a emigração portuguesa.
Em 2014 junta-se a Jorge Palma, à soprano Elisabete Matos e aos Xutos & Pontapés para participar no espetáculo Música em degradé - da ópera ao rock, no Pavilhão Atlântico.
Ainda nesse ano reencontra David Fonseca, com quem faz um concerto no Mercado da Ribeira, a convite da Time Out, no contexto do evento A maior casa de fados do mundo.
Em 2015 regressa aos originais com o disco Infinito Presente, com entrada direta para o primeiro lugar no top de vendas.
Como curiosidade, participou nas músicas "Sopram Ventos Adversos" e "Circo de Feras" dos Xutos & Pontapés e em "Fotos do Fogo" de Sérgio Godinho.


Enviar um comentário