quinta-feira, setembro 08, 2016

Dvorak nasceu há 175 anos!

Antonín Leopold Dvořák (Nelahozeves, 8 de setembro de 1841 - Praga, 1 de maio de 1904) foi um compositor checo do período romântico que usou nas suas obras muitas melodias populares da Morávia e da sua Boémia natal. Os seus trabalhos incluem óperas, sinfonias, coros e música de câmara. De entre suas obras mais conhecidas estão a Sinfonia nº 9 "Do Novo Mundo", as Danças Eslavas, o Quarteto de Cordas "Americano" e Concerto para Violoncelo em Si menor.

Antonín Dvořák nasceu em 8 de setembro de 1841, na aldeia boémia de Nelahozeves, perto de Praga (então parte da Boémia no Império Austríaco, atual República Checa), onde passou a maior parte de sua vida. Foi batizado na igreja católica de Santo André, na mesma aldeia. Os anos que Dvořák passou em Nelahozeves nutriram a forte fé cristã e o amor pela sua herança boémia que tão fortemente influenciou a sua música. O seu pai, Frantisek Dvořák (1814-1894) foi um taberneiro, instrumentista profissional de cítara e talhante. Embora o seu pai quisesse que ele também fosse um talhante, Dvořák passou a buscar um futuro na música. Recebeu sua primeira educação musical na escola da aldeia, onde ingressou em 1847, aos seis anos. De 1857 a 1859 estudou música na única escola para organistas de Praga e, gradualmente desenvolveu-se, tornando-se um excelente instrumentista de violino e viola. Escreveu seu primeiro quarteto de cordas quando tinha vinte anos, dois anos após a graduação.
Ao longo da década de 1860, tocou viola na Orquestra Provisória do Teatro da Boémia, que em 1866 era regida por Bedřich Smetana. Quando tinha dezoito anos, Dvořák era um músico a tempo integral e recebia cerca de 7,50 dólares por mês. A constante necessidade de complementar sua renda levou-o a dar lições de piano. Foi através dessas aulas de piano que conheceu a sua esposa. No princípio, ele apaixonou-se por uma sua pupila, Josefina Čermáková, para quem compôs Cypress Trees. No entanto, ela nunca o amou e acabou por casar com outro homem. Em 1873, Dvořák casou-se com a irmã de Josefina, Anna.
O seu primeiro sucesso foi um hino baseado numa obra de Vítězslav Hálek, famoso poeta do seu país. Assim conseguiu a colocação de organista na Igreja de Saint-Ethelbert, que ocupou até 1877. Datam desses anos Stabat Mater e outras obras sinfónicas, vocais e, sobretudo, de câmara. Em 1875 obteve uma remuneração permanente do Estado.
A obra de Dvořák conheceu um sucesso cada vez maior: surgiram as Danças eslavas (1878), Quarteto op. 51 (1879) e as primeiras sinfonias. O compositor foi diversas vezes para a Inglaterra, onde recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Cambridge em 1891. Obteve o mesmo título também da Universidade de Viena e da Universidade de Praga.
Em 1892 aceitou o convite para dirigir o Conservatório de Nova York. Escreveu então algumas de suas obras mais famosas, como a Sinfonia do Novo Mundo (1893). No entanto, a saudade do seu país fez com que o compositor retornasse para o lugar de professor de composição que obtivera em 1891.
A obra de Dvořák constitui uma síntese do pós-romantismo alemão de Brahms (que o admirava) e da tradição folclórica eslava.
Na relação de suas obras encontram-se nove sinfonias, um concerto para piano, um concerto para violino, um concerto para violoncelo (o mais famoso dos seus concertos), poemas sinfónicos (O espírito das águas, Meu Lar, Waldesruhe), aberturas (Othello, Na natureza, Trágica), danças sinfónicas, suites (Checa, Americana) e as danças checas.
As composições de Dvořák têm estilos muito próprios, com grande riqueza melódica e colorido orquestral.


Enviar um comentário