sexta-feira, outubro 09, 2015

Está a acabar-se o sossego nas praias portuguesas?

Descoberta fractura tectónica em formação perto da costa portuguesa

Nesta imagem, a fractura em formação na margem sudoeste ibérica, ainda incipiente, é representada pelas duas linhas amarelas

Uma equipa internacional liderada por portugueses detectou os primeiros sinais da formação de uma zona de fractura no fundo do Atlântico e propõe uma explicação "infecciosa" para este fenómeno

Após os grandes terramotos de 1755 e 1969 em Portugal, já se suspeitava que algo estivesse a acontecer no fundo do Atlântico, próximo da Península Ibérica. Porém, tudo parecia muito calmo nas margens continentais deste lado do oceano - ao contrário do que acontece, por exemplo, nas margens do Pacífico, onde uma intensa actividade tectónica conduz regularmente a violentos terramotos e erupções vulcânicas.

Mas agora, graças a modernas técnicas de sondagem, João Duarte - actualmente a trabalhar na Universidade de Monash, na Austrália -, colegas daquela universidade e da Universidade de Brest (França), e Pedro Terrinha, Filipe Rosas e António Ribeiro, da Universidade de Lisboa, concluem que afinal essa calma era apenas aparente. Os resultados acabam de ser publicados online na revista Geology.

Através do mapeamento dos fundos atlânticos, estes cientistas descobriram, na margem sudoeste ibérica, as primeiríssimas fases da formação de uma zona de subducção, fenómeno geológico em que uma placa tectónica da Terra mergulha debaixo de outra. Um tal fenómeno de transformação de uma margem tectónica "passiva", onde nada acontece, numa margem onde as placas se deslocam - e que deverá decorrer durante uns 20 milhões de anos -, nunca fora observado até aqui em parte alguma do planeta.

"A técnica de "batimetria multifeixe" deu-nos a morfologia e a forma do fundo do mar com alta resolução e a técnica de "sísmica de reflexão" forneceu-nos perfis da crosta terrestre que nos permitiram mapear as estruturas a três dimensões" do fundo oceânico, disse ao PÚBLICO João Duarte. "Ambas as técnicas se baseiam no princípio do sonar: usam ondas e ecos sonoros para "ver" o fundo do mar e a crosta terrestre." Os dados demoraram anos a serem coligidos: "Mapeámos um conjunto de falhas compressivas interconectadas ao longo de uma extensão de aproximadamente 300 km", acrescenta João Duarte.

A confirmarem-se os resultados, isso significa, antes de mais, que, daqui a uns 220 milhões de anos, o oceano Atlântico poderá vir a desaparecer e as massas continentais da Europa e da América poderão juntar-se num novo supercontinente. Este tipo de "rearranjo" continental já terá acontecido várias vezes ao longo dos mais de quatro mil milhões de anos de história do nosso planeta, com o movimento das placas tectónicas a desmembrar antigos supercontinentes (como a célebre Pangeia, que reunia todos os continentes actuais) e a abrir oceanos entre as várias massas continentais resultantes.

A descoberta também permite elucidar o mistério da formação de margens activas, explica o co-autor Filipe Rosas em comunicado da Universidade de Lisboa. O mistério reside no facto de ser difícil explicar de onde vem a força capaz de romper a crosta oceânica muito resistente das margens passivas, o que é indispensável para dar origem a placas activas.

Uma das hipóteses que foram propostas, já nos anos 1980, em particular pelo geólogo António Ribeiro, co-autor dos actuais resultados, era que, dado que seria mais fácil propagar uma rotura do que a formar de raiz, as novas zonas de subducção se criariam por propagação, por migração - por "infecção" - de zonas de subducção existentes noutros locais. É precisamente esta hipótese que a descoberta vem corroborar.

"A ideia nasceu em terra, quando encontrámos falhas que indicavam que havia coisas a acontecer no fundo do mar", disse-nos por seu lado António Ribeiro. "Algumas das falhas que mapeámos (como a falha Marquês de Pombal) já eram conhecidas", frisa João Duarte, "mas o novo mapa que agora apresentamos permite perceber como elas podem estar a funcionar em conjunto."

No caso da margem sudoeste ibérica, esta nova zona de subducção estaria a propagar-se a partir do Mediterrâneo ocidental. "Existe uma outra zona de subducção, por debaixo de Gibraltar, que faz parte de um sistema de subducções que causaram o fecho do Mediterrâneo (que ainda está a fechar-se, devido à colisão da África com a Eurásia, que formou montanhas como os Alpes)", explica-nos ainda João Duarte. "Em Gibraltar, a subducção está "entalada" entre África e a Península Ibérica, mas ela pode ainda gerar forças na margem oeste portuguesa."

O facto de uma zona de subducção estar a formar-se ao largo de Portugal também tem implicações mais imediatas, concretamente em termos da actividade sísmica futura na região envolvente, que inclui países como Portugal. A confirmação conduziria necessariamente, salienta-se no comunicado, "a uma revisão "em alta" da perigosidade sísmica regional (...), tornando ainda mais urgente uma resposta condizente dos governos em causa na adopção das respectivas medidas de prevenção."

in Público - ler notícia

3 comentários:

Carlos Faria disse...

Adorei o post, já nos anos de 1980 António Ribeiro alertava para esta possibilidade, um visionário em tectónica como poucos neste País.

Fernando João Fernandes Oliveira Martins disse...

É bem verdade -o Doutor António Ribeiro viu de longe...

Fernando João Fernandes Oliveira Martins disse...

É bem verdade -o Doutor António Ribeiro viu de longe...