domingo, julho 19, 2015

Plutão - admirável mundo novo...

O planeta-anão, uma gigantesca surpresa

As altas montanhas descobertas pela New Horizons em Plutão

A superfície de Caronte, companheiro de Plutão, fotografada em alta resolução

Annette Tombaugh, filha do descobridor de Plutão, durante a conferência de imprensa de quarta-feira à noite

As primeiras imagens de Plutão e Caronte em alta resolução, feitas pela New Horizons, revelam topografias totalmente inesperadas.

Montanhas com cerca de 3.500 metros de altura em Plutão; falésias, vales e um desfiladeiro com sete a nove quilómetros de profundidade no seu companheiro Caronte. Estas foram algumas das inesperadas estruturas de superfície que os cientistas da missão New Horizons da NASA descobriram literalmente esta quarta-feira, com base nas primeiras imagens em alta resolução enviadas pela sonda da agência espacial norte-americana após a sua passagem, na terça-feira, muito perto da superfície de Plutão.

“Temos grandes notícias”, disse Alan Stern, investigador principal da equipa da sonda, logo no início da conferência de imprensa transmitida em directo via Web, na quarta-feira, a partir das 20h (hora de Lisboa) desde o centro de controlo da missão, na Universidade Johns Hopkins (EUA).

Primeira grande surpresa: a topografia de Caronte. “Pensávamos encontrar um terreno antigo, coberto de crateras”, anunciou Cathy Olkin, co-responsável da missão, “mas o que vimos é absolutamente espantoso”. Na realidade, há muito poucas crateras em Caronte. “Isso sugere uma actividade geológica muito recente”, acrescentou, com as crateras a serem “apagadas” por ressurgimentos de material.

Quanto a Plutão, a surpresa foi ainda maior: revelou ter uma cadeia de jovens montanhas muito altas, para além de uma igualmente notável ausência de crateras. “Fizemos zoom sobre uma área quadrada de Plutão com cerca de 240 quilómetros de lado e não vemos nem uma única cratera, nem uma marca de impacto”, disse Will Grundy, outro elemento da equipa. “Só posso dizer: ‘uau’!”

Para os cientistas, isso significa que a superfície de Plutão é muito nova, talvez com menos de 100 milhões de anos de idade – ou seja, contemporânea dos dinossauros na Terra. O que implicaria que estes dois astros são meras crianças em relação aos 4500 milhões de anos que tem o nosso sistema solar.

Uma coisa que os investigadores terão agora de perceber é como é possível existir actividade geológica (talvez ainda hoje) em corpos gelados tão pequenos que não têm, ao seu lado, um planeta maciço cuja atracção gravitacional lhes possa fornecer, através do chamado “efeito de maré”, a energia necessária para essa actividade ter lugar.

“Foi esta manhã que descobrimos que o efeito de maré não é necessário para alimentar a actividade geológica em corpos gelados, isolados e tão pequenos como estes”, salientou Will Grundy, desencadeando uma salva de palmas no auditório da Johns Hopkins, onde decorria o evento.

“Os geofísicos vão ter muito trabalho para perceber os processos em causa”, rematou Alan Stern.

As montanhas de Plutão sugerem também que os gelos de azoto e de metano à superfície do planeta-anão formam apenas uma crosta, um “verniz”, uma fina cobertura. “Tem de haver gelo de água por baixo para ser possível gerar montanhas desta dimensão”, disse ainda Will Grundy. Só o gelo de água, que à temperatura de Plutão se comporta como uma rocha, seria suficientemente forte para sustentar essas estruturas.

Uma longa espera
Voltando um pouco atrás no tempo, foi após quase um dia de silêncio, em que fora programada para se dedicar exclusivamente a recolher dados e imagens, que a New Horizons “telefonou para casa”, exactamente à hora prevista: pouco antes das duas da manhã de quarta-feira (hora de Lisboa).

Às 01.54 foi recebido o primeiro sinal, captado por uma antena da NASA na Austrália e retransmitido para os EUA via uma outra antena, em Espanha: a sonda disse “olá”, confirmando que a linha de comunicação funcionava. Seguiu-se, pouco depois e durante vários minutos, uma rajada de sinais que significavam que o sistema de transferência de dados da sonda para a Terra estava operacional – e ainda, que as temperaturas a bordo estavam “todas no verde”.

Alice Bowman, responsável operacional da missão (mission operations manager, ou “mom” para os seus colegas) confirmaria a seguir, um a um – e, de cada vez, acolhida por aplausos –, o bom estado de saúde dos instrumentos de bordo e ainda que, na memória da sonda, “a quantidade expectável de segmentos tinha sido preenchida”. Isso significa que a totalidade das informações previstas terá sido efectivamente colhida e armazenada pela sonda durante a sua passagem a apenas 12.500 quilómetros de Plutão, à velocidade de 49.600 quilómetros por hora.

“Temos uma nave espacial de boa saúde, que registou os dados como previsto e que segue agora para lá de Plutão”, diria para concluir Alice Bowman. “We did it!” Houve abraços e beijos dentro da sala de operações da missão enquanto o público que enchia o já referido grande auditório ovacionava em pé a equipa da New Horizons.

A tensa espera tinha sido tanto mais longa que, como a sonda se encontrava naquela altura a cerca de 5000 milhões de quilómetros de nós, as suas primeiras mensagens demoraram, viajando à velocidade da luz, quase quatro horas e meia a chegar ao solo terrestre.

Presente na sala de controlo a aguardar o histórico telefonema estava também a filha de Clyde Tombaugh (1906-1997), o astrónomo norte-americano que descobriu Plutão em 1930 e cujas cinzas seguem a bordo da New Horizons, em guisa de homenagem. Referindo-se à já célebre estrutura em forma de coração que a sonda revelou existir à superfície de Plutão, Annette Tombaugh, citada pela BBC News, disse que o seu pai teria certamente gostado da ideia de que o seu planeta tem um coração.

Mas não é apenas esta estrutura que os cientistas têm descoberto nos últimos dias – e que tornam tanto Plutão como Caronte muito diferentes do que se esperava.

Já na terça-feira, depois da apresentação da imagem de Plutão fotografado pela New Horizons no dia anterior (antes de a sonda se calar para trabalhar), os cientistas tinham divulgado uma outra fotografia, com os dois corpos em cores falsas e onde era possível ver a complexidade topográfica das suas superfícies.

Os dados de cor ajudam aos cientistas a perceber a composição molecular do gelo de superfície, bem como a idade de estruturas geológicas. “Estas imagens mostram que Plutão e Caronte são mundos realmente complexos”, dissera Will Grundy, em comunicado da NASA.


Enviar um comentário