quinta-feira, fevereiro 05, 2015

D. António Alves Martins morreu há 133 anos

Entrou para a Ordem de São Francisco aos dezasseis anos, indo pouco depois para a Universidade de Coimbra. Foi expulso desta Universidade em 1828, por ter sido acusado de participar na Revolução liberal do Porto que se dera nesse ano no Porto, a 16 de maio.
Sendo um dirigente liberal é condenado à morte pelos miguelistas, mas conseguindo sempre escapar, após a Convenção de Évoramonte, foi eleito deputado em 1842.
Dirigiu o jornal Nacional, entre 1848 e 1849.
Em 1862 é nomeado bispo de Viseu.
Assume-se dirigente do Partido Reformista, entre 1868 e 1869. Depois foi aclamado ministro do Reino quer no mesmo ano, quer em 1870.
Iria viver para Viseu, Portugal, onde viria a falecer no Paço do Fontelo, antigo Paço Episcopal da mesma diocese.
Na estátua em sua homenagem, nessa cidade, figura uma citação sua: «A religião deve ser como o sal na comida: nem muito nem pouco, só o preciso».

Enviar um comentário