terça-feira, abril 30, 2013

Há 210 anos os Estados Unidos da América compraram a Louisiana

The modern United States, with Louisiana Purchase overlay (in green)

The Louisiana Purchase (French: Vente de la Louisiane "Sale of Louisiana") was the acquisition by the United States of America in 1803 of 828,000 square miles (2,140,000 km2) of France's claim to the territory of Louisiana. The U.S. paid 50 million francs ($11,250,000) plus cancellation of debts worth 18 million francs ($3,750,000), for a total sum of 15 million dollars (less than 3 cents per acre) for the Louisiana territory ($230 million in 2012 dollars, less than 42 cents per acre).
The Louisiana territory encompassed all or part of 15 present U.S. states and two Canadian provinces. The land purchased contained all of present-day Arkansas, Missouri, Iowa, Oklahoma, Kansas, and Nebraska; parts of Minnesota that were west of the Mississippi River; most of North Dakota; most of South Dakota; northeastern New Mexico; northern Texas; the portions of Montana, Wyoming, and Colorado east of the Continental Divide; Louisiana west of the Mississippi River, including the city of New Orleans; and small portions of land that would eventually become part of the Canadian provinces of Alberta and Saskatchewan.
France controlled this vast area from 1699 until 1762, the year it gave the territory to its ally Spain. Under Napoleon Bonaparte, France took back the territory in 1800 in the hope of building an empire in North America. A slave revolt in Haiti and an impending war with Britain, however, led France to abandon these plans and sell the entire territory to the United States, who had originally intended only to seek the purchase of New Orleans and its adjacent lands.
The purchase of the territory of Louisiana took place during the presidency of Thomas Jefferson. At the time, the purchase faced domestic opposition because it was thought to be unconstitutional. Although he agreed that the U.S. Constitution did not contain provisions for acquiring territory, Jefferson decided to go ahead with the purchase anyway in order to remove France's presence in the region and to protect both U.S. trade access to the port of New Orleans and free passage on the Mississippi River.

(...)

Although the foreign minister Talleyrand opposed the plan, on April 10, 1803, Napoleon told the Treasury Minister François de Barbé-Marbois that he was considering selling the entire Louisiana Territory to the United States. On April 11, 1803, just days before Monroe's arrival, Barbé-Marbois offered Livingston all of Louisiana for $15 million, equivalent to about $230 million in present-day values.
The American representatives were prepared to pay up to $10 million for New Orleans and its environs, but were dumbfounded when the vastly larger territory was offered for $15 million. Jefferson had authorized Livingston only to purchase New Orleans. However, Livingston was certain that the United States would accept the offer.
The Americans thought that Napoleon might withdraw the offer at any time, preventing the United States from acquiring New Orleans, so they agreed and signed the Louisiana Purchase Treaty on April 30, 1803. On July 4, 1803, the treaty reached Washington, D.C.. The Louisiana Territory was vast, stretching from the Gulf of Mexico in the south to Rupert's Land in the north, and from the Mississippi River in the east to the Rocky Mountains in the west. Acquiring the territory would double the size of the United States at a sum of less than 3 cents per acre.


Comunicado do IPMA sobre o sismo nos Açores

No dia 30 de abril de 2013, pelas 06.25 (hora local) ocorreu no Grupo Oriental dos Açores um sismo de magnitude 5.9ML, com localização epicentral a cerca de 40 km a sudeste da Povoação (S. Miguel). Este sismo foi sentido nas ilhas de S. Miguel, Santa Maria e Terceira. A ilha onde o impacto foi maior foi a de S. Miguel, tendo sido determinada uma intensidade máxima de V (Escala de Mercalli Modificada, 1956 - MM56) em algumas das localidades da zona oriental. Nas duas outras ilhas referidas a intensidade máxima observada não ultrapassou o grau III e IV (MM56), respetivamente. No total há conhecimento do sismo ter sido sentido em pelo menos 41 freguesias das três ilhas mencionadas.

Na ilha de S. Miguel foi ainda possível medir nas estações sísmicas valores de aceleração de pico de cerca de 27cm/s² em Caldeiras da Ribeira Grande e de 23 cm/s² em Chã de Macela, compatíveis com níveis de intensidade sísmica de grau IV (MM56).

Na sequência deste sismos ocorreram diversas réplicas de menor magnitude, tendo sido registadas 71 até às 15.00 horas locais. A réplica mais significativa atingiu a magnitude de 4,5ML e foi sentida com intensidade máxima IV (MM56) na Povoação.

O sismo das 06.25 UTC é de origem tectónica, e de acordo com uma análise preliminar, resulta de uma falha normal na zona de interação entre as placas Euro-Asiática e Núbia, com orientação NW-SE (ver figura).

O Instituto Português do Mar e Atmosfera, através do seu Centro Operacional nos Açores, continua a monitorizar o desenvolvimento da atividade sísmica. Se a situação o justificar serão emitidos novos comunicados.

Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação através da página do IPMA na Internet (www.ipma.pt) e a obtenção de eventuais recomendações junto do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (www.prociv.azores.gov.pt).

Sismogramas da rede do IPMA/SIVISA (clicar para aumentar)

in IPMA

Willie Nelson - música para celebrar a data

Sismo forte nos Açores

Recebido via e-mail (e com reforço pelos meus alunos...) do IPMA:
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) informa que no dia 30.04.2013 pelas 06.25 (hora local) foi registado nas estações da Rede Sísmica do Arquipélago dos Açores, um sismo de magnitude 5.7 (Richter) e cujo epicentro se localizou a cerca de 30 km a Norte-Noroeste dos Ilhéus das Formigas (S. Miguel). 

De acordo com a informação disponível, este sismo foi sentido, devendo em breve ser emitido novo comunicado com informação instrumental e macrossísmica actualizada. 

Se a situação o justificar serão emitidos novos comunicados. 

Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação através da página do IPMA na Internet (www.ipma.pt) e a obtenção de eventuais recomendações junto do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (www.prociv.azores.gov.pt).

Localização do epicentro, segundo o IPMA:


NOTA: passados poucos minutos (quatro, o suficiente para sair para a rua...) houve uma réplica forte que, provavelmente, assustou ainda mais os habitantes da parte este da ilha de São Miguel:
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera informa que no dia 30.04.2013 pelas 06.29 (hora local) foi registado nas estações da Rede Sísmica do Arquipélago dos Açores, um sismo de magnitude 4.4 (Richter) e cujo epicentro se localizou a cerca de 30 km a Norte-Noroeste dos Ilhéus das Formigas (S. Miguel).

Este sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima III/IV (escala de Mercalli modificada) nas regiões de Povoação e Vila Franca e intensidade III na região da Lagoa, ilha de S. Miguel.

Se a situação o justificar serão emitidos novos comunicados.

Sugere-se o acompanhamento da evolução da situação através da página do IPMA na Internet (www.ipma.pt) e a obtenção de eventuais recomendações junto do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (www.prociv.azores.gov.pt)

Jeff Timmons - 40 anos

Jeffrey Brandon Timmons (nascido em 30 de abril de 1973 em Canton, Ohio) é um cantor e produtor musical norteamericano e membro fundador do grupo nomeado para o Grammy, 98 Degrees.

Jeff Timmons iniciou a sua carreira artística involuntariamente, quando criança aprendeu a cantar numa igreja católica, perto do local onde morava, participando no seu coral, mas nunca levou a hipótese de cantar a sério. Na faculdade, onde estudava psicologia (na Universidade de Kent) Jeff chama alguns amigos para cantar "My Girl" para impressionar as amigas. Saindo-se tão bem quanto o esperado, ele decide, com seus amigos, em seguir a carreira artística. Eles resolvem mudar-se para Los Angeles, com John Lippmann, colega da universidade, almejando serem descobertos por algum bom empresário ou caça-talentos para conseguir um contrato de gravadora para o grupo recém-formado. Obtendo apenas frustrações, John abandona a ideia juntamente com os outros integrantes do grupo, mas pede para que Jeff entre em contacto com um amigo chamado Justin Jeffre, o qual foi seu colega na SCPA. Justin então aceita o pedido de Jeff e chama seu amigo Nick Lachey, que convoca seu irmão Drew, e assim forma o definitivamente os 98 Degrees. 

Contrato com gravadora e fama
Jeff exerceu vários part-times como segurança, entregador etc. para conseguir se sustentar enquanto ensaiava e fazia performances com o grupo atrás de um contrato. No backstage de um show do Boyz II Men o grupo consegue um convite para se apresentar em uma rádio local onde chama a atenção de Paris D'Jon que é o empresário do grupo conseguindo um contrato com a Motown Records. Entretanto junto com todo o grupo, Jeff sofreu alguns preconceitos por parte de sua própria gravadora, por serem um grupo de artistas caucasianos da Motown, sendo obrigados a morar na periferia do Brooklyn para que conseguissem que o álbum fosse lançado.
Em 97 o grupo lança seu primeiro álbum com o single "Invisible Man" que levou o nome do grupo alcançando sucesso moderado e depois o relança novamente com o novo single "Was It Something I Didn't Say" sem muito êxito, mas ganhando um disco de ouro. No ano seguinte lançam seu segundo álbum, 98 Degrees and Rising alcançando o sucesso desejado, obtendo os hits "Because Of You", "The Hardest Thing", "I Do (Cherish You)" e o dueto com Stevie Wonder, "True to Your Heart". 98 Degrees and Rising obtiveram vários discos de platina em pouco tempo.
No final de 1999, os 98 Degrees lançam o álbum de natal This Christmas, com o single "This Gift" se tornando platina.
Em fase de produção do terceiro álbum de estúdio, o grupo é convidado por Mariah Carey a gravar o hit "Thank God I Found You" juntamente com Joe. O single se tornou disco de outro e deu a primeira nomeação ao Grammy para o grupo na categoria "Melhor Colaboração Pop com Vocais".
Ainda no mesmo ano, o grupo finalizou o álbum Revelation. Neste álbum o grupo teve mais liberdade de produção, co-escrevendo e co-produzindo muitas de suas faixas, com Jeff trabalhando em duas faixas do álbum. O álbum obteve vários discos de platina, juntamente com o primeiro single "Give Me Just One Night (Una Noche)" e seguiu com sucesso moderado de "My Everything" e "The Way You Want Me To".
Em 2001 Jeff faz sua última apresentação pública com o grupo cantando "Man In The Mirror" com a parceria de Usher e Luther Vandross no especial de 30 anos de Michael Jackson na Madison Square Garden. No ano seguinte é lançado a coletânea The Collection com "Why (Are We Still Friends)" sendo o único single novo a divulgar o álbum. A partir daí o grupo anuncia que darão um tempo para seguir carreira solo e se envolver em outros projetos.

Carreira solo
Descontente com sua experiência com as gravadoras, Jeff decide gravar independentemente.
Cquote1.svg É ótimo estar com uma grande gravadora, pois eles podem colocar muita coisa atrás de seu projeto e fazer um monte de promoções e outras coisas, mas eles também têm algum tipo de controle sobre a criatividade do seu projeto, às vezes. Mesmo se você escrever tudo e produzir tudo sozinho, eles ainda podem chegar lá e mudar algumas coisas, e eu só queria ter a minha própria coisa em que eu conte a minha própria história sobre o que vem acontecendo comigo nestes últimos anos. Cquote2.svg
Jeff Timmons em entrevista para a MTV
O álbum foi inteiramente produzido e escrito por Jeff, focando o estilo musical dos 98 Degrees. Com exceção de "Baby J", composta para seu filho Jeff Jr. O álbum foi lançado em 24 de agosto de 2004, com "Whisper That Way" sendo o single de lançamento do álbum de mesmo nome. Embora o single tenha tido êxito a entrar em 23° na parada Adult Contemporary, o álbum falhou a alcançar o mesmo sucesso, da mesma forma os singles "Better Days" e "Favorite Star". Entretanto o álbum fez grande sucesso na China, Japão e Malásia.

Em agosto de 2005 Jeff se une com o grupo na campanha para prefeito de Cincinnati, onde seu amigo Justin estava concorrendo. Eles cantaram "Invisble Man" no rally feito na campanha de Justin.
Em 2007, Jeff participou do reality show da VH1, "Mission: Man Band". A meta do programa era unir quatro ex-membros de boy bands e formar um novo grupo, os fazendo viver juntos por três semanas e passar por uma fase de produção, gravação, performance e promoção para o lançamento do primeiro single. Jeff participou juntamente com Bryan Abrams de (Color Me Badd), Rich Cronin (LFO) e Chris Kirkpatrick (*NSYNC).

Jeff começou a investir em uma distribuidora não-tradicional de produtos multimedia chamada "iamMedia". A distribuidora trabalhará com a Circle K, 7-11, Kroger e SuperValue.
Em seu novo álbum ainda sem nome, Jeff está fazendo todo trabalho de composição, produção e mistura sozinho. O primeiro single "Emotional High foi lançado primeiramente nas Filipinas. Ainda em fase de produção, Jeff enviava músicas para as pessoas que se inscreviam eu seu website oficial para ouvir suas opiniões e escolher o reportório do novo álbum. O álbum seria lançado em um cruzeiro nas Caraíbas, mas Jeff voltou atrás na decisão, resolvendo dá-lo de graça para quem se inscrevesse em seu Facebook e mais tarde abriu mais ainda a oportunidade para todos os que se inscreverem em seu website. Segundo ele, tem gostado tanto de seu novo trabalho e que sabe que há pessoas e antigos fãs que não sabem de seu novo projeto ainda, que decidiu dá-lo de graça para que as pessoas conhecessem melhor seu trabalho.
Cquote1.svg Eu definitivamente acho que poderíamos ter tido acordos melhores. Nenhuma dúvida sobre isso. Em um ponto que havíamos vendido mais de 5 milhões de discos com ambas Motown e Universal Motown e não tivermos retorno. Nós ainda não estávamos ganhando dinheiro. Ficávamos do tipo "Como isso acontece? Eu acho que quando você é jovem você só quer fazer e viver o sonho, então você depende que sua gestão, agentes e advogados tenham seus melhores interesses em mente. Isso não acontece sempre. Tudo em tudo, eu não comerciaria nada porque o conhecimento que eu ganhei com as experiências do ponto de vista empresarial é inestimável. Cquote2.svg
Jeff Timmons em entrevista para a ClubDistrict


Vida pessoal
Jeff Timmons é hipoglicêmico, por isso o apelido "Sugar" (açúcar). É divorciado e possui dois filhos (Alyssa e Jeffrey Jr) de que compartilha a custódia com ex-esposa. Alyssa teve participação no vídeoclipe "My Everything" dos 98°. Ele também trabalha com várias instituições de caridade como a St. Jude Children's Hospital e a Elizabeth Glaser Pediatrics Aids Foundation. Em 2006 Jeff foi condenado por um ano de prisão preventiva por dirigir alcoolizado, mas seus advogados, com um recurso, conseguiram diminuir a pena: teve que fazer um tratamento contra o alcoolismo e prestar serviços comunitários por 50 horas.


Willie Nelson - 80 anos!



Willie Hugh Nelson (born April 30, 1933) is an American country singer-songwriter, author, poet, actor and activist. He reached his greatest fame during the outlaw country movement of the 1970s, and remains iconic, especially in American popular culture.

Now in his 70s, Willie Nelson continues to tour and has performed in concerts and fundraisers with other major musicians, including Bob Dylan, Neil Young, and Dave Matthews. He also continues to record albums prolifically in new genres that embrace reggae, blues, jazz, folk, and popular music.



segunda-feira, abril 29, 2013

Edward Kennedy "Duke" Ellington (Washington, 29 de abril de 1899 - Nova Iorque, 24 de maio de 1974) foi um compositor de jazz, pianista e líder de orquestra norteamericana eternizado com a alcunha de "The Duke" e distinguido com a Presidential Medal of Freedom (condecoração americana) em 1969 e com a Legião de Honra (condecoração francesa) em 1973, sendo ambas as distinções as mais elevadas que um civil pode receber. Foi ainda o primeiro músico de jazz a entrar para a Academia Real de Música de Estocolmo, e foi doutor honoris causa nas mais importantes universidades do mundo.
A música de Duke Ellington foi uma das maiores influências no jazz desde a década de 1920 até à de 1960. Ainda hoje suas obras têm influência apreciável e é, por isso, considerado o maior compositor de jazz americano de todos os tempos. Entre os seus muitos êxitos encontram-se "Take the A Train" (letra e música por Billy Strayhorn), "Satin Doll", "Rockin' in Rhythm", "Mood Indigo", "Caravan", "Sophisticated Lady", e "It Don't Mean a Thing (If It Ain't Got that Swing)". Durante os anos 20 e 30, Ellington partilhava frequentemente seus créditos de compositor com seu manager Irving Mills, até que no final dos anos 30 desentenderam-se. Billy Strayhorn passou a ser o colaborador de Ellington (nem sempre creditado como tal) desde 1940 até à sua morte nos anos 70.
Ellington tinha a preocupação de adaptar as suas composições de acordo com o talento dos músicos que compunham a sua orquestra, entre eles estiveram Johnny Hodges, Bubber Miley, Joe "Tricky Sam" Nanton, Barney Bigard, Ben Webster, Harry Carney, Sonny Greer, Otto Hardwick, e Wellman Braud. Muitos músicos permaneceram ao lado de Ellington durante décadas.

Nana Caymmi - 72 anos

(imagem daqui)

Nana Caymmi (nascida Dinair Tostes Caymmi, Rio de Janeiro, 29 de abril de 1941) é uma cantora brasileira.

Sempre gostou da música, também por ser filha do músico Dorival Caymmi e da cantora Stella Maris, o seu dom e talento para as artes musicais já vinham nos seus genes. Em 1960 começou a entrar no ramo artístico. Nesse mesmo ano registou a primeira atuação em estúdio, participando da faixa Acalanto (Dorival Caymmi), no LP do pai, que compôs a canção em sua homenagem, quando a cantora era ainda criança. Ela e Dorival reproduziram a música no LP.
Lançou, também, o primeiro disco solo, um 78 RPM, contendo as músicas Adeus (Dorival Caymmi) e Nossos beijos (Hianto de Almeida e Macedo Norte). No dia 26 de abril desse mesmo ano, assinou contrato com a TV Tupi, apresentando-se no programa Sucessos Musicais, produzido por Fernando Confalonieri. Em seguida, passou a apresentar, acompanhada pelo irmão Dori, o programa A Canção de Nana, produzido por Eduardo Sidney.
Em 1961, casou-se com seu noivo, o médico Gilberto José Aponte Paoli e mudou-se para a Venezuela. Em Caracas, Nana morou muitos anos e lá nasceram suas duas filhas: Stella Teresa Caymmi Paoli, em 1962, e Denise Maria Caymmi Paoli, em 1963. Gravou, nesse ano, o seu primeiro LP, chamado Nana, com arranjos de Oscar Castro Neves.
Em 1964, participou do disco Caymmi visita Tom e leva seus filhos Nana, Dori e Danilo, ao lado do pai e dos irmãos. Foi um disco com cantoria em família que fez muito sucesso.
Após muitas brigas e também na época os homens acharem um absurdo uma mulher cantar e sair a noite para shows, Nana não aguentou essa imposição do marido e decidida a ser feliz pela música, divorciou-se do marido e voltou grávida para o Brasil, com suas filhas pequenas e aqui passou a criá-las sozinha. O ex-marido só ajudou as filhas com a parte financeira.
Em 1966, nasceu na Cidade do Rio de Janeiro seu terceiro filho, João Gilberto Caymmi Paoli, o que foi uma grande alegria para ela, e mesmo separados, o seu ex-marido veio visitá-la e registar o menino.
Nesse mesmo ano, venceu o I Festival Internacional da Canção (TV Globo), interpretando a canção Saveiros (Dori Caymmi e Nelson Motta). Apresentou-se no programa Ensaio Geral (TV Excelsior), ao lado de artistas como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Tuca, Toquinho e Maria Bethânia, entre outros. Ainda nesse ano, assinou contrato com a TV Record, da Cidade de São Paulo. Após um tempo de namoro, casou-se com o cantor e compositor Gilberto Gil, com quem compôs "Bom dia", canção apresentada pelos autores no III Festival de Música Brasileira (TV Record), em 1967.
Em 1968 terminou seu contrato com a TV Record. Estreou, no Rio de Janeiro o show "Barroco" e divorciou-se de Gilberto Gil por motivos pessoais, possivelmente por causa de brigas por ciúmes.
Em 1969, foi citada por Carlos Drummond de Andrade no poema "A festa (Recapitulação)", publicado na edição do dia 23 de fevereiro do jornal "Correio da Manhã".
Em 1970, fez uma temporada de shows com Dori Caymmi em Punta del Este, no Uruguai. Participou do espetáculo "Mustang Cor de Sangue", com Marcos Valle, Paulo Sérgio Valle e o conjunto Apolo 3, realizado no Teatro Castro Alves (Salvador) e no Teatro de Bolso, no Rio de Janeiro.
No ano seguinte, cantou "Morena do mar" (Dorival Caymmi), na II Bienal do Samba (TV Record). Voltou a Punta del Este, para novas temporadas, em 1971 e em 1972, nesse último ano ao lado de Dori Caymmi, no Café del Puerto.
Em 1973, apresentou-se com sucesso em Buenos Aires. Viajou muito o mundo cantando e se apresentando, e por onde ia fazia sucesso.
No ano seguinte, realizou um show, com o conjunto argentino Camerata, no Camerata Café Concert, novamente em Punta Del Este. Lançou na Argentina, pela gravadora Trova, ainda em 1974, o LP "Nana Caymmi", que vendeu 20 mil cópias. O disco, divulgado Rádio Jornal do Brasil por Simon Khoury, chamou a atenção das gravadoras brasileiras.
No ano seguinte, acompanhada pela Camerata, foi recebida pelos media como Grande Show Woman, na sua temporada anual na Argentina.
Após um jejum de oito anos no mercado fonográfico brasileiro, ou seja, oito anos afastada sem cantar em público cuidando de sua vida pessoal, lançou, em 18 de junho de 1975, na Sala Corpo e Som, do Museu de Arte Moderna (RJ), o LP "Nana Caymmi" (CID). O disco alcançou o 77º lugar no Hit Parade Carioca, uma semana após o lançamento. Fez, ainda, uma temporada, no mês de julho, na boate Igrejinha em São Paulo, sendo citada por Tárik de Souza, no "Jornal do Brasil", como a "Nina Simone brasileira" e provocando a admiração de Caetano Veloso, que considerou sua interpretação de "Medo de amar" (Vinícius de Moraes) uma das mais expressivas da música brasileira.
No dia 22 de outubro de 1976, foi contemplada com o Troféu Villa-Lobos de Melhor Cantora do Ano, oferecido pela Associação Brasileira de Produtores de Discos. Participou da trilha sonora de "Maria Maria", espetáculo do Balé Corpo, com músicas de Milton Nascimento e Fernando Brant e coreografia de Oscar Ajaz. Apresentou-se, ao lado de Ivan Lins, no Teatro João Caetano (RJ), pelo projeto "Seis e Meia". Ainda em 1976, lançou o LP "Renascer", com show no Teatro Opinião". A canção "Beijo partido" (Toninho Horta), na voz da cantora, foi incluída na banda sonora da novela "Pecado Capital" (TV Globo).
Em 1977, gravou novo LP, pela RCA-Victor. O disco contou com a participação de Dorival Caymmi na faixa "Milagre", canção inédita do compositor, e teve show de lançamento no Teatro Ipanema (RJ). Ainda nesse ano, a gravadora CID lançou no mercado brasileiro o disco "Nana Caymmi", gravado na Argentina em 1974, com o título "Atrás da porta". Inaugurou, ao lado de Ivan Lins, o "Projeto Pixinguinha" (Funarte).
Em 1978, apresentou-se com Dori Caymmi pelo "Projeto Pixinguinha". O show, dirigido por Arthur Laranjeiras, estreou no Teatro Dulcina (Rio de Janeiro) e prosseguiu em Vitória, Salvador, Maceió e Recife. Ainda nesse ano, lançou, pela Odeon, o LP "Nana Caymmi", contendo a faixa "Cais" (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos), incluída na banda sonora da novela "Sinal de Alerta" (TV Globo).
Em 1979, apresentou-se, com Edu Lobo e o conjunto Boca Livre, no Teatro do Hotel Nacional e no Canecão, no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano conheceu e começou a namorar o cantor e compositor Claudio Nucci. Em poucos meses de namoro já estavam casados.
Em 1980, comandou "Nana Caymmi e seus amigos muito especiais", série de shows apresentados às segundas-feiras, no Teatro Villa-Lobos, com a participação de Isaurinha Garcia, Rosinha de Valença, Cláudio Nucci, Zezé Mota, Zé Luiz, Fátima Guedes, Sueli Costa, Jards Macalé e Claudio Cartier, entre outros. Fez temporada no Chico’s Bar, anexo do Castelo da Lagoa, no Rio de Janeiro, e realizou espetáculo de lançamento do disco "Mudança dos ventos" (Odeon), viajando em turnê de shows pelo país. Participou, ao lado do Boca Livre, do "Projeto Pixinguinha".
Em 1981, "Canção da manhã feliz" (Haroldo Barbosa e Luiz Reis), na voz da cantora, foi incluída na trilha sonora da novela "Brilhante" (TV Globo). Seu espetáculo, na Sala Funarte, foi apontado pelo "Jornal do Brasil" como um dos dez melhores do ano.
Em 1982, apresentou-se no Algarve, Portugal. Realizou uma participação na novela "Champagne" (TV Globo), representando a si mesma e cantando "Doce presença" (Ivan Lins e Victor Martins), ao lado do pianista Edson Frederico. A canção foi incluída na banda sonora da novela.
No ano seguinte, gravou, com César Camargo Mariano, o LP "Voz e suor" (Odeon). Apresentou-se, ao lado do pianista, no 150 Night Club (São Paulo), para lançamento do disco.
Em 1984, sua terceira separação: divorciou-se de Claudio Nucci por motivos conjugais. Esse foi seu último casamento, após o último casamento ela passou nos media, raramente, com alguns namorados. Após se separar, saiu do Brasil e participou do Festival de música de Nice, na França, com Dorival Caymmi e Gilberto Gil, entre outros.
No ano seguinte, em 1985, sua gravação de "Flor da Bahia" (Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro) foi incluída na trilha sonora de da minissérie "Tenda dos Milagres" (TV Globo), baseada no romance homónimo de Jorge Amado.
No final de 1986, na comemoração do centenário de nascimento de Villa-Lobos, iniciou uma série de shows pelo país, que teve continuidade no ano seguinte, interpretando obras do compositor, ao lado de Wagner Tiso e do grupo Uakti.
Em 1987, fez temporada de shows em Madri (Espanha). Lançou o disco "Nana", contando com a participação de seu filho, João Gilberto, na faixa "A lua e eu" (Cassiano e Paulo Zdanowski). No dia 3 de outubro desse mesmo ano, nasceu sua primeira neta, Marina Caymmi Meneses, filha de Denise Maria e Carlos Henrique de Meneses Silva.
Em 1988, fez show de lançamento do disco "Nana", no L’Onoràbile Società em São Paulo e no People Jazz, no Rio de Janeiro, seguido de turnê pelo país.
Em 1989, participou da coletânea "Há sempre um nome de mulher", LP duplo produzido por Ricardo Cravo Albin para a campanha do aleitamento materno, do Banco do Brasil, cantando as músicas "Dora" e "Rosa morena", ambas de Dorival Caymmi. Nesse mesmo ano, ao lado do amigo Wagner Tiso, excursionou por várias cidades da Espanha e participou do Festival Internacional de Jazz de Montreux, na Suíça. A apresentação foi gravada ao vivo, gerando o LP "Só louco", lançado, no mesmo ano, pela EMI-Odeon.
No dia 16 de dezembro de 1989, o seu filho, João Gilberto, sofreu, no Rio de Janeiro, um grave acidente de motocicleta. A cantora passou o ano de 1990 dedicando-se exclusivamente ao filho acidentado, que se não fosse rigorosamente tratado poderia ter sequelas. Ela, então, se afastou do cenário musical para se dedicar mais ao filho.
Em 1991, voltou ao cenário artístico, participando, ao lado do irmão Danilo, de espetáculo realizado no Rio Show Festival, que ocorreu no Rio e reuniu Dorival Caymmi e Tom Jobim. Participou novaente de um show de jazz em Montreux com os irmãos. O show foi gravado ao vivo e gerou o disco "Família Caymmi em Montreux", lançado no Brasil, no ano seguinte, pela PolyGram.
Em 1992, participou, no Rio Centro, no Rio de Janeiro, da segunda edição do "Rio Show Festival", ao lado de Dorival Caymmi, Danilo Caymmi e Fagner. Lançou, pela Sony Music, o disco "O melhor da música brasileira", apresentando-se em temporada de shows na casa noturna Jazzmania (Rio de Janeiro). No dia 24 de abril desse mesmo ano, nasceu Carolina, sua segunda neta, filha de Denise e Carlos Henrique de Meneses Silva. Participou do "SP Festival", realizado no Anhembi (São Paulo), ao lado de Dorival Caymmi, Danilo Caymmi e Gilberto Gil.
Em 1993, viajou para Portugal, para uma temporada de shows em Lisboa e no Porto, ao lado de Dorival e Danilo Caymmi. Gravou o disco "Bolero" (EMI), apresentando-se em longa temporada de shows no People Jazz (Rio de Janeiro), seguido de turnê pelo país. Esteve, também, em Nova York, onde se apresentou no Blue Note, em show que contou com a participação de Danilo Caymmi.
Em 1994, lançou o CD "A noite do meu bem - As canções de Dolores Duran" (EMI), que contou com a participação de sua filha Denise Caymmi na faixa "Castigo". Fez show de lançamento do disco no Canecão, em seu primeiro espetáculo solo nessa casa, seguindo em turnê pelo país.
Em 1996, apresentou-se no Teatro Castro Alves, em Salvador, ao lado de Daniela Mercury, do pai Dorival e dos irmãos Dori e Danilo, em dois espetáculos comemorativos dos 50 anos das empresas Odebrecht. Lançou, nesse mesmo ano, o disco "Alma serena" (EMI), no Canecão, Rio de Janeiro, e no Palace, São Paulo, seguido de turnê pelo país. Viajou, em seguida, para os Estados Unidos, onde se apresentou em Los Angeles e Nova York, ao lado de Dori Caymmi.
Em 1997, gravou, no Teatro Rival, Rio de Janeiro, o seu primeiro disco solo ao vivo, "No coração do Rio" (EMI), seguindo em turnê pelo país.
Em 1998, lançou o CD "Resposta ao tempo" (EMI), contendo a canção homónima (Cristóvão Bastos e Aldir Blanc), escolhida como tema musical de abertura da minissérie "Hilda Furacão" (TV Globo). A música obteve bastante destaque, tendo sido muito executada nas rádios, nesse ano. Apresentou-se, novamente, no Canecão, em show de lançamento do disco, viajando, em seguida, em turnê pelo país. No mesmo ano, sua música esteve presente na abertura da novela Fascinação, no SBT.
Em 1999, foi contemplada com o primeiro Disco de Ouro de sua carreira, pelas cem mil cópias vendidas do CD "Resposta ao Tempo" (EMI), seguindo-se o convite da TV Globo para cantar "Suave veneno" (Cristóvão Bastos e Aldir Blanc), canção escolhida como tema da novela homónima. Lançou a coletânea "Nana Caymmi - Os maiores sucessos de novela" (EMI). Participou, ainda, do songbook de Chico Buarque (Lumiar Discos), interpretando a faixa "Olhos nos olhos".
Em 2000, comemorando 40 anos de carreira em disco, lançou o CD "Sangre de mi alma" (EMI), cantando em espanhol uma seleção de boleros, como "Acércate más" (Osvaldo Farrés) e "Solamente una vez" (Agustin Lara), entre outros, com arranjos de Dori Caymmi e Cristóvão Bastos.
Em 2001, gravou o CD "Desejo", produzido por José Milton, com a participação de Zeca Pagodinho, em dueto com a cantora em "Vou ver Juliana" (Dorival Caymmi), Ivan Lins, ao piano na faixa "Só prazer" (Ivan Lins e Celso Viáfora) e sua sobrinha Alice, filha de Danilo Caymmi, em dueto com a tia na música "Seus olhos", de autoria da irmã, Juliana Caymmi. O disco registou, com arranjos de Cristóvão Bastos, Dori Caymmi, Lincoln Olivetti e Paulão 7 Cordas, as canções "Saudade de amar" (Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro), "Frases do silêncio" (Marcos Valle e Erasmo Carlos), "Fogueiras" (Ivan Lins e Vitor Martins), "Lero do bolero" (Kiko Furtado e Abel Silva), "Vinho guardado" (Danilo Caymmi e Paulinho Tapajós), "Desejo" (Fátima Guedes), "Naquela noite" (Claudio Cartier e Guto Marques), "Fumaça das horas" (Sueli Costa e Fausto Nilo), "Esse vazio" (Cristóvão Bastos e Dudu Falcão), "Marca da Paixão" (Marcio Proença e Marco Aurélio) e "Distância" (Dudu Falcão). Realizou o show de lançamento do disco no famoso Canecão (no Rio de Janeiro), apresentando, além do reportório do CD, sucessos de sua carreira, como "Saudade de amar", da banda sonora da novela "Porto dos Milagres" (TV Globo) e Resposta ao tempo (Cristóvão Bastos e Aldir Blanc), acompanhada de uma banda formada por Cristóvão Bastos (piano), Itamar Assiere (teclados), Ricardo Silveira (guitarra), Jorjão (baixo), Ricardo Pontes (sax e flauta), Ricardo Costa (bateria) e Don Chacal (percussão).
Em 2002, lançou o CD "O mar e o tempo", contendo exclusivamente obras de Dorival Caymmi, como "Saudade da Bahia" e "O bem do mar", entre outras, além da inédita "Desde ontem". O disco contou com a participação de seus irmãos Dori e Danilo, além de sua mãe, Stella, das netas, já que sua outra filha, Stella Teresa, também teve filhos e das suas sobrinhas.
Em 2003, foi lançado o songbook "O melhor de Nana Caymmi" (Editora Irmãos Vitale), produzido por Luciano Alves, contendo letras, cifras e partituras do repertório da cantora, além de um perfil biográfico assinado por sua filha, Stela Caymmi.
Em 2004, na comemoração do 90º aniversário do pai, lançou, com os irmãos Dori e Danilo, o CD "Para Caymmi, de Nana, Dori e Danilo", contendo exclusivamente canções de Dorival Caymmi: "Acontece que eu sou baiano", "Severo do pão/O samba da minha terra", "Vatapá", "Você já foi à Bahia?", "Requebre que eu dou um doce/Um vestido de bolero", "Lá vem a baiana", "A vizinha do lado/Eu cheguei lá", "O que é que a baiana tem?", "Dois de fevereiro/Trezentos e sessenta e cinco igrejas", "Saudade da Bahia", "O dengo que a nega tem", "São Salvador", "Eu não tenho onde morar/Maracangalha" e "Milagre". Os arranjos do disco foram assinados por Dori Caymmi.
Em 2005, lançou, ao lado de Danilo Caymmi, Paulo Jobim e Daniel Jobim, o CD "Falando de amor", sobre a obra de Tom Jobim. Os músicos Jorge Hélder (baixo) e Paulinho Braga (bateria) participaram das gravações.
Em agosto de 2008, os pais de Nana (Dorival Caymmi e Stella Maria) vêm a falecer num curto intervalo de tempo, fazendo com que Nana, muito abalada, cogite a possibilidade de deixar a carreira artística por achar que não tinha mais ao seu lado os seus maiores incentivadores, entrando em profunda depressão e desgosto.
Em dezembro de 2008 participa do programa musical Som Brasil Especial Dorival Caymmi, programa da Rede Globo que foi dedicado ao compositor baiano dentro da grade de programas especiais do final do ano da emissora carioca.
Em abril de 2009, lança mais um álbum em sua carreira. O álbum chama-se Sem poupar coração e possui 14 faixas, tendo uma das faixas na novela das 21 horas da Rede Globo "Insensato Coração".
Em 2010, o diretor francês Georges Gachot completo um documentário sobre a cantora, Rio Sonata.
Em 2012 a sua música Flor da noite fez parte da trilha sonora da novela Gabriela produzida pela Rede Globo.



Acalanto - Nana Caymmi e Dorival Caymmi


É tão tarde
A manhã já vem
Todos dormem
A noite também
Só eu velo por você, meu bem
Dorme, anjo
O boi pega neném
Lá no céu deixam de cantar
Os anjinhos foram se deitar
Mamãezinha precisa descansar
Dorme, anjo
Papai vai te ninar
Boi, boi, boi
Boi da cara preta
Pega esta menina
Que tem medo de careta

A atriz Michelle Pfeiffer faz hoje 55 anos

Michelle Marie Pfeiffer (Santa Ana, 29 de abril de 1958) é uma atriz, cantora e modelo norteamericana.

Michelle começou na televisão em 1978, na série A Ilha da fantasia. Posteriormente, participou das séries Delta House, CHiPs e B.A.D. Cats, até fazer sua estreia no cinema com The Hollywood Knights, em 1980. Até ganhar o papel de protagonista do musical Grease 2, Michelle Pfeiffer trabalhou em produções pequenas, tais como Ambição e sedução e Quando o amor renasce. A consagração veio com a participação no filme de Brian De Palma, Scarface, de 1983, no qual contracena com atores como Al Pacino e F. Murray Abraham.
A partir daí, Pfeiffer se envolveu em projetos como Sweet Liberty, The Witches of Eastwick e Tequila Sunrise.
A primeira indicação ao Óscar, veio por seu papel como Madame Marie de Tourvel, na versão de Stephen Frears (The Grifters - Os imorais) para Dangerous Liaisons, baseado na obra de Choderlos de Laclos. Depois, vieram as indicações como atriz principal, pelos filmes The Fabulous Baker Boys e Love Field, pelos quais ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz em Drama e o Urso de Prata de Melhor Atriz, respectivamente.
Em 1992 Michelle Pfeiffer interpretou a ladra Mulher-Gato, na produção Batman Returns, dirigida por Tim Burton.
Pfeiffer protagonizou também a obra do cineasta ítalo-americano Martin Scorsese, The Age of Innocence, de 1993. Neste filme, contracenava com Daniel Day-Lewis e Winona Ryder, e foi indicada para o Globo de Ouro de Melhor Atriz em Drama.
De 1994 a 1999, trabalhou em Dangerous Minds, Wolf e The Story of Us, no qual fez par romântico com Bruce Willis.
Em 2000, Pfeiffer parou algum tempo os seus trabalhos em pequenas produções para trabalhar com Robert Zemeckis (o diretor de Forrest Gump e Uma cilada para Roger Rabbit) e Harrison Ford no filme What Lies Beneath, um filme de suspense produzido por Steven Spielberg. Contudo, posteriormente, a atriz continuou trabalhar em pequenos filmes, como I Am Sam, ao lado de Sean Penn, e White Oleander, de 2002, onde contracenou com Renée Zellweger. Posteriormente, recusou o papel de Jadis, a Feiticeira Branca, no filme As Crónicas de Nárnia, alegando precisar estar com sua família.
Em 2007, Michelle Pfeiffer e Robert De Niro trabalharam juntos pela primeira vez. Trata-se da ficção científica Stardust, baseada em graphic novel de Neil Gaiman (o autor de Sandman). O longa teve direção de Matthew Vaughn e contou também com Claire Danes e Sienna Miller no elenco.

Filha de Dick e Dona Pfeiffer, tem três irmãos (um irmão mais velho e duas irmãs mais novas, Dedee e Lori Pfeiffer, também atrizes).
Sempre se mantendo discreta em relação aos acontecimentos de sua vida privada, Michelle Pfeiffer casou com o ator Peter Horton em 1981 e divorciou-se em 1988. Ainda na época das filmagens de Dangerous Liaisons, ela envolveu-se sentimentalmente com o ator John Malkovich. Em 1993 Michelle adotou uma menina, Claudia Rose e, no mesmo ano, casou-se com David E. Kelley, produtor de televisão e cinema (produtor da série Ally McBeal). No ano seguinte, tiveram um filho: John Henry Kelley.

domingo, abril 28, 2013

José Malhoa nasceu há 158 anos

José Vital Branco Malhoa (Caldas da Rainha, 28 de abril de 1855Figueiró dos Vinhos, 26 de outubro de 1933) foi um pintor, desenhista e professor português.

Com apenas 12 anos entrou para a escola de Belas Artes. Em todos os anos ganhou o primeiro prémio, devido às suas enormes faculdades e qualidade artísticas.
Realizou inúmeras exposições, tanto em Portugal como no estrangeiro, designadamente em Madrid, Paris e Rio de Janeiro. Foi pioneiro do Naturalismo em Portugal, tendo integrado o Grupo do Leão.
Destacou-se também por ser um dos pintores portugueses que mais se aproximou da corrente artística impressionista.
Foi o primeiro presidente da Sociedade Nacional de Belas Artes e foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem de Santiago. Em 1933, ano da sua morte, foi criado o Museu de José Malhoa nas Caldas da Rainha.
Teve colaboração artística na revista Atlântida (1915-1920).


O Fado é um quadro do pintor português José Malhoa, criado em 1910. Pintura a óleo sobre tela, mede 150 cm de altura e 183 cm de largura.
O quadro está no Museu do Fado, temporariamente cedido pelo Museu da Cidade em Lisboa.
José Malhoa pintou duas versões do quadro, a de 1909 e a de 1910. Foram expostas pela primeira juntas, lado a lado, na exposição O Fado de 1910, na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa em 2010.
A obra de 1909 é propriedade da família do empresário Vasco Pereira Coutinho.
Nas obras é retratado Amâncio, afamado marginal (ou "fadista", então sinónimo) da Mouraria a quem chamavam "pintor" (e por isso, no bairro, chamavam a Malhoa o "pintor fino"), e Adelaide, mulher de má vida, conhecida por Adelaide da Facada (exibia no rosto uma cicatriz desenhada a navalha).
Para concluir a obra, o pintor teve de andar no Governo Civil a meter cunhas para libertar da cela Amâncio, um desordeiro violento, teve de conter o temperamento do "pintor" de Mouraria quando se virava a Adelaide, teve de lhe atender alguns caprichos, sobretudo púdicos.
Sem Amâncio por perto, como quando estava preso, por exemplo, Malhoa desnudava os ombros e até um seio a Adelaide; os ciúmes tempestuosos de Amâncio foram levando o artista a subir a alça da camisola a Adelaide.
Malhoa convidou os habitantes de Mouraria e figuras da elite para opinar sobre a obra no seu estúdio.
Até El-Rei D. Manuei II sugeriu algumas alterações à pintura. Assim, inicialmente Adelaide tinha muitas tatuagens, o que era muito pouco comum para a época, e foi sugerido que fossem retiradas, ficando apenas uma muito pequena numa das mãos.
A pintura foi muito mal recebida pela crítica por retratar essa coisa menor do fado, a marginalidade. Começou por ser reconhecida no estrangeiro.
A obra foi exposta pela primeira vez em 1910 na Exposição Internacional de Arte do Centenário da República da Argentina, em Buenos Aires, com o título Bajo el Encanto, tendo obtido a Medalha de Ouro.
Em Janeiro de 1912, O Fado foi apresentado pela primeira vez em Portugal, na cidade do Porto.
Daí seguiu para o Salão de Paris, com o título Sous le Charme e, posteriormente, para Liverpool, com o título The Native Song.
Em 1915 obteve o Grand Prize, na Panamá-Pacific International Exposition, evento realizado em São Francisco, por ocasião da abertura do Canal do Panamá.
Foi exposta pela primeira vez em Lisboa somente em 1917, na 14ª Exposição da Sociedade Nacional de Belas Artes.
Na sequência desta última exposição, a pintura foi adquirida pela Câmara Municipal de Lisboa, tendo sido colocada no salão nobre dos Paços do Concelho, à época Sala das Sessões, onde permaneceu até ser integrado na exposição permanente do Museu da Cidade.


O pintor Francis Bacon nasceu há 104 anos

Reginald Gray, Retrato de Bacon, 1989

Francis Bacon (Dublin, 28 de outubro de 1909 - Madrid, 28 de abril de 1992) foi um pintor anglo-irlandês de pintura figurativa. Foi descendente colateral de Francis Bacon, filósofo do Período Elisabetano. O seu trabalho é reconhecido como audaz, austero, e, frequentemente, grotesco ou imagem de pesadelo.