domingo, agosto 19, 2012

Federico foi fuzilado há 76 anos

Federico García Lorca (Fuente Vaqueros, 5 de Junho de 1898Granada, 19 de Agosto de 1936) foi um poeta e dramaturgo espanhol, e uma das primeiras vítimas da Guerra Civil Espanhola devido ao seus alinhamentos políticos com a República Espanhola e por ser abertamente homossexual.
Nascido numa pequena localidade da Andaluzia, García Lorca ingressou na faculdade de Direito de Granada em 1914, e cinco anos depois transferiu-se para Madrid, onde ficou amigo de artistas como Luis Buñuel e Salvador Dali e publicou seus primeiros poemas.
Grande parte dos seus primeiros trabalhos baseiam-se em temas relativos à Andaluzia (Impressões e Paisagens, 1918), à música e ao folclore regionais (Poemas do Canto Fundo, 1921-1922) e aos ciganos (Romancero Gitano, 1928).
Concluído o curso, foi para os Estados Unidos da América e para Cuba, período de seus poemas surrealistas, manifestando seu desprezo pelo modus vivendi norte-americano. Expressou seu horror com a brutalidade da civilização mecanizada nas chocantes imagens de Poeta em Nova Iorque, publicado em 1940.
Voltando à Espanha, criou um grupo de teatro chamado La Barraca. Não ocultava suas ideias socialistas e, com fortes tendências homossexuais, foi certamente um dos alvos mais visados pelo conservadorismo espanhol que, sob forte influência católica, ensaiava a tomada do poder, dando início a uma das mais sangrentas guerras fratricidas do século XX.
Intimidado, Lorca retornou para Granada, na Andaluzia, na esperança de encontrar um refúgio. Ali, porém, teve sua prisão determinada por um deputado católico, sob o argumento (que tornou-se célebre) de que ele seria "mais perigoso com a caneta do que outros com o revólver".
Assim, num dia de Agosto de 1936, sem julgamento, o grande poeta foi executado com um tiro na nuca pelos nacionalistas, e seu corpo foi enterrado num ponto desconhecido da Serra Nevada. Segundo algumas versões, ele teria sido fuzilado de costas, em alusão a sua homossexualidade. A caneta se calava, mas a Poesia nascia para a eternidade - e o crime teve repercussão em todo o mundo, despertando por todas as partes um sentimento de que o que ocorria na Espanha dizia respeito a todo o planeta. Foi um prenúncio da Segunda Guerra Mundial.


  
Gacela del amor desesperado
   
La noche no quiere venir
para que tú no vengas
ni yo pueda ir.

 
Pero yo iré
aunque un sol de alacranes me coma la sien.
Pero tú vendrás
con la lengua quemada por la lluvia de sal.

  
El día no quiere venir
para que tú no vengas
ni yo pueda ir.

  
Pero yo iré
entregando a los sapos mi mordido clavel.
Pero tú vendrás
por las turbias cloacas de la oscuridad.

  
Ni la noche ni el día quieren venir
para que por ti muera
y tú mueras por mí.

   
    
Federico García Lorca
    
NOTA: para quem não fala castelhano, uma tradução de um hispanohablante deste blogue:
   
Gazela do amor desesperado

A noite não quer vir
para que tu não venhas
nem eu não possa ir.


Mas eu irei
embora um sol de lacraus me coma as têmporas.

  
Mas tu virás
com a língua queimada por uma chuva de sal.

   
E o dia não quer vir
para que tu não venhas
nem não possa ir.

  
Mas eu irei
entregando aos sapos o meu mordido cravo.

  
Mas tu virás
pelas turvas cloacas da obscuridade.

  
Nem a noite nem o dia querem vir
para que por ti morra
e tu morras por mim.

    
Federico García Lorca - Tradução de Pedro Luna

Sem comentários: