domingo, julho 20, 2008

Notícia sobre a Mina de Sal-Gema de Loulé

Mina de sal de Loulé vai receber 400 turistas/dia
05-11-2007 7:30:00

Em fase de decréscimo na produção, o grupo CUF quer rentabilizar a mina de sal gema, inserindo-a no roteiro turístico da região. Mas também há projectos para fazer dela um gigantesco arquivo e pô-la ao serviço dos doentes asmáticos.

“Queremos receber aqui 400 turistas por dia, mas para isso temos que equipar as minas de infra-estruturas que não têm neste momento”, revelou ao Observatório do Algarve o director técnico Alexandre Andrade, do grupo CUF.

O estabelecimento de uma visita turística dentro de uma parte dos 46 quilómetros de galerias que ali têm sido abertos desde os anos 60, altura da descoberta da jazida, é um dos projectos já assentes.

Por agora, a mina de Campinas de Cima, às portas de Loulé, produz 40 mil toneladas de sal gema (em 2005 produzia 110 mil), utilizado em Portugal e no estrangeiro na produção de descongelante para o gelo das estradas e em rações para animais. Aquele sal, mais “salgado” que o utilizado nas cozinhas, não serve para alimentação humana.

Para as novas tarefas “terciárias”, terão que ser instalados no subsolo, entre 230 e 260 metros de profundidade, equipamentos como uma secção multimédia em que se explique aos visitantes o que é e para que serve a mina.

Poderá ser também construído um restaurante, zonas de vendas baseadas nas pedras de sal (da pedra de sal gema podem ser feitos candeeiros, esculturas e pisa-papéis, por exemplo), além de terem que ser abertos novos poços para instalar elevadores, que substituam as “gaiolas” por onde agora descem e sobem os trabalhadores.

Um sanatório subterrâneo para asmáticos

Responsável pela estrutura de Loulé e por uma mina congénere na zona da Figueira da Foz, o técnico tem visitado nos últimos meses outras minas europeias, onde colhe ideias para abrir as minas a actividades paralelas.

Na Polónia, por exemplo, viu uma mina de sal com balneários, piscina, discotecas e até um campo de futebol, dedicada a crianças que padeciam de doenças respiratórias.

De resto, a abertura de uma zona de tratamento daquele tipo de doenças, em que se inclui a asma, é outro dos projectos do grupo CUF. A ausência de humidade no interior da mina faz dela ideal para o tratamento daquelas doenças e em tempos houve pessoas que passavam quinzenas na mina a conselho dos médicos.

Considerada pelo grupo CUF como o maior espaço visitável em Portugal com condições de segurança, a nova utilização turística teve recentemente um balão de ensaio, com a exibição – há pouco mais de um mês – de um ciclo de cinema dedicado à claustrofobia e de uma batida fotográfica, que decorreu no passado sábado.

Ambas as iniciativas foram organizadas no terreno pela Casa da Cultura de Loulé, que no início do ano foi contactada pelo grupo CUF e constituíram um sucesso, nomeadamente o ciclo de cinema (que levou a chancela do Cineclube de Faro), com sessões sempre cheias, segundo disse ao Observatório do Algarve Élio Pelica, daquela associação cultural.

O director técnico das minas de sal do grupo CUF revelou ainda que o grupo pretende alugar algumas galerias – muitas delas fechadas com taipais – a empresas que tenham falta de espaço para arquivos mortos. “Desse ponto de vista, temos aqui o maior armazém do País”, acrescentou Alexandre Andrade.

64 metros abaixo do nível do mar

A mina de sal surgiu aquando da mutação geológica que resultou na separação entre a Europa e África, que criou o Mar Mediterrânico, há 250 milhões de anos, ainda antes da era (SIC) Jurássica.

A cobertura de uma enorme massa de água salgada pela terra num período relativamente curto resultou no enorme torrão de pelo menos um quilómetro de profundidade que hoje se estende a Leste de Loulé e não se sabe onde acaba.

Há quem diga que ramos dessa linha de sal poderão atingir as proximidades de Barcelona, onde há uma jazida semelhante.

Com início 90 metros abaixo da superfície – após uma camada de calcário (1 aos 45 metros) e outra de gesso (45 aos 90 metros) -, a mina já foi “descoberta” até aos 313 metros de profundidade, mas as enormes galerias feitas pelo homem situam-se em dois níveis, a 230 e 260 metros de profundidade. A primeira galeria situa-se 64 metros abaixo do nível do mar.

Antes realizada a poder de dinamite, picaretas e martelos pneumáticos, actualmente, a extracção de sal é feita com uma máquina de perfuração a que os trabalhadores chamam “roçadora”.

Após esse trabalho, os camiões que circulam no interior das galerias (algumas maiores do que um túnel rodoviário comum) levam o minério a uma máquina que o desfaz e leva ao poço de transporte de material, até à superfície.

Boa parte da produção é levada para fora do País, onde é usado sobretudo para o fabrico de descongelante para as estradas europeias.

A mina foi descoberta há meio século, graças a um furo realizado numa propriedade em Campinas de Cima, cujo resultado foi… água salgada.

in Observatório do Algarve, 05.11.2007 - ler notícia

NOTA: embora com algumas asneiras, publicamos esta notícia antiga e perguntamos aos nossos leitores: quando haverá actividades turísticas (isto para além das actividades da Geologia no Verão) na Mina de Campina de Cima? Recordamos ainda que podem ver imagens da Mina neste nosso post antigo.

1 comentário:

SM disse...

Espeleo-terapia, algo bastante comum nos países centro-leste europeu, pode ser que a moda pegue e tenhamos médicos a receitar este tipo de "cura"